• Facebook
  • Myspace
  • Twitter
  • Google+

Reviews Mais Recentes

Symphony X - Underworld




Riverside - Love Fear And The Time Machine




Amorphis - Under The Red Cloud





Flayed - Monster Man




Ivanhoe - 7 Days




Elferya - Eden's Fall




Spektr - The Art To Disappear




Rab - Rab 2




Exumer - The Raging Tides




Tales Of The Tomb - Volume One Morprhas




Dimino - Old Habits Die Hard




Roxxcalibur - Gems Of The NWOBHM





The Fifth Alliance - Death Poems




Augrimmer - Moth And The Moon




The Great Tyrant - The Trouble With Being Born




Weeping Silence - Opus IV - Oblivion




Watercolour Ghosts - Watercolour Ghosts




Hexx - Under The Spell/ No Escape




Deseized - A Thousand Forms Of Action




Razor Rape - Orgy In Guts




Sadist - Hyaena




Xandria - Fire & Ashes




Alien Syndrome 777 - Outer




Asylum Pyre - Spirited Away




Canyon Of The Skell - Canyon Of The Skull




Chron Goblin - Blackwater




Extreme Cold Winter - Paradise Ends Here

Metal Imperium - Merchandise

.
Para encomendar, enviar email para: metalimperium@gmail.com

Concertos em Destaque

Visitantes

Tradutor

Entrevistas Mais Recentes



















Entrevista aos Wintersun

Os Wintersun estão de volta mas só acede ao novo álbum “The Forest Seasons” quem participar na campanha de crowdfunding que se iniciou no dia 1 de março e que terminará no dia 31 do mesmo mês. (...)

Vallenfyre revelam detalhes do novo álbum

O próximo álbum dos Vallenfyre, intitulado "Fear Those Who Fear Him", será lançado a 2 de Junho pela Century Media Records. O 3º álbum da banda foi gravado (...)

Hail Of Bullets chegam ao fim

A guerra dos Hail Of Bullets chegou ao fim. A banda holandesa colocou um término na sua luta e para a história ficaram álbuns como "...of Frost and War", (...)

Novembers Doom lançam novo vídeo

Os Novembers Doom, banda oriunda de Chicago, acaba de lançar um novo vídeo com a letra. Retirada do seu décimo álbum, “Zephyr”, foi, desta feita, a escolhida.(...)

Testament preparam lançamento de novo álbum e livro

Apesar do seu último álbum "Brotherhood Of The Snake" ter sido lançado há apenas cinco meses, os Testament encontram-se já a trabalhar no seu sucessor. A revelação surgiu numa entrevista(...)


O supergrupo de death metal sueco The Lurking Fear acaba de assinar um contrato com a editora Century Media para lançamento do seu álbum de estreia, ainda este ano.

Com uma sonoridade inspirada em bandas como Autopsy, Possessed, Death, Slaughter e Bathory, os The Lurking Fear preparam-se para lançar um EP, ainda sem título divulgado, primeiro numa edição especial limitada a 500 cópias no próximo mês de Maio; e, posteriormente, a nível mundial no final do verão.

Conforme declarações da banda: "Somos uma banda de death metal. Não a típica banda new wave, tocamos death metal do coração com um impacto emocional puro e uma forte visão artística. Todos tocamos em várias outras bandas para cima de 25 anos e queremos apenas lançar a música que queremos ouvir. Quando nos juntamos isto é o que sai naturalmente, pois temos as mesmas referências. Queremos o nosso som distorcido e possuído. Sentimos falta da urgência e intensidade em muito do death metal moderno."

The Lurking Fear conta com membros e ex-membros de bandas de renome como os At The Gates, The Haunted, Skitsystem, Disfear e God Macabre. A sua composição é atualmente constituída por: Tomas Lindberg (At The Gates) na voz; Jonas Stålhammar (The Crown) e Fredrik Wallenberg (Skitsystem) nas guitarras, Andreas Axelsson (Disfear, Tormented, Edge of Sanity) no baixo e Adrian Erlandsson (At The Gates, The Haunted) na bateria.

Por: Mariana Crespo - 26 Março 17


As más notícias abalaram recentemente o reino daquela que é considerada por muitos como uma das bandas pioneiras do metal progressivo. Isto, porque Paul Laganowski, antigo guitarrista dos Realm, banda de thrash metal progressivo do final dos anos 80 e início dos anos 90, sucumbiu há dias a um cancro do pâncreas. O guitarrista Takis Kinis, também um antigo membro da banda do Wisconsin, já comentou o sucedido, através de uma publicação no Facebook: 

"É com um enorme pesar que partilho com todos vós a notícia da morte de Paul Laganowski.

"Há nove meses, o Paul foi diagnosticado com cancro do pâncreas. Segundo o seu desejo, mantivemos a doença em privado. Ele batalhou imenso e manteve o seu otimismo e senso de humor até ao fim. Ele está finalmente livre da dor e do sofrimento. E por isso estou grato.

"A maioria de vós lembra-se do Paul como o guitarrista das nossas bandas Realm e White Fear Chain. Através da música ele tocou muitas pessoas. O seu legado continuará vivo. Nós que tivemos o privilégio de conhecê-lo como amigo, sabíamos como ele era realmente especial. Ele era uma daquelas raras almas boas que vocês não podiam deixar de adorar. Eu sinto-me honrado por ter tocado música com ele e por chamá-lo de meu melhor amigo.

