• Facebook
  • Myspace
  • Twitter
  • Google+

Candidata-te

A Metal Imperium encontra-se a recrutar colaboradores para redação de notícias, reviews de álbuns ou entrevistas a bandas.

Quem quiser fazer parte desta equipa poderá candidatar-se contactando-nos por email: metalimperium@gmail.com



Reviews Mais Recentes

Uada - Cult of the Dying Sun


Occultum - In Nomine Rex Inferni


Monolithe - Nebula Septem


Morag Tong - Last Knell of Om


Haunted - Dayburner


Djevel - Blant Svarte Graner


Raw Decimating Brutality - Era Matarruana


Czort - Czarna Ewangelia


Kinetik - Critical Fallout


Dopethrone - Transcanadian Anger


Abhor - Occulta ReligiO


Refuge - Solitary Men


Sevendust - All I See Is War


Black Fast - Spectre of Ruin


Sleep - The Sciences


Tomb Mold - Manor of Infinite Forms


Taphos - Come Ethereal Somberness


Wrath Sins - The Awakening


Judas Priest - Firepower


Bleeding Through - Love Will Kill All


Ihsahn - Àmr


Alkaloid - Liquid Anatomy


Filii Nigrantium Infernalium - "Fellatrix


Amorphis - Queen of Time


Ghost - Prequelle


Angelus Apatrida - Cabaret de la Guillotine


Bleed From Within - Era


Painted Black - Raging Light


Necrobode - Metal Negro da Morte


Pestilence - Hadeon


Tortharry - Sinister Species


Inframonolithium - Mysterium


Somali Yacht Club - The Sea


Dallian - Automata


Concertos em Destaque

Tradutor

Entrevistas Mais Recentes



































Alcest revelam detalhes sobre novo álbum

Depois de um longo e intenso período de trabalho no Drudenhaus Studio, os Alcest anunciaram o término das gravações do seu sexto registo. (...)

Korn lançam novo álbum em setembro e divulgam novo single

Os Korn preparam-se para lançar o seu novo álbum, "The Nothing", no dia 13 de setembro, através da Roadrunner/Elektra

Killswitch Engage lançam novo single

Os Killswitch Engage continuam a antecipar o seu novo álbum. Para o efeito, a banda divulgou agora o primeiro single do mesmo, "Unleashed", que pode ser ouvido (...)

Testament - Novo álbum será lançado no princípio do próximo ano

O vocalista Chuck Billy e o guitarrista Eric Peterson revelaram há dias, no festival francês Hellfest, que gravaram todas as faixas para o próximo álbum (...)

Possessed, Burn Damage @ RCA Club, Lisboa – 18Jun2019

Quando eu era um jovem apreciador de metal, nos finais da década de 80, Portugal era um deserto no que toca a concertos de sons mais pesados, e quando havia algum, por exemplo no mítico Pavilhão do Dramático de Cascais, (...)

Os Pound são uma dupla americana de Seattle que está prestes a lançar o seu segundo álbum “..”, sucessor de “.”. Os Pound são bastante originais de todas as maneiras possíveis e é por isso que a Metal Imperium decidiu conversar com Ryan Schutte, uma das mentes por trás deste projecto.

M.I. - Por favor, apresentem os POUND. Quando / quem / onde é que os Pound se juntaram?

Pound é um projecto experimental de música pesada entre David Stickney e eu (Ryan Schutte). Formamo-nos em 2008 em Missoula, MT, mas não nos tornamos o que somos hoje até nos mudarmos para Seattle em 2009-2010. Originalmente, ser uma banda não era a intenção. Quando começamos, estávamos apenas a tentar melhorar nos nossos instrumentos, a esforçarmo-nos e vendo até onde poderíamos ampliar os nossos limites. Nenhum de nós queria lidar com estar numa banda ou tocar ao vivo. Nós na realidade nem queríamos escrever música. Só queríamos melhorar, e montamos estranhos exercícios de música e praticamo-los, mudamo-los e perfuramo-los até os conseguirmos tocar e, eventualmente, formaram composições soltas. Alguns amigos pressionaram-nos para fazer alguns concertos e foi isso que fez com que desejássemos ser uma banda.


M.I. - Os Pound tocam uma mistura de sludge, grindcore, d-beat e mathcore. O que mais nos podem dizer sobre vocês?

