• Facebook
  • Myspace
  • Twitter
  • Google+

Candidata-te

A Metal Imperium encontra-se a recrutar colaboradores para redação de notícias, reviews de álbuns ou entrevistas a bandas.

Quem quiser fazer parte desta equipa poderá candidatar-se contactando-nos por email: metalimperium@gmail.com



Reviews Mais Recentes

Uada - Cult of the Dying Sun


Occultum - In Nomine Rex Inferni


Monolithe - Nebula Septem


Morag Tong - Last Knell of Om


Haunted - Dayburner


Djevel - Blant Svarte Graner


Raw Decimating Brutality - Era Matarruana


Czort - Czarna Ewangelia


Kinetik - Critical Fallout


Dopethrone - Transcanadian Anger


Abhor - Occulta ReligiO


Refuge - Solitary Men


Sevendust - All I See Is War


Black Fast - Spectre of Ruin


Sleep - The Sciences


Tomb Mold - Manor of Infinite Forms


Taphos - Come Ethereal Somberness


Wrath Sins - The Awakening


Judas Priest - Firepower


Bleeding Through - Love Will Kill All


Ihsahn - Àmr


Alkaloid - Liquid Anatomy


Filii Nigrantium Infernalium - "Fellatrix


Amorphis - Queen of Time


Ghost - Prequelle


Angelus Apatrida - Cabaret de la Guillotine


Bleed From Within - Era


Painted Black - Raging Light


Necrobode - Metal Negro da Morte


Pestilence - Hadeon


Tortharry - Sinister Species


Inframonolithium - Mysterium


Somali Yacht Club - The Sea


Dallian - Automata


Total Pageviews

Concertos em Destaque

Tradutor

Entrevistas Mais Recentes



































The Sword vão entrar num hiato

Corte quase fatal no futuro dos The Sword, uma vez que a banda texana anunciou há dias que fará uma pausa, embora tenha lançado ainda em março (...)

Hate Eternal lançam áudio de "Nothingness of Being"

A banda de death metal irá lançar o novo álbum, Upon Desolate Sands, a 26 de outubro através da Season Of Mist. Depois de desvendar (...)

Alterações no alinhamento do Festival Bardoada e Ajcoi

O Festival Bardoada e Ajcoi anunciou a substituição de duas das bandas previamente confirmadas. (...)

Marky Ramone em Portugal no próximo mês

O veterano Marky Ramone tem dois espectáculos marcados para o nosso país, que serão nada mais, nada menos, do que o warm up para o Lisbon Tattoo Rock Fest 2018. (...)

Behemoth lançam nova música "Wolves Ov Siberia"

"Wolves Ov Siberia", o novo vídeo de Behemoth, pode ser visto acima. A música faz parte do próximo álbum da banda, "I Loved You At Your Darkest", (...)


É motivo de celebração quando uma banda icónica de um movimento que marcou uma geração sobrevive  - sendo “sobrevivência” um eufemismo quando se fala de 3 álbuns - à morte de um frontman. Mais ainda Layne Staley que, tal como Chris Cornell, tinham um timbre e uma expressividade inconfundíveis.

Por outro lado, ouvir um novo álbum de Alice in Chains desde "Black Gives Way to Blue", o primeiro sem Staley, que foi “substituído” por William DuVall, é uma experiência mais ou menos atípica para qualquer pessoa que tenha passado algum tempo a ouvir o “Facelift”, o “Dirt” ou o álbum homónimo da banda, “Alice in Chains”. E se esta é uma conversa que seguramente já se arrasta desde 2008, creio que faz sentido perceber como desde aí o som dos Alice in Chains tem evoluído.“Rainier Fog” demonstra bem a direcção que o som dos Alice in Chains tende a tomar. Depois de uma audição superficial, é perceptível que pouco ou nada reste daquela ambiência de vício e decadência, mantendo-se ainda assim um certo abismo emocional. Aquele Sludge mais polido, as linhas de guitarra quase atonais, como em “Red Giant”,  são elementos que já existiam no álbum homónimo de 1995, quando Staley já começava a definhar e Jerry Cantrell já era cada vez mais o cerne do grupo. Há também alguns elementos que relembram claramente a obra a solo de Jerry Cantrell, como em “The One You Know” e há em “Never Fade” harmonizações de vozes que, ainda que com um timbre que não assombra como antigamente, relembram uma das imagens de marca do clássico som da banda nos anos 90.

O essencial a reter é que há uma assunção clara e consciente de que os Alice in Chains não são a mesma banda de há 25 anos atrás, por força das circunstâncias. Por isso, em vez de revivalismo sem sentido há uma preocupação em rumar a paragens sónicas que, ainda que relativamente familiares para quem tem seguido o percurso de Jerry Cantrell, são também diversas da herança clássica do grupo de Seattle; mantêm-se  coerentes com a trajectória original da banda, sem se manterem estáticos. Não é completamente estranho nem é uma repetição de fórmula impossível. Não vale a pena procurar por aquele feeling dos Alice in Chains dos anos 90. Mas isso não quer dizer que "Rainier Fog" não nos dê 54 minutos de boa música com qualquer coisa de familiar pelo meio.

Nota: 7.7/10

Review por Daniel Orge