"Paul, enquanto atravessas para o outro lado, quero que saibas que és amado por muitos e que sentiremos a tua falta."

Por: Bruno Porta Nova - 26 Março 17


Os All That Remains, lançaram um novo video com letra.

Halo integra o oitavo álbum de estúdio da banda, intitulado "Madness", que tem como data prevista de lançamento, o dia 28 de Abril, pela editora Razor & Tie.
Gravado nos "West Valley Studios", em Woodland Hills, na Califórnia, o novo álbum foi produzido por Howard Benson.

Abaixo podem ver o novo vídeo "lyric video" para a nova música, "Halo", bem como a capa do novo álbum e a lista das suas 13 faixas.



Faixas do novo álbum"Madness"




01. Safe House
02. Madness
03. Nothing I Can Do
04. If I'm Honest
05. Halo
06. Louder
07. River City
08. Open Grave
09. Far From Home
10. Trust And Believe
11. Back To You
12. Never Sorry
13. The Thunder Rolls


Por: Luís Valente - 26 Março 17


Os Wintersun estão de volta mas só acede ao novo álbum “The Forest Seasons” quem participar na campanha de crowdfunding que se iniciou no dia 1 de março e que terminará no dia 31 do mesmo mês. O baixista Jukka esteve à conversa com a Metal Imperium para esclarecer todos os pormenores.

M.I. – Quando o auto-entitulado álbum de estreia saiu, o Jari descreveu-o como metal épico-melódico extremo e majestosamente técnico, depois do lançamento de “Time I” passou a ser “universal metal”… qual a definição mais adequada para o som dos Wintersun em 2017?

Épico, é mesmo essa a definição adequada para o som dos Wintersun. Tal pode ser ouvido na nossa música nas mais variadas formas: riffs rápidos, mudanças lentas e majestosas, voz poderosa, etc. Somos épicos!

M.I. – A banda anunciou que em Março iria iniciar um crowdfunding para poder construir um estúdio para os Wintersun. Quão importante é esse estúdio? Considerando que o estado económico actualmente não é o melhor, pensas que ireis conseguir alcançar o vosso objectivo com a ajuda dos fãs?

O crowdfunding foi lançado no 1.º dia deste mês e atingimos o objectivo mínimo em menos de 24 horas. Acreditamos que, conjuntamente com os nossos fãs, poderemos alcançar o que queremos e, tendo em consideração o que já está a acontecer, não poderíamos estar mais felizes! O problema é que alugar um estúdio fica muito caro e não podemos dar-nos a esse luxo com o tipo de produção massiva que TIME II envolve. Podíamos investir no nosso estúdio através de crowdfunding e assegurar que os futuros lançamentos têm a melhor produção e qualidade possível. Isto é o que queremos dizer aos fãs com toda a transparência e mostrar-lhes onde o dinheiro será aplicado e, finalmente, conseguir sair da nossa infeliz situação de “Nada está a acontecer” de uma vez por todas!

M.I. – Parece haver alguma confusão porque os fãs sentem que estão a financiar o vosso estúdio mas vocês dizem que eles só estão a comprar o novo álbum… penso que o vosso post, no dia 25 de janeiro, a mencionar o crowdfunding não é muito claro e compreendo o descontentamento dos fãs. Queres clarificar a situação?

É muito interessante como algumas pessoas são tão negativas quanto a isto. Estamos simplesmente a vender o nosso álbum mas através de crowdfunding. É melhor que seja assim porque assim todos vêem para onde o dinheiro vai. Na vida do dia a dia ninguém quer saber para onde vai o dinheiro quando compra um telemóvel. Nós somos transparentes e o mais honestos possível. Mas é bom ver que a maioria do pessoal percebe isto.

M.I. – De acordo com o Jari “A construção do estúdio é absolutamente essencial para terminar TIME II e produzir os próximos álbuns com a melhor produção e o mais rapidamente possível”. Tal não pode ser feito num estúdio “normal”? Esta é a melhor forma de ter acesso ilimitado a um espaço vosso onde podeis gravar sempre que vos apetece?

Bem, funciona assim: mesmo os estúdios “normais” custam caro, através deste crowdfunding podemos tornar as coisas muito melhores para os Wintersun e para os fãs poderem ter os nossos álbuns mais rapidamente e com melhor qualidade! Se tens uma certa visão sobre um álbum, deves trabalhar com ela sem compromissos e o mais rápido possível. Infelizmente, com TIME I e TIME II não foi o caso. Especialmente com álbuns que envolvem grandes produções, é trabalhoso fazê-los soar bem e precisas de mais recursos dos que os que temos actualmente. O álbum TIME I soa bem mas, em termos de satisfação para nós, fica-se nos 60% e não queremos ter um desapontamento destes outra vez. Não faz sentido continuar a criar música para ficar desapontado, pois não?

M.I. – O que acontecerá se não conseguires o dinheiro que é preciso? Avançareis na mesma com o projecto?

Bem, a campanha está a correr tão bem que o álbum será mesmo lançado!

M.I. – O crowdfunding é tipo “chantagem” (no melhor sentido da palavra… se tal existir! risos) pois as pessoas terão de doar para terem acesso ao “The Forest Package”. O que é que este pacote inclui? Como tiveram esta ideia? O pacote estará disponível quando o crowdfunding terminar?

