• Facebook
  • Myspace
  • Twitter
  • Google+

Candidata-te

A Metal Imperium encontra-se a recrutar colaboradores para redação de notícias, reviews de álbuns ou entrevistas a bandas.

Quem quiser fazer parte desta equipa poderá candidatar-se contactando-nos por email: metalimperium@gmail.com



Reviews Mais Recentes

Uada - Cult of the Dying Sun


Occultum - In Nomine Rex Inferni


Monolithe - Nebula Septem


Morag Tong - Last Knell of Om


Haunted - Dayburner


Djevel - Blant Svarte Graner


Raw Decimating Brutality - Era Matarruana


Czort - Czarna Ewangelia


Kinetik - Critical Fallout


Dopethrone - Transcanadian Anger


Abhor - Occulta ReligiO


Refuge - Solitary Men


Sevendust - All I See Is War


Black Fast - Spectre of Ruin


Sleep - The Sciences


Tomb Mold - Manor of Infinite Forms


Taphos - Come Ethereal Somberness


Wrath Sins - The Awakening


Judas Priest - Firepower


Bleeding Through - Love Will Kill All


Ihsahn - Àmr


Alkaloid - Liquid Anatomy


Filii Nigrantium Infernalium - "Fellatrix


Amorphis - Queen of Time


Ghost - Prequelle


Angelus Apatrida - Cabaret de la Guillotine


Bleed From Within - Era


Painted Black - Raging Light


Necrobode - Metal Negro da Morte


Pestilence - Hadeon


Tortharry - Sinister Species


Inframonolithium - Mysterium


Somali Yacht Club - The Sea


Dallian - Automata


Total Pageviews

Concertos em Destaque

Tradutor

Entrevistas Mais Recentes



































The Sword vão entrar num hiato

Corte quase fatal no futuro dos The Sword, uma vez que a banda texana anunciou há dias que fará uma pausa, embora tenha lançado ainda em março (...)

Hate Eternal lançam áudio de "Nothingness of Being"

A banda de death metal irá lançar o novo álbum, Upon Desolate Sands, a 26 de outubro através da Season Of Mist. Depois de desvendar (...)

Alterações no alinhamento do Festival Bardoada e Ajcoi

O Festival Bardoada e Ajcoi anunciou a substituição de duas das bandas previamente confirmadas. (...)

Marky Ramone em Portugal no próximo mês

O veterano Marky Ramone tem dois espectáculos marcados para o nosso país, que serão nada mais, nada menos, do que o warm up para o Lisbon Tattoo Rock Fest 2018. (...)

Behemoth lançam nova música "Wolves Ov Siberia"

"Wolves Ov Siberia", o novo vídeo de Behemoth, pode ser visto acima. A música faz parte do próximo álbum da banda, "I Loved You At Your Darkest", (...)

É um regresso a Portugal, depois da presença no Sonic Blast há uns anos. A Metal Imperium foi falar com os Somali Yacht Club, antevendo as duas datas que vão fazer por cá, na primeira parte de Stoned Jesus, a trinta e um de outubro no Hard Club, Porto, e no dia seguinte em Lisboa, no RCA.

M.I. - «The Sun» é a reedição do vosso primeiro disco, porque o fizeram agora, quando o último trabalho de estúdio foi lançado há poucos meses?

O nosso segundo disco, «The Sea» foi lançado a 22 de Janeiro, deste ano. Todas as edições anteriores do «The Sun» estavam esgotadas por altura da Primavera. Foi uma decisão da editora, Robustfellow Prods., de renovar o stock com esta edição especial, em que faz um upgrade da parte gráfica e melhora o som.


M.I. - Uma desses upgrades, passa por terem gravado um novo tema, em lugar de recorrerem ao que estava nos Eps.

Na realidade, «Sun’s Eyes», não é um novo tema, mas é a primeira vez que aparece em CD ou cassete. É uma faixa que tinha sobrado das gravações do primeiro trabalho e por isso faz sentido que agora se reúna ao disco. Para nós o «The Sun», só agora soa como sempre deveria ter sido.


M.I. - Sendo uma banda ucraniana, o vosso nome não deixa de soar estranho, como surgiu?

É a pergunta que mais nos fazem. Durante muitos meses não tivemos nome para o grupo. Nessa época, havia muitas notícias a correrem sobre piratas somalis e o nosso baterista, Lesyk, lançou a sugestão de Somali Yacht Club. O nome é uma piada sobre este mundo em que vivemos, a injustiça global e a desigualdade. Além disso, soa perfeito.


M.I. - Como surge então o grupo?

Por volta de 2010, num fórum musical, Lviv, o Ihor, guitarrista e vocalista, lançou uma mensagem à procura de elementos para fundar uma nova banda. Cada um de nós respondeu e foi assim que nos formamos e mantemos até hoje. O curioso é que o Ihor procurava músicos para formar um grupo de math-rock, na linha de Fall of Troy, e o resultado fomos nós, nada a ver!


M.I. - Nestes concertos portugueses, o que podemos esperar? Uma mistura de ambos os discos?

Apesar de já termos novos temas, vamos tocar uma mistura, sim. Fizemos um “battle test” em palco, dos temas do último disco e escolhemos os melhores temas. Penso que alguns temas podem revelar-se maçadores quando tocados ao vivo, precisam de um ambiente mais calmo. Apesar de tudo, durante a digressão podemos mudar as nossas escolhas, até mesmo no palco, somos um pouco como os DJ’s, quando sentem o espírito do público.


M.I. - Sendo um grupo de jam, até que ponto os vossos temas se agastam daquilo que gravaram?

Uma jam é como o processo de escrita de um tema, um início. O momento mais produtivo são mesmo os primeiros minutos de ensaio, quando estamos a afinar os instrumentos. Gravamos tudo, escutamos e falamos sobre isso. Quando um tema chega ao estúdio de gravação, já vai bem preparado. Nos próximos álbuns pretendemos criar uma atmosfera live em cada tema. Com os últimos discos, percebemos que ela se perdia um pouco nas gravações e que podíamos trabalhar isso e fazer melhor.


M.I. - «The Sea» foi editado em Janeiro, como referiram, como tem sido a recepção ao disco? Dentro das vossas expectativas?

De uma forma geral, tivemos uma boa aceitação e vendas. Na Ucrânia, os media deram-nos más notas, disseram que éramos repetitivos, mas no resto da Europa, deram quase sempre 8 em 10. Já estamos a tocar estes temas há quatro anos, e algumas pessoas querem ouvir coisas novas. Apesar disso, alguns disseram ter preferido o primeiro disco. Se calhar ainda não temos experiência suficiente para chegar a todos, pois só fizemos dois discos, outros tantos singles e um Ep. Mas temos a certeza que seja qual for a música que Somali faça, ela vai chegar ao ouvinte certo.


Entrevista por Emanuel Ferreira