Temos um gosto muito ecléctico na música e fazemos o nosso melhor para canalizar isso para os Pound. Eu naturalmente gravito em direcção a bandas pesadas que estão a fazer algo novo e único, tentando misturar influências de outros géneros musicais e acho que isso se nota um pouco nos Pound. O desejo original de experimentar puramente por uma questão de melhorar ainda está lá e impulsiona muito do nosso processo de composição. Quanto mais pudermos misturar todas as nossas diferentes influências num som coeso, melhor. A mistura de subgénero pode ser complicada às vezes. Pode ser difícil pegar em todas as nossas influências e fazê-las soar como um som novo e coeso, em vez de segmentos individuais com influências óbvias. Demorou muito tempo e esforço para alcançar o som coeso que temos agora. Existem algumas partes no novo álbum, onde há mudanças repentinas de um subgénero para outro, mas isso é muito intencional. Quando começamos, essas coisas aconteciam por falta de experiência de composição. Agora é uma ferramenta que podemos usar. É estranho como a música funciona assim às vezes.


M.I. - “••” é o segundo álbum de Pound que será lançado no último dia de Maio. Como se sentem?

Numa palavra: focado. Quando um álbum é masterizado, passo para o próximo. Nós já estamos bem avançados na escrita do terceiro álbum e toda a minha atenção está nisso. 
Na nossa tournée mais recente, tocamos duas músicas em que estamos a trabalhar para o terceiro álbum. Tocar o material novo ao vivo todas as noites dá-nos a oportunidade de o experimentar num ambiente ao vivo. Então fazemos ajustes e mudanças quando voltamos para casa. É uma maneira pouco convencional de fazer as coisas, mas funciona bem para nós. Eu canso-me de tocar músicas muito rapidamente e isso ajuda a manter as coisas novas. Também dá às pessoas que vêm ver-nos um pequeno vislumbre do material em que estamos a trabalhar para lançamentos futuros. Eu gostaria de pensar que isso torna os nossos concertos um pouco mais especiais. O David e eu gostamos de tournées, concertos e gravações, mas estamos mais felizes e confortáveis ​​quando estamos a escrever músicas novas. Temos algumas ideias novas que queremos explorar e estou ansioso para ter tempo para isso também. Honestamente, se pudesse apenas sentar-me e escrever 24 horas por dia, fá-lo-ia. Às vezes, toda a tournée, as campanhas de RP, as vendas de produtos e tudo isso parece um mecanismo para justificar o meu desejo de simplesmente me sentar e escrever.


M.I. - Quão diferente é este álbum comparado com o primeiro? Foi instrumental também?

Nós somos uma banda instrumental, então sim, foi instrumental. O nosso primeiro álbum teve um pouco de tudo. Para o segundo álbum, tentamos concentrar-nos em adicionar mais influências de dbeat e grind. Eu gostaria de pensar que isso se nota um pouco mais. Tentamos escolher uma direcção para as nossas composições para cada álbum, num esforço para tornar os álbuns mais coesos como um todo.


M.I. - Porquê o título “••”? O que significa?

Os títulos das nossas músicas são simbologias que representam tabs de bateria para um ritmo em cada música. O "." é um kick hit. O título deste álbum é “..”, dois kick hits.


M.I. - Quem é responsável pelas melodias? Quão complicado é escrever um álbum inteiro baseado apenas em instrumentos?

Todas as composições são um processo 50/50. Eu escrevo a maioria das músicas e levo-as para o David escrever a bateria. Na maior parte do tempo, as nossas músicas são escritas com um riff de cada vez e depois organizadas. Às vezes, uma composição acaba sendo duas ou, ocasionalmente, três músicas. Escrever música instrumental não parece complicado para nós. É o que fazemos naturalmente. Penso que escrever partes vocais e letras seria mais complicado porque isso seria adicionar outro elemento e criar mais trabalho. Há um pouco de desafio em preencher o espaço deixado por não ter um baixista ou um segundo guitarrista, mas isso é algo que estamos acostumados a enfrentar. Ao longo dos anos, ficamos melhores em trocas durante as músicas para dar espaço um ao outro. Se eu estiver a tocar uma parte intensa ou fisicamente exigente para uma secção, a próxima secção será um pouco mais fácil para mim e deixarei que o David faça o trabalho pesado e preencha o espaço. A secção depois disso, ele fará algo um pouco menos exigente e eu preencherei o espaço. É tudo uma questão de garantir que o espaço sonoro extra seja preenchido e que os outros instrumentos não sejam perdidos. Também temos a vantagem de usar instrumentos personalizados. O David usa dois kits de bateria com bumbos e tarolas de diferentes tamanhos e eu uso um equipamento de guitarra de 300W e um equipamento de baixo de 6000W. Também uso vários estágios na minha pedaleira para adicionar mais dinâmica à música. Posso usá-los para enfatizar diferentes partes da música. É um truque que li numa entrevista do Jay Mascis (Dinosaur Jr, Witch, Heavy Blanket) há muito tempo. Usando as plataformas especializadas, podemos preencher muito do espaço que normalmente seria preenchido por outros instrumentos. Se não tivéssemos as plataformas especializadas, não poderíamos fazer com que parecesse tão cheio quanto isso.