O crowdfunding está a vender o novo álbum que faz parte do “The Forest Package” que é um pacote enorme. Queríamos algo especial, principalmente para os nossos fãs mais queridos e para manter o crowdfunding o mais simples possível sem termos de recorrer às meias usadas do Jari por quantias impensáveis de dinheiro. Hehehe! Queríamos dar algo que valesse mais do que os 50 euros que estamos a pedir e isso inclui o novo álbum “The Forest Seasons” com a melhor qualidade sonora possível, faixas isoladas e versão instrumental do novo álbum, remasters de “Wintersun” com intro nova, remaster de TIME I, álbum ao vivo do festival Tuska em 2013 e versão acústica do novo tema do álbum “Loneliness”. É uma boa oferta!

M.I. – Pensas que os fãs comprarão o álbum mesmo sem terem visto trailers, ouvido excertos de temas e sem terem acesso a toda a informação que geralmente se tem antes de comprar um álbum? Porque ainda não lançaste nada disto? Penso que os fãs teriam apreciado um pequeno teaser.

É verdade, o nosso plano era lançar amostras no primeiro dia da campanha e foi isso que fizemos. Agora, durante a campanha, lançaremos um documentário, dividido em várias partes, com a produção do álbum que contém ainda mais música, portanto haverá muito para ouvir!

M.I. – O site oficial que surge na pesquisa do google “wintermadness” já não é actualizado desde maio 2011. O Facebook é a vossa página principal agora? 

A nossa página do Facebook é a principal neste momento. Estávamos a usar www.wintersun.fi mas foi hackeada e agora focamos o uso no facebook por tudo acontecer de uma forma muito interactiva!

M.I. – A banda existe há mais de 13 anos e só lançou 2 álbuns. É por ter começado como “side-project?

Na verdade só lançámos 1 álbum e meio. (risos) Começou como um “side-project” mas foi sempre o foco principal do Jari. Wintersun é algo precioso e a música criada é pensada ao mais ínfimo pormenor. Penso que é como um autor literário, pode demorar mais tempo a produzir um álbum mas o resultado é fabuloso. Qualidade acima de quantidade!

M.I. – O facto da banda ser composta por músicos conhecidos fez com que assinar contrato com a Nuclear Blast se tornasse mais fácil?

Não, neste caso não. Pode haver bandas só com músicos famosos mas no caso da Wintersun o foco foi e sempre será a música. Não teríamos conseguido contrato se a música não tivesse potencial.

M.I. – Alguns membros estão noutras bandas também. Como é que isso afecta os Wintersun? Como conciliam todos os compromissos?

Tal não afecta os compromissos dos Wintersun. Nós encontramos sempre a melhor forma de manter a banda activa, e ainda mais agora.

M.I. – De acordo com a Encyclopaedia Metallum, as letras da banda giram em torno do inverno, emoções, espaço, sonho, morte e tempo. Também lidam com estes temas no “The Forest Seasons”? São estes os temas que mais vos interessam?

Penso que estes são os temas mais épicos e as maiores questões que existem, por isso é que nos tocam tanto. Banda épica, letras épicas!  “The Forest Seasons” também contém estes elementos. Neste álbum, há um certo foco em cada tema já que é uma estação única (Primavera, Verão, Outono e Inverno).

M.I. – O novo álbum “The Forest Seasons” tem 53 minutos e segue o conceito de Vivaldi em “The Four Seasons”. O Vivaldi é uma influência? Quão importante é a música clássica para ti?

A influência de Vivaldi está nas quatro estações, mas musicalmente não. Temos 4 temas únicos neste álbum focado em cada estação e que emergem de forma extraordinária.

M.I. – Já que o novo álbum é uma versão do “The Four Seasons”, ireis tocá-lo totalmente ao vivo ou intercalá-lo com outros temas?

Talvez façamos das duas maneiras, mas nos festivais de verão talvez toquemos material novo misturado com material mais antigo.

M.I. – A banda já foi contactada para tocar em festivais… quão intensos vão ser esta Primavera e Verão?

Os espectáculos estão a ser marcados e participaremos em 10 festivais de verão. O Outono ainda está em aberto mas esperamos andar em tournée o máximo de tempo possível.

M.I. – Os Wintersun virão a Portugal em Agosto para tocar no Vagos Metal Fest. Já tocaste cá? Qual a tua opinião sobre os fãs portugueses, a comida e o tempo?

Será a primeira vez para os Wintersun em Portugal e é fabuloso! Agosto será um bom mês para ir aí porque o tempo estará certamente quente. Estamos ansiosos por provar a vossa comida maravilhosa! Eu sei porque já estive aí e o tempo quente faz com que as pessoas estejam mais alegres e receptivas e, quanto à comida, o sol faz com que os ingredientes fiquem mais saborosos e com eles se consiga fazer uma bela comida.

M.I. – Penso que o Jari e o Kai costumavam tocar nos ArthemesiA. Eu segui de perto esse projecto e gostava bastante mas acho que terminaram permanentemente. Sonho vê-los ao vivo… e os sonhos não podem morrer! (risos)

Só o Jari é que esteve nos Arthemesia. Eu conheço os tipos da banda e sei que terminaram. Tinham material muito porreiro. Talvez um dia eles voltem, quem sabe!

