• Facebook
  • Myspace
  • Twitter
  • Google+

Candidata-te

A Metal Imperium encontra-se a recrutar colaboradores para redação de notícias, reviews de álbuns ou entrevistas a bandas.

Quem quiser fazer parte desta equipa poderá candidatar-se contactando-nos por email: metalimperium@gmail.com



Reviews Mais Recentes

Uada - Cult of the Dying Sun


Occultum - In Nomine Rex Inferni


Monolithe - Nebula Septem


Morag Tong - Last Knell of Om


Haunted - Dayburner


Djevel - Blant Svarte Graner


Raw Decimating Brutality - Era Matarruana


Czort - Czarna Ewangelia


Kinetik - Critical Fallout


Dopethrone - Transcanadian Anger


Abhor - Occulta ReligiO


Refuge - Solitary Men


Sevendust - All I See Is War


Black Fast - Spectre of Ruin


Sleep - The Sciences


Tomb Mold - Manor of Infinite Forms


Taphos - Come Ethereal Somberness


Wrath Sins - The Awakening


Judas Priest - Firepower


Bleeding Through - Love Will Kill All


Ihsahn - Àmr


Alkaloid - Liquid Anatomy


Filii Nigrantium Infernalium - "Fellatrix


Amorphis - Queen of Time


Ghost - Prequelle


Angelus Apatrida - Cabaret de la Guillotine


Bleed From Within - Era


Painted Black - Raging Light


Necrobode - Metal Negro da Morte


Pestilence - Hadeon


Tortharry - Sinister Species


Inframonolithium - Mysterium


Somali Yacht Club - The Sea


Dallian - Automata


Concertos em Destaque

Tradutor

Entrevistas Mais Recentes



































The Sword vão entrar num hiato

Corte quase fatal no futuro dos The Sword, uma vez que a banda texana anunciou há dias que fará uma pausa, embora tenha lançado ainda em março (...)

Hate Eternal lançam áudio de "Nothingness of Being"

A banda de death metal irá lançar o novo álbum, Upon Desolate Sands, a 26 de outubro através da Season Of Mist. Depois de desvendar (...)

Alterações no alinhamento do Festival Bardoada e Ajcoi

O Festival Bardoada e Ajcoi anunciou a substituição de duas das bandas previamente confirmadas. (...)

Marky Ramone em Portugal no próximo mês

O veterano Marky Ramone tem dois espectáculos marcados para o nosso país, que serão nada mais, nada menos, do que o warm up para o Lisbon Tattoo Rock Fest 2018. (...)

Behemoth lançam nova música "Wolves Ov Siberia"

"Wolves Ov Siberia", o novo vídeo de Behemoth, pode ser visto acima. A música faz parte do próximo álbum da banda, "I Loved You At Your Darkest", (...)

No passado dia 17, Dream Theater regressou ao Porto para mais uma data da tour que serve como introdução do novo baterista, Mike Mangini aos fãs da banda e como preparação/aperitivo para o novo álbum, intitulado “A Dramatic Turn Of Events” com lançamento previsto ainda para este ano.

Tendo chegado ao Coliseu quase em cima das nove da noite, julguei ter perdido a actuação dos portugueses Forgotten Suns, ficando apenas a saber depois que a sua actuação tinha sido cancelada. Começa a ser preocupante o “azar” das bandas portuguesas que ficam responsáveis das primeiras partes de grandes eventos como este.

Pouco depois dos quinze minutos após as nove da noite, ouve-se a introdução orquestral “Dream Is Collapsing” (título curioso) da autoria do mestre Hans Zimmer que abre caminho para o início da “Under a Glass Moon” aplaudido por uma sala bem composta. A banda mostrou-se compacta embora o som estivesse algo atabalhoado, não se conseguindo discernir todos os pormenores da guitarra e das teclas. Considerando que estamos a falar de uma banda como Dream Theater, este não é um mero detalhe. Os problemas continuaram na “These Walls”, “Forsaken” e “Endless Sacrifice”. Nada de extraordinariamente vergonhoso, o som apenas não estava nítido o suficiente.

Enquanto a banda descansava, ficou Mike Mangini em palco a fazer a sua personificação de polvo humano. Era previsível que algo assim acontecesse para que a banda sinta que os fãs aceitam o baterista, afinal substituir alguém como Mike Portnoy não é fácil. Principalmente quando este era a grande força motriz da banda. O público gostou e sinceramente, eu também. O esforço para agradar foi supremo e recompensado, com o baterista a ficar impressionado e até tocado com os aplausos calorosos, retribuindo com um “obrigado” em português.

A clássica “Ytse Jam” foi a próxima a ser recebida em delírio pelo Coliseu do Porto, e o som já estava bem melhor, na altura ideal, principalmente porque de seguida veio a “Peruvian Skies”, (a primeira vez tocada em solo nacional se não estou em erro. “The Great Debate” antecedeu a nova faixa “On The Back Of Angels”, esta também recebida pelo público. Uma boa faixa mas que requer mais audições. Na recta final, era tempo de voltar aos clássicos com a “Caught In A Web” e a sequência “Through My Words / Fatal Tragedy” e depois de uma curta pausa, veio o encore na forma de “Count Of Tuscany.

Estou certo que todos os presentes não se importariam de ter mais músicas antes das luzes acenderem e que achariam preferível outro alinhamento e a substituição do solo de bateria por outra música qualquer mas é o preço da saída de Portnoy. O alinhamento foi escolhido de forma a ter uma faixa de cada álbum (tecnicamente foram duas do “Metropolis Pt2: Scenes From A Memory”) e comparando com concertos anteriores, o alinhamento não difere quase nada – algo quase inédito – mas, a condicionante da mudança de baterista assim obriga e é a forma mais segura de olear a máquina bem. E a máquina está bem oleada, que digam o público que saiu a sorrir da noite de 17 de Julho.


Texto por Fernando Ferreira
Fotografias por Ricardo Lopes