M.I. - Todas as 8 faixas do álbum são instrumentais… os vossos instrumentos são as vossas vozes… o que estais a tentar dizer exactamente?

Não estamos a tentar dizer nada. Estamos apenas a escrever música. Ao manter o instrumental e evitar títulos de músicas mais convencionais, deixamos mais em aberto para o ouvinte aplicar o seu próprio significado às músicas. Elas podem significar o que quer que o ouvinte queira que elas signifiquem.


M.I. - Onde é que o álbum foi gravado e misturado? Quem tratou disso?

O álbum foi gravado, misturado e masterizado pelo Dave Otero no Flatline Audio no Colorado.


M.I. - A capa tem um tipo de código matemático e as faixas têm os títulos mais estranhos que eu vi com símbolos matemáticos… de onde vem essa fixação com a matemática? Como surgiu a ideia de a colocar na música?

A capa é supostamente uma paisagem urbana caótica e em ruínas, mas é arte, o que significa que é subjectiva e aberta à interpretação. Para nós, a capa não tem nada a ver com matemática. Os nossos títulos de músicas são simbologias representando as tabs de bateria para um ritmo em cada música, que, mais uma vez, não tem nada a ver com matemática. Não há uma fixação na matemática, mas posso entender por que o observador casual ou o ouvinte passivo pode ter essa ideia.


M.I. - Que reacções às novas músicas têm recebido por parte dos média?

Não tenho a certeza. Eu costumo evitar a cobertura que os média fazem da nossa música. Tenho a certeza de que há muitas pessoas que gostam do que estamos a fazer. As vendas de álbuns e mercadoria estão a correr muito bem, portanto devemos estar a conseguir captar a atenção de algumas pessoas. Tenho a certeza de que também há muitas pessoas que não entendem o que estamos a fazer. É arte. Algumas pessoas vão gostar, outras não. Tudo faz parte. Se a resposta fosse positiva, seria um sinal de que estávamos a fazer algo errado.


M.I. - A banda é um duo... existe uma visão democrática das coisas ou há um cérebro por trás deste projecto?

Tudo é uma decisão 50/50. Eu trato da maior parte do negócio, mas nada acontece sem o conhecimento do David. Isto é uma parceria. O processo de música e composição é muito democrático também. A maioria das músicas começa com riffs meus, mas podem mudar drasticamente quando o David começa a escrever as suas partes de bateria. Para um projecto como este que é muito focado no ritmo, tudo gira em torno da bateria. Tem que ser assim para que as músicas fiquem interessantes e façam sentido.


M.I. - Quem gere a página do Facebook dos Pound e as outras redes sociais? É porreiro lidar com os fãs directamente e ver as suas reacções?

Nós os dois tratamos disso. Gostamos de interagir com as pessoas que se importam o suficiente com o que estamos a fazer para ter tempo para comentar ou postar nas nossas redes sociais. Eu aproveito sempre o tempo para conversar com alguém que queira falar comigo sobre os Pound. Esta banda é tudo para mim e significa muito quando alguém se importa o suficiente para nos abordar. Eu desenvolvi algumas novas amizades assim e algumas delas levaram a algumas oportunidades interessantes para nós. Fui a um evento público do Greg Bennick (Trail, Between Earth and Sky, xBystanderx) há algum tempo, onde ele falou sobre a importância de não fazer julgamentos rápidos sobre as pessoas e estar aberto quando as pessoas reservam um tempo para ti. Realmente levei isso a sério e tentei aplicá-lo em todas as situações. Se és um pequeno artista e algo que fazes tocou alguém, o mínimo que podes fazer é reconhecer a sua existência. Eles tiraram um tempo da sua vida para chegar até ti. O mínimo que podes fazer é retribuir.