M.I. – Deixa uma mensagem aos fãs portugueses e leitores da Metal Imperium. 

Gostei muito da entrevista e agradeço o interesse nos Wintersun. Estamos muito entusiasmados por tocar no festival de Vagos e por irmos a Portugal. Vejam a nossa campanha de crowdfunding na Indiegogo! Vemo-nos em Agosto!

Entrevista por Sónia Fonseca


O próximo álbum dos Vallenfyre, intitulado "Fear Those Who Fear Him", será lançado a 2 de Junho pela Century Media Records. O 3º álbum da banda foi gravado já com a sua nova composição: Gregor Mackintosh (vocais e guitarra), Hamish Glencross (guitarra e baixo) e Waltteri Väyrynen (baterista). Abaixo podem ser conhecidos o artwork e track list deste trabalho.

Mackintosh referiu que, neste trabalho, a banda apresenta uma sonoridade mais simples e crua.

Track list:

01. Born To Decay (01:48)
02. Messiah (02:00)
03. Degeneration (03:10)
04. An Apathetic Grave (05:54)
05. Nihilist (01:56)
06. Amongst The Filth (03:26)
07. Kill All Your Masters (02:09)
08. The Merciless Tide (05:15)
09. Dead World Breathes (00:40)
10. Soldier Of Christ (03:12)
11. Cursed From The Womb (06:41)
12. Temple Of Rats (02:49)


Por: Sara Delgado - 24 Março 17



Depois do lançamento mundial em cinema do seu mais recente filme/concerto ao vivo, "Rammstein: Paris", os Rammstein anunciaram que o DVD/Blu-Ray deste lançamento estará disponível para todo o mundo no dia 19 de Maio, com a pré-venda a ser iniciada hoje.

O filme, dirigido por Jonas Åkerlund, tem já o seu primeiro trecho disponível para visualização no canal oficial da banda alemã no Youtube, vídeo esse que pode ver acima. A música escolhida foi "Wollt Ihr Das Bett In Flammen Sehen?".

Por: Carlos Ribeiro - 24 Março 17


O baterista e fundador dos romenos Negură Bunget, Gabriel Mafa, ou como era conhecido, "Negru", faleceu no último dia 21 de Março, aos 42 anos de idade.

A informação foi avançada pelo guitarrista e vocalista da banda, Tibor Kati, sem que a causa desta súbita morte tivesse sido revelada.

Por: Carlos Ribeiro - 23 Março 17



Os Novembers Doom, banda oriunda de Chicago, acaba de lançar um novo vídeo com a letra. Retirada do seu décimo álbum, “Zephyr”, foi, desta feita, a escolhida.

O novo trabalho intitulado “Hamartia”, sai a 14 de Abril através da The End Records, mas já está disponível para pré-encomenda no iTunes, Amazon e Google Play.

Paul Kuhr, vocalista, falou sobre o novo trabalho: “Pela primeira vez na existência desta banda, temos a mesma programação em dois álbuns consecutivos. Sem a necessidade de nos concentrarmos num novo elemento, nós podemos nos concentrar no processo de escrita mais claramente, e a sinergia entre o grupo é evidente no resultado final.”

Por: Ana Costa - 22 Março 17


Howard Jones, actual vocalista dos Devil You Know e ex-vocalista dos Killswitch Engage e Peter Wichers, guitarrista ex-Soilwork, estão a juntar ideias para um novo projecto musical, nos estúdios do último em Carolina do Norte, EUA.

Mais detalhes sobre o álbum de estreia desta nova banda serão dados em breve.

Por: Carlos Ribeiro - 22 Março 17


Apesar do seu último álbum "Brotherhood Of The Snake" ter sido lançado há apenas cinco meses, os Testament encontram-se já a trabalhar no seu sucessor. 

A revelação surgiu numa entrevista recente do vocalista Chuck Billy para a revista japonesa Roppongi Rocks.

Nas palavras de Chuck: "Começámos a compor assim que voltámos da nossa digressão japonesa. Temos todo o mês de Março livre e em Abril voltamos à estrada, com 37 concertos com os Sepultura e os Prong. Vai ser uma boa combinação. Depois temos Junho livre e algures em Julho vamos continuar a compor. Temos alguns concertos na Europa em Julho e depois em Agosto. A seguir, vamos ter uma digressão maior no final do ano na Europa. Já não fazemos isso há algum tempo pelo que estamos ansiosos por isso."

Enquanto não sai o novo álbum, a banda prepara-se para lançar um livro ilustrado. O livro contará a história dos Testament e incluirá uma seleção inédita de fotografias, desde os tempos do álbum "From The Legacy" (1987) até a "Brotherhood Of The Snake" (2016). Mais pormenores podem ser visualizados abaixo:

 
Por: Mariana Crespo - 21 Março 17


A guerra dos Hail Of Bullets chegou ao fim. A banda holandesa colocou um término na sua luta e para a história ficaram álbuns como "...of Frost and War", "On Divine Winds" e "III: The Rommel Chronicles", entre outros trabalhos. Estes praticantes do death metal despediram-se da seguinte forma:

"É com tristeza nos nossos corações que vos informamos que decidimos desligar a máquina dos Hail Of Bullets. O paciente já estava a sofrer de doença há alguns anos. Pensávamos que tínhamos erradicado a doença há alguns anos, mas aparentemente o tumor estava mais espalhado do que esperávamos. Não existem planos imediatos para ressuscitar o cadáver... PS: mensagens pessoais/questões sobre esta situação não serão respondidas. É tudo, e tanto vós como nós teremos de lidar com isso..."

