• Facebook
  • Myspace
  • Twitter
  • Google+

Reviews Mais Recentes


Rasgo - Ecos da Selva Urbana


Terror Empire - Obscurity Rising


Painted Black - Raging Light


Wolves in the Throne Room - Thrice Woven


Celeste - Infidèle(s)


Moonspell - 1755


Battle Dagorath - II - Frozen Light of Eternal Darkness


Kalmankantaja - Routamaa


Archspire - Relentless Mutation


Tod Huetet Uebel - N.A.D.A


Benthik Zone - Via Cosmicam ad Europam ab Gelid Inferis


Acherontas - Amarta अमर्त (Formulas of Reptilian Unification Part II)


Progenie Terrestre Pura - oltreLuna


Vita Imana - El M4l


Overkill - The Grinding Wheel


Time Lurker - Time Lurker


Warbringer - Woe to the Vanquished



Akercocke - Renaissance in Extremis


Neige et Noirceur - Verglapolis


Concertos em Destaque

Tradutor

Entrevistas Mais Recentes



































System of a Down têm músicas novas

Afinal não há nenhum problema com os System of a Down. É Serj Tankian quem o afirma, numa entrevista recente concedida à Rolling Stone. Na verdade a banda tem músicas novas, (...)

Simbiose, Alien Squad, Dokuga atuam no Porto em fevereiro

Os nacionais Simbiose, Alien Squad e Dokuga vão tocar no Metalpoint (Porto), no dia 3 de fevereiro do próximo ano.(...)

Hourswill apresentam novo álbum na companhia dos Inner Blast, The Chapter e Scarmind

Os Hourswill apresentam ao vivo o seu mais recente álbum, "Harm Full Embrace", dia 13 de janeiro, no RCA Club em Lisboa.(...)

Kamelot lançam novo vídeo e revelam novidades para 2018

Os Kamelot disponibilizaram o novo vídeo do tema "Under Grey Skies", que conta com a participação da vocalista dos Delain, Charlotte Wessels.(...)

Graveyard a gravar novo álbum

Os suecos Graveyard encontram-se nos Park Studios, em Estocolmo, a gravar o seu próximo álbum de estúdio, sucessor de "Innocence and Decadence", lançado no ano 2015. (...)


Avançámos para este “Great Is Our Sin” muito cépticos, teremos que obrigatoriamente confessar. Os Revocation são claramente uma banda que apreciamos mas o facto de se sentir que cada álbum é uma obra-prima faz com que pensássemos que seria agora que os norte-americanos iriam escorregar. Ninguém humano poderia manter tão elevado grau de excelência durante tanto tempo. É parvo, sabemos, mas é a realidade. E dentro deste espírito, fomos ouvindo de pé atrás. Não sabemos se será por isso ou não mas a verdade é que logo à primeira, o trabalho não nos entrou. Pelo menos até chegar à música instrumental da praxe, a “The Exaltation”.

É oficialmente o tema desbloqueador. A partir daqui tudo nos soa diferente, inclusive nas consequentes audições. No entanto não se pense que estávamos apenas cegos pelo preconceito, porque há realmente diferenças palpáveis no trabalho apresentado aqui e naquele que antecedeu, “Deathless”. A que sentimos como mais forte e geral – e aquela que nos confundiu inicialmente – é o facto de à primeira audição ficar a impressão que a banda está mais leve e por consequência, mais acessível. O paradoxo vem do facto de ao mesmo tempo sentirmos que as suas composições estão mais complexas e, sem relação directa, mais pesadas.

Como todo o bom ser humano, a nossa primeira reacção foi de rejeição por tudo aquilo que não compreendemos e poderá levar algum tempo a compreender este “Great Is Our Sin”, que é provavelmente um dos trabalhos menos acessíveis que a banda lançou até hoje – e isso poderá reflectir-se nas reacções de alguns fãs, mas é também aquele que promete mais longevidade e que também dá mais gozo desmontar. É também o álbum mais assumidamente death metal técnico-da-escola-que-tem-uns-riffs-estranhos-e-leads-igualmente-peculiares. Não interessa o que é, interessa que é viciante. De forma diferente mas viciante na mesma.


Nota: 9/10

Review por Fernando Ferreira