M.I. - O que é que os Pound têm reservado para o futuro próximo?

Temos três datas de festivais aí a chegar (Northwest Terror Fest, Armstrong MetalFest e Pain in the Grass). Estamos à espera para saber sobre duas tournées diferentes. Além disso, estamos a escrever e a praticar para o nosso próximo álbum.


M.I. – Sendo os Pound uma banda com uma sonoridade diferente, é muito complicado marcar concertos e tudo o mais?

Na verdade, não. Quando muito, é algo que nos dá um pouco de vantagem. Nós encaixamos bem em qualquer cartaz pesado, porque temos elementos de tudo na nossa música e não há vocais / letras para permitir que as pessoas nos categorizem como uma coisa ou outra. Pelo mesmo motivo, também não nos encaixamos completamente em nenhum cartaz. Pode ser uma espada de dois gumes.


M.I. - A banda terá um concerto de verão com Rob Zombie e Marilyn Manson e vai andar na estrada este ano... quais são as vossas expectativas?

Tocar num anfiteatro é uma coisa estranha para uma banda como a nossa. Estamos muito conscientes de quão estranho é o nosso som e temos expectativas muito realistas sobre o que podemos / não podemos fazer como uma peça instrumental de duas partes. Eu acho um pouco bizarro que tantas pessoas estejam a focar-se nesse concerto. Nós trabalhamos duro por muito tempo para poder fazer o que fazemos. Estar numa editora pequena com outros músicos com a mesma mentalidade, marcar as nossas próprias tournées e fazer com que essa banda chegue a um ponto em que estamos a fazer o suficiente para que a banda seja auto suficiente são conquistas muito maiores do que tocar um concerto num palco grande. Somos uma banda que começou a tocar concertos em casas. A maior parte do tempo que estamos em tournée, tocamos no chão em frente ao palco para que possamos ter o público mais perto de nós, mas também estamos muito confortáveis ​​num palco. Fazemos isso há 10 anos e já tocamos mais de 500 concertos como banda. Um concerto é apenas mais um concerto, não importa quão grande seja o palco ou o público. Tocar ao vivo é apenas parte do que fazemos. Eu não vejo qualquer razão para tratar um anfiteatro de forma diferente.


M.I. - Já fizeram muitos concertos? Como é que o público responde ao vosso som?

Já tocamos muito. No nosso primeiro ano em Seattle, tocamos mais de 70 concertos na área da grande Seattle. Houve vários dias em que tocamos dois ou três concertos num dia. Estávamos a lutar para melhorar tocando ao vivo e a única maneira de conseguirmos melhorar era tocar sempre que possível. Nós tocamos ao vivo muito menos nos dias de hoje, principalmente quando estamos em tournée. Temos mais dois concertos em Seattle e, depois disso, acho que vai demorar muito tempo para tocarmos em algum concerto local novamente. Muitas vezes me pergunto se as pessoas se estão a divertir enquanto tocamos. Normalmente, elas apenas ficam a olhar e entram em erupção quando paramos de tocar. Por mais que eu goste de mosh pit, agradeço quando as pessoas dedicam tempo para se concentrarem e prestar atenção ao que estamos a fazer quando tocamos ao vivo.


M.I. - A música divulga-se muito rápido nos dias de hoje por causa da internet. Acham que a tecnologia e as redes sociais podem ter afectado a essência da música?

Eu sei que sim. Diferentes cidades e países costumavam ter o seu próprio som distinto. Eles ainda o têm até certo ponto, mas muito menos do que antes da internet. Essa é uma grande parte de como acabamos com tantos subgéneros diferentes. Com a internet, arte, música e conhecimento estão prontamente disponíveis para a maioria das pessoas. Artistas de todo o mundo estão a inspirar-se noutros artistas do outro lado do planeta, permitindo que os seus estilos sejam influenciados por um público muito mais amplo, em vez de serem influenciados principalmente pelo que os rodeia e tal resultou em muitos novos subgéneros e sons e criou uma rede global de artistas. Perdemos muitas das identidades locais que costumávamos ter, mas ganhamos muito, se não mais, em troca.


M.I. - Por favor, deixa uma mensagem aos leitores da Metal Imperium.

Continuem a apoiar a arte e a música locais. É muito importante trazer pessoas que estão fora da comunidade da música pesada para concertos e festivais. Precisamos de trabalhar o máximo possível para aumentar as nossas comunidades de música pesada.

For English version, click here

Entrevista por Sónia Fonseca