Por: Bruno Porta Nova - 21 Março 17


Os gregos Nightrage acabam de disponibilizar um novo single. Do novo trabalho da banda, “The Venomous”, já é possível ouvir “Bemoan”, disponível acima.

O álbum é lançado a 31 de Março através da Despotz Records.

Por: Ana Costa - 20 Março 17



Acima pode ser visto o novo videoclip dos Overkill, lançado há três dias, para a música "Shine On", que faz parte do mais recente álbum dos norte-americanos, intitulado "The Grinding Wheel".


Por: Carlos Ribeiro - 20 Março 17


É quase chegada a hora de um dos festivais mais esperados a sul do rio Tejo! Falamos, claro está, do Moita Metal Fest que disponibiliza mais um cartaz de peso. Este ano, os destaques vão para os cabeças de cartaz Napalm Death e Sodom, dois monstros históricos do metal europeu. Além disso, podemos contar com a grande visita dos holandeses No Turning Back, como também com o que de melhor se faz em terras lusas, já que teremos a presença de bandas como Gwydion, Crise Total, Heavenwood, Corpus Christii, ou até mesmo Fast Eddie Nelson.

O festival ocorre este ano num novo espaço, a saber no Largo do Pavilhão Municipal de Exposições, nos dias 31 de março e 1 de abril, respetivamente sexta-feira e sábado. 

Os bilhetes diários estarão apenas à venda na bilheteira do festival, cujos valores serão de 15€ na sexta-feira e de 18€ no sábado, onde está incluído o acampamento gratuito. 

Segue o alinhamento do cartaz:

31 março - 20:00h

Napalm Death 
Gwydion 
Crise Total
Theriomorphic 
Prayers Of Sanity 
Legacy Of Cynthia

1 abril - 14:30

Sodom 
Heavenwood 
No Turning Back 
Corpus Christii 
Revolution Within 
Midnight Priest
Primal Attack
Attick Demons 
Analepsy
Fast Eddie Nelson 
BurnDamage 
The Zanibar Aliens 
Enblood


Por: Bruno Porta Nova - 20 Março 17


Depois do desolador meio-concerto no Rock In Rio, no ano passado, os Korn regressaram este ano a Portugal com a promessa de fazerem esquecer esse infeliz episódio e, acima de tudo, proporcionarem mais uma excelente atuação, algoque foi plenamente assegurado. A primeira parte do certame musical coube aos Hellyeah e Heaven Shall Burn. 

Para darem início ao motim, os norte-americanos Hellyeah subiram ao palco também com o intento de promoverem o seu mais recente trabalho intitulado "Unden!able". Deste último álbum, lançado no verão passado, pudemos escutar as já virais "Human" ou "Startariot", que deram ânimo à meia arena quase esgotada do Campo Pequeno. Durante trinta minutos de bom metal com bastante groove, este grupo cada vez mais super, liderado pelo baterista Vinnie Paul e o não menos conhecido vocalista Chad Gray, mostrou-se incansável perante uma horda de metaleiros, a qual considerou orgulhosamente como parte de uma grande família mundial. E para princípio da noite, foi caso para dizer: Hell Yeah!

Os Heaven Shall Burn, os únicos provenientes do velho continente, trouxeram-nos sonoridades mais pesadas que ajudaram a incendiar um público já bastante animado, cuja recetividade a temas com um forte cariz social foi enorme, e onde se destacou o simbólico "Voice of the Voiceless". Outros temas pertencentes ao já largo trabalho da banda alemã, como "Land of the Upright Ones", incentivaram tímidos crowdsurfs ou circle-pits, mas confirmaram principalmente que estávamos perante uma banda com muita maturidade em palco, o que é normal, uma vez que os Heaven Shall Burn, inicialmente Consense, já contam, para os mais distraídos, com 20 anos de história bem pesada.

Pairava uma certa nostalgia dos anos 90, quando o pano caiu subitamente sobre o palco, desvendando um enorme logotipo dos Korn e uma estrutura de cubos cromaticamente iluminados, de onde saltaram os membros da banda, o que levou a uma imediata e primeira explosão de euforia por parte dos presentes ao som de "Right Now". Foi assim até final, muito devido à clara perceção da banda relativamente àquilo que o seu público queria ouvir, ou seja, não baseou a sua atuação no seu último trabalho, "The Serenity of Suffering", mas sim num mui bem selecionado best of para regozijo dos seus fãs. Desse derradeiro trabalho, pudemos apenas escutar "Rotting In Vain" e "Insane". De resto, foi possível viajar (de mochila às costas?) por todos os sucessos do conjunto de Bakersfield, como por exemplo "Blind", "Good God" ou "Falling Away From Me", havendo ainda tempo para medleys com "Shoots and Ladders" e "One" dos Metallica ou "Word Up!" de Cameo, "Coming Undone" e "We Will Rock You" dos Queen. Um dos destaques da  noite foi para o sincero pedido de desculpas endereçado pelo vocalista Jonathan Davis em relação ao que se passou, ou melhor, ao que não se passou no Rock In Rio. Os Korn despediram-se da melhor maneira, com aquele que é considerado por muitos como um hino de uma geração, claro está "Freak On A Leash", e provaram que estão realmente aqui para ficar.


