• Facebook
  • Myspace
  • Twitter
  • Google+

Candidata-te

A Metal Imperium encontra-se a recrutar colaboradores para redação de notícias, reviews de álbuns ou entrevistas a bandas.

Quem quiser fazer parte desta equipa poderá candidatar-se contactando-nos por email: metalimperium@gmail.com



Reviews Mais Recentes

Uada - Cult of the Dying Sun


Occultum - In Nomine Rex Inferni


Monolithe - Nebula Septem


Morag Tong - Last Knell of Om


Haunted - Dayburner


Djevel - Blant Svarte Graner


Raw Decimating Brutality - Era Matarruana


Czort - Czarna Ewangelia


Kinetik - Critical Fallout


Dopethrone - Transcanadian Anger


Abhor - Occulta ReligiO


Refuge - Solitary Men


Sevendust - All I See Is War


Black Fast - Spectre of Ruin


Sleep - The Sciences


Tomb Mold - Manor of Infinite Forms


Taphos - Come Ethereal Somberness


Wrath Sins - The Awakening


Judas Priest - Firepower


Bleeding Through - Love Will Kill All


Ihsahn - Àmr


Alkaloid - Liquid Anatomy


Filii Nigrantium Infernalium - "Fellatrix


Amorphis - Queen of Time


Ghost - Prequelle


Angelus Apatrida - Cabaret de la Guillotine


Bleed From Within - Era


Painted Black - Raging Light


Necrobode - Metal Negro da Morte


Pestilence - Hadeon


Tortharry - Sinister Species


Inframonolithium - Mysterium


Somali Yacht Club - The Sea


Dallian - Automata


Concertos em Destaque

Tradutor

Entrevistas Mais Recentes



































Alcest revelam detalhes sobre novo álbum

Depois de um longo e intenso período de trabalho no Drudenhaus Studio, os Alcest anunciaram o término das gravações do seu sexto registo. (...)

Korn lançam novo álbum em setembro e divulgam novo single

Os Korn preparam-se para lançar o seu novo álbum, "The Nothing", no dia 13 de setembro, através da Roadrunner/Elektra

Killswitch Engage lançam novo single

Os Killswitch Engage continuam a antecipar o seu novo álbum. Para o efeito, a banda divulgou agora o primeiro single do mesmo, "Unleashed", que pode ser ouvido (...)

Testament - Novo álbum será lançado no princípio do próximo ano

O vocalista Chuck Billy e o guitarrista Eric Peterson revelaram há dias, no festival francês Hellfest, que gravaram todas as faixas para o próximo álbum (...)

Possessed, Burn Damage @ RCA Club, Lisboa – 18Jun2019

Quando eu era um jovem apreciador de metal, nos finais da década de 80, Portugal era um deserto no que toca a concertos de sons mais pesados, e quando havia algum, por exemplo no mítico Pavilhão do Dramático de Cascais, (...)


O coletivo de doom belga-britânico, Pantheist, é um daqueles excelentes exemplos de evolução contínua na sonoridade. Os tempos de “O Solitude”, o primeiro álbum, já lá vão, bem como o funeral doom embrionário que definiu os tempos iniciais da banda e que terá captado as atenções dos primeiros seguidores. Desde então, a banda lançou mais quatro discos até aos dias de hoje. Ao viajar por eles nota-se que o ritmo acelerou, os teclados ganharam presença e muitas características do Gótico foram acrescentadas. Com muita naturalidade, a banda foi avançando na idade e o seu som voltou-se mais para o progressivo, culminando no álbum homónimo de 2011, uma excelente peça de música que afirmava que a sonoridade da banda já nada tinha a ver com o que era quando começaram em 1999, mas que o distinto resultado final falava por si.

Foram precisos sete anos até que este “Seeking Infinity” surgisse, o maior interregno entre discos que a banda teve e, a primeira coisa que se pode dizer deste lançamento, é que é mais um caso de regresso às origens. Mas não um assim tão óbvio!

Releiam o primeiro parágrafo, desta vez não como uma introdução aos Pantheist, mas sim como uma descrição deste novo álbum. “Seeking Infinity” é uma absorção do trabalho da banda durante todos estes anos: logo assim que entra “Control Fire” vemos que o death/doom sinistro volta a ser a espinal dorsal da música aqui concebida, mas que tudo o resto está cá também: os teclados omnipresentes, as melodias graciosas e a atmosfera melancólica. “500 B.C. to 30 A.D. - The Enlightened Ones” reforça a ideia presente no tema anterior, refinando os riffs arrastados e crescendo para contornos épicos com secções de canto espiritualista capazes de provocar arrepios na espinha; já “1453: An Empire Crumbles” apresenta-se como a faixa mais exótica do disco, com elementos que vão desde o canto gregoriano até aos ritmos tribais. Mas, a cereja no topo do bolo está mesmo nos dois temas que fecham o álbum: “Emergence” e “Seeking Infinity, Reaching Eternity”. Aqui comprova-se que os Pantheist não queriam deixar o ouvinte indiferente ao seu trabalho mais recente, a banda quer deixar uma marca mais vincada que uma queimadura de ferro de engomar ao terminar a sessão com dois temas que brilhantemente representam a faceta actual dos Pantheist.

Dizer que este é o melhor álbum da banda até agora será sempre discutível, visto que os restantes também foram muito bem conseguidos, no entanto, em vez de se lançarem a explorar novas sonoridades, os Pantheist aglomeram tudo o que já fizeram no passado para darem o passo em frente. Épico, vagaroso, belo e solene são os rótulos que podemos colar em “Seeking Infinity”, uma pérola de doom metal que merece estar na colecção dos apreciadores do género.

Nota: 9.2/10

Review por Tiago Neves