Texto por Bruno Porta Nova
Fotografias por Igor Ferreira
Agradecimentos: Everything Is New


A 2ª edição do Camarro Fest realizou-se no primeiro fim-de-semana de fevereiro, na Sociedade de Instrução e Recreio Barreirense "Os Penicheiros", e contou, mais uma vez, com um cartaz bastante eclético, onde pudemos escutar sonoridades que foram do rock até ao metal, passando pelo punk, ao longo de dois dias bem animados.

A honra de dar início ao festival coube aos Skyard, uns jovens rapazes da terra que praticam um hard rock que teve o seu auge nos anos 80, mas que se vê aqui recuperado com mestria, através deste destemido quarteto. Prova disso, são os bem conseguidos temas "Society" ou "Strange New World", retirados do primeiro registo de originais da banda, e que se revelaram serem capazes de alentar ou incitar à saudade do mais cético. Embora diante de um espaço ainda pouco composto, a atuação coesa deste conjunto do Barreiro chegou para que ninguém ficasse indiferente ao desempenho destes hard rockers que terão certamente mais para dar.

Seguiu-se novamente o rock, mas desta feita um rock mais heavy, com ares do deserto. Os Son Of Cain subiram ao palco por volta das dez da noite e, perante uma sala bem preenchida, aceleraram a todo o gás pelo seu recente repertório com boas malhas como "Down On My Knees" ou "Stay Off", extraídas do primeiro trabalho "LowLife 69", ou ainda com a mais recente "Hit The Road", concluindo-se que este duo dinâmico garantiu um bom recital de stoner e doom neste seu primeiro assalto ao Barreiro.

A primeira (e única?) atuação metaleira da noite ficou a cargo dos veteranos Decayed que se comprometeram a tocar o bom e velho black metal com o auxílio inicial de uma pequena dose de bagaço, o ideal para aquecer as almas satânicas de um trio que deu início ao concerto justamente com "Son Of Satan". A partir daí, embarcámos numa viagem pelo vasto e sombrio trabalho da banda, onde pudemos ouvir temas como "Black Metal Onslaught", "Hell-Witch" ou "Spikes, Leather and Bullets" que contou com a prestação de Pedro A Pedra, vocalista dos Grog, a fazer lembrar outros tempos. Honra feita à sua maturidade, os Decayed despediram-se à boa maneira pagã com "Fuck Your God!".

Os Grog subiram ao palco pouco depois da meia-noite com o intuito habitual de grindar e espalhar sarro e, durante aproximadamente 50 minutos de brutalidade sonora, com malhas que remetem ao universo gore e escatológico, como "Rotten Grave" ou "Ass Sapiens", o que mais se destacou contudo foi o tema novo intitulado "Uterine Casket" que fará parte do novo trabalho da banda, "Ablutionary Rituals", trabalho esse que assinalará as bodas de prata de um conjunto que tem "rasgado" caminho em nome do grindcore nacional e, por isso, um grande Grind Up!

Por último, mais uma rodada de música pesada e veterania com os Mata-Ratos que animaram fortemente o que restava da noite. Malhas infames como "És um Homem ou És um Rato?", "Napalm Na Rua Sésamo" ou "Xu-Pa-Ki" ajudaram a compor robustos stage-dives e circle-pits, enquanto o vocalista Miguel Newton no seu jeito inquieto incentivava as hostes. A banda lisboeta proporcionou mais uma excelente festa tribal e despediu-se como manda a lei punk, ou seja, com "Leis de Merda".

Tal como no primeiro dia, o segundo dia da 2ª edição do Camarro Fest começou com hard rock, mas neste caso com um hard rock mais maduro. Os Affäire deram início às festividades e, ainda na ressaca glamorosa do seu primeiro álbum "At First Sight", brindaram aqueles que chegavam gradualmente ao recinto d'"Os Penicheiros" com "Cash 4 Flesh", "Busted!" ou o viral "Devil´s Cross". Depois de um desempenho bastante sólido, com ritmos vigorosos, riffs frenéticos e a voz exemplar de Miguel Freitas também conhecido como Dizzy Dice Mike, a banda despediu-se com a
promessa de continuar a acelerar na estrada, contando com um novo super-combustível designado de "Neon Gods".

O rock prosseguiu o seu caminho com os Dollar LLama e as suas sonoridades mais pesadas. O quinteto momentaneamente renovado - com o guitarrista Pedro Isaac Ribeiro dos Diabolical Mental State a substituir Hugo Vieira - entrou forte com "The All Seeing Eyes" e manteve-se assim até final. Para isso contou muito a pujante liderança do vocalista Tiago Simões que nunca se cansou de apelar à grande união daqueles que aproximavam do palco para apreciarem a performance da banda. Outros temas bem potentes e já bastante conhecidos como "Howl" ou "Deathblow" perfizeram quase
cinquenta minutos de bom stoner rock, suscitando também um grande anseio em relação à força destruidora que se avizinha com o novo trabalho intitulado "Juggernaut".

Os Sinistro deslocaram-se à margem sul do Tejo para deixarem a sua semente através de mais uma atuação bastante aguardada e única. Liderada por Patrícia Andrade, uma grande presença espasmódica em iminente sucumbência, a banda revelou toda a sua força, quer cénica, quer musical, ao som de temas hipnotizantes como "Partida" ou "Cidade". Num misto de doom e spoken word, os Sinistro provaram mais uma vez que se tratam de um caso sério no recente panorama da música nacional, atendendo inclusive aos seus futuros compromissos em termos de concertos e música nova pelos quais ansiamos verdadeiramente.

De regresso ao metal, mais concretamente ao death metal cujas vísceras abundam de goregrind, contámos com os Holocausto Canibal que - por falar em regressos - voltavam ao Barreiro, após alguns anos. Desta vez, o concerto realizou-se sem interrupções e com a força bruta que lhes é caraterística, o que contribuiu bastante para animar as frentes, até porque estávamos perante a comemoração dos 20 anos da banda portuense. Assim sendo, festa feita com alguns hinos do gore nacional como "Carnificina Psicopata", "Gorgamos... Orgásmicos Espasmos Gore" ou "Violada pela
Moto Serra", e que venham mais 20 anos sangrentos!

O privilégio de encerrar a 2ª edição do festival coube aos Process of Guilt, uma estreia em terras camarras. Sob uma constante e densa penumbra, o quarteto proveniente de Évora trouxe-nos a sua matriz sónica que se desdobra entre o doom, o sludge, o industrial e o post, e durante quase uma hora de atuação arrebatou os ouvidos dos mais incautos. Ao longo desse processo, a banda destacou "Harvest" ou "Fæmin", como também testemunhos sonoros do próximo álbum, e, apesar de um final abrupto, resta saber se propositado ou não, conseguiu entregar um desempenho sólido, antevendo um futuro ainda mais negro, no bom sentido, em relação ao próximo capítulo que dá pelo nome de "Black Earth".

Reportagem por Bruno Porta Nova



Os Mastodon tinham anunciado no principio desta semana que iriam lançar um novo videoclip esta quinta-feira e o prometido é devido. Acima podemos ver o videoclip para uma das novas músicas dos norte-americanos, "Show Yourself".

O novo álbum, "Emperor Of Sand", será lançado ainda durante este mês de Março, mais concretamente, dia 31, através da Reprise Records.

Relembrar que os Mastodon anunciaram também esta semana que irão voltar a Portugal com a digressão de suporte a este novo álbum, no dia 21 de Junho deste ano, Sala Tejo da MEO Arena, com o preço dos bilhetes - que já estão à venda - fixado nos 28 euros.
Por: Carlos Ribeiro - 17 Março 17


Depois de ter saído dos Amaranthe ainda este ano, o seu vocalista Jake E anunciou agora o seu novo projecto musical. Após juntar forças com o ex-guitarrista dos In Flames, Jesper Strömblad, com o baterista Alex Landenburg, conhecido pelo seu trabalho nos Annihilator e Luca Turilli's Rhapsody, bem como o baixista dos In Flames, Peter Iwers, formaram a banda Cyhra.

Esta nova banda tem contrato assinado com a Spinefarm Records, irá entrar em estúdio nos próximos meses e deverá lançar o álbum de estreia ainda este ano, por altura do Natal, talvez até antes.

Por: Carlos Ribeiro - 16 Março 17


Os Metallica vão embarcar numa tour de promoção ao seu novo álbum, "Hardwired… To Self-Destruct", e Portugal não podia ficar de fora. A "Wordwired Tour" vai passar por Lisboa, mais propriamente no MEO Arena, no dia 1 de Fevereiro de 2018. Esta digressão vai começar ainda em 2017, no mês de Setembro, com dois concertos em Amesterdão. 

A primeira parte do evento estará a cargo dos noruegueses Kvelertak.

Os bilhetes vão dos 50 aos 80 euros. A Prime Artists, promotora do evento em Portugal, refere: "Os bilhetes estarão disponíveis em regime de pré-venda para membros do Legacy Met Club a partir da próxima terça-feira, 21 de março, pelas 9h da manhã, enquanto os bilhetes de todos os Fifth Members dos Metallica ficarão disponíveis em pré-venda a partir das 10h do mesmo dia. Os ingressos serão colocados à venda ao público em geral a 24 de março, sexta-feira. Consulte www.metallica.com para todas as informações quanto a bilhetes."

"Os bilhetes que forem adquiridos nas lojas oficiais incluem o álbum “Hardwired… To Self-Destruct”, em formato físico e digital, edição standard. Serão enviadas informações mais detalhadas por e-mail quanto a esta oferta, sendo que em caso de já se ter o disco é possível oferecê-lo, informações que também serão dadas via e-mail. A versão física do álbum inclui taxas de envio."

"Os Metallica associaram-se à CID Entertainment para oferecer três opções que permitem uma experiência mais completa desta digressão, incluindo bilhetes premium e outras facilidades, acesso prévio à sala de espetáculos, uma visita à exposição de memorabilia “Memory Remains”, bem como meet & greets, através dos quais é possível conhecer a banda. Para informações detalhadas quanto a estas ofertas consulte: http://www.cidentertainment.com/events/metallica-europe-tour-2017/."

Por: Sara Delgado - 16 Março 2017


Os Judas Priest já começaram a gravar o seu novo álbum, sucessor de "Redeemer Of Souls", lançado em 2014. Os produtores do trabalho serão Mike Exeter, que trabalhou com os britânicos no seu último registo, e Tom Allom, que também foi responsável pelos lançamentos da banda entre 1979, com "Unleashed In The East", e 1998, com "Ram It Down". O aclamado Andy Sneap ficará a cargo da mistura. 

Quanto a uma possível data de lançamento, Rob Halford refere que "Não há pressa. Sentimo-nos bem. Estamos muito felizes, muito confiantes, muito excitados. (...) Queremos que seja bom, que seja bem planeado, queremos assegurar-nos que todos ficam felizes". 

Por: Sara Delgado - 16 Março 17


A 1ª edição do Comendatio Metal Fest vai ocorrer no próximo dia 8 de Abril, na ACDSS do Paço da Comenda, em Tomar. Fazem parte do cartaz os nacionais Low Torque, Burn Damage, Cruz de Ferro, Cut e Leather Synn. O DJ Blitz fará o warm up do evento, enquanto que o conhecido António Freitas será responsável pelo Afterhours. 

O Manu Designs Tattoos Studio também marcará presença no evento, fazendo demonstrações ao vivo do seu trabalho. 

Teaser do evento: 

Entrada: 4€
Início: 20h00 

Por: Sara Delgado - 16 Março 17


Os Neuropsy são uma banda setubalense de death metal, formada no início de 2016. Atualmente, é composta por João ''Corpse'' Martins (guitarra, backing vocals), Jorge Leitner (baixo, backing vocals),
Oleg Lozhkin (bateria), Fábio "Anúbis" Abenta (vocalista principal) e o mais recente membro, André Lage (guitarra). Amanhã será lançado o seu EP de estreia, "Plagues Ov Egypt", via Skinny Fuck Records e SLAM WORLDWIDE. Este trabalho irá contar com 7 faixas.

Entretanto, a banda prepara-se para embarcar numa tour de apresentação a este lançamento, intitulada "Unleashing The Plagues Tour". No próximo dia 29 de Abril, pisam o palco do Metalpoint, no Porto, conjuntamente com os The Small Hours, Voyance e Last Turn. 



Abaixo pode ser conhecido o single de estreia, "IMHOTEP". 


Por: Sara Delgado - 16 Março 17


Como é sabido, o festival Entremuralhas 2017 vai ocorrer entre os dias 24 e 26 de Agosto, no Castelo de Leiria. Falta apenas anunciar dois nomes para o cartaz desta edição ficar completo. Abaixo podem ser visualizadas as confirmações até ao momento, bem como o respetivo alinhamento dos dias do festival. A última grande confirmação foram os canadianos Front Line Assembly, que se estreiam no nosso país após 31 anos de existência!


24 de Agosto:

Banda a anunciar / TBA – 00h00 – palco corpo
Position Parallèle – 23h00 – palco corpo
Bestial Mouths – 22h00 – palco corpo

25 de Agosto:

Perturbator – 01h30 – palco corpo
Vox Low – 00h00 – palco corpo
Banda a anunciar / TBA – 22h30 – palco alma
Bärlin  – 21h00 – palco alma
Dear Deer – 19h00 – igreja da pena
Twa Corbies – 18h00 – igreja da pena

26 de Agosto:

Front Line Assembly – 01h30 – palco corpo
Nicole Sabouné – 00h00 – palco corpo
Tuxedomoon – 22h30 – palco alma
Darkher – 21h00 – palco alma
Selofan – 19h00 – igreja da pena
Àrnica – 18h00 – igreja da pena

Até ao dia 21 de Abril decorre uma campanha especial, onde o passe para os três dias do festival terá o valor de 60€, sendo também a única modalidade de compra até essa data. Os bilhetes podem ser adquiridos aqui

Por: Sara Delgado - 16 Março 17


Os piratas do metal Alestorm revelaram a lista de faixas e a artwork da capa do seu novo trabalho "No Grave But The Sea", que podem ser vistas em baixo. Este será o quinto álbum de originais do grupo, estando o seu lançamento mundial previsto para o próximo dia 26 de Maio pela editora Napalm Records.

Lista de faixas de "No Grave But The Sea":

01. No Grave But The Sea
02. Mexico
03. To The End Of The World
04. Alestorm
05. Bar Ünd Imbiss
06. Fucked With An Anchor
07. Pegleg Potion
08. Man The Pumps
09. Rage Of The Pentahook
10. Treasure Island

Por: Rita Limede - 15 Março 17


Metal melódico londrino, mais propriamente importado de Reading, é o caso dos Fall From Perfection, uma banda que dispõe de uma sonoridade muito própria e vocais femininos, que transmitem uma certa sensualidade ao som sombrio das guitarras, que acompanham cada uma das músicas ao longo do álbum.
 
O álbum não reinventa o género nem acrescenta nada de substancialmente novo, mas o seu som energético e entusiástico combinado com os vocais de Mary Day e os riffs de guitarras de Tim Spurr, ao mesmo tempo que transmite melancolia e mística, capta a nossa atenção e prende-nos do início ao fim.
 
Outro elemento que sobressai neste trabalho é a bateria de Nuno Ramalho, que confere uma agressividade extra ao som da band,a ao conjugar-se com a simplicidade do baixo de Les Plumridge.

Nota:7.3/10
 
Review por Luís Valente