• Facebook
  • Myspace
  • Twitter
  • Google+

Candidata-te

A Metal Imperium encontra-se a recrutar colaboradores para redação de notícias, reviews de álbuns ou entrevistas a bandas.

Quem quiser fazer parte desta equipa poderá candidatar-se contactando-nos por email: metalimperium@gmail.com



Reviews Mais Recentes

Uada - Cult of the Dying Sun


Occultum - In Nomine Rex Inferni


Monolithe - Nebula Septem


Morag Tong - Last Knell of Om


Haunted - Dayburner


Djevel - Blant Svarte Graner


Raw Decimating Brutality - Era Matarruana


Czort - Czarna Ewangelia


Kinetik - Critical Fallout


Dopethrone - Transcanadian Anger


Abhor - Occulta ReligiO


Refuge - Solitary Men


Sevendust - All I See Is War


Black Fast - Spectre of Ruin


Sleep - The Sciences


Tomb Mold - Manor of Infinite Forms


Taphos - Come Ethereal Somberness


Wrath Sins - The Awakening


Judas Priest - Firepower


Bleeding Through - Love Will Kill All


Ihsahn - Àmr


Alkaloid - Liquid Anatomy


Filii Nigrantium Infernalium - "Fellatrix


Amorphis - Queen of Time


Ghost - Prequelle


Angelus Apatrida - Cabaret de la Guillotine


Bleed From Within - Era


Painted Black - Raging Light


Necrobode - Metal Negro da Morte


Pestilence - Hadeon


Tortharry - Sinister Species


Inframonolithium - Mysterium


Somali Yacht Club - The Sea


Dallian - Automata


Concertos em Destaque

Tradutor

Entrevistas Mais Recentes



































The Sword vão entrar num hiato

Corte quase fatal no futuro dos The Sword, uma vez que a banda texana anunciou há dias que fará uma pausa, embora tenha lançado ainda em março (...)

Hate Eternal lançam áudio de "Nothingness of Being"

A banda de death metal irá lançar o novo álbum, Upon Desolate Sands, a 26 de outubro através da Season Of Mist. Depois de desvendar (...)

Alterações no alinhamento do Festival Bardoada e Ajcoi

O Festival Bardoada e Ajcoi anunciou a substituição de duas das bandas previamente confirmadas. (...)

Marky Ramone em Portugal no próximo mês

O veterano Marky Ramone tem dois espectáculos marcados para o nosso país, que serão nada mais, nada menos, do que o warm up para o Lisbon Tattoo Rock Fest 2018. (...)

Behemoth lançam nova música "Wolves Ov Siberia"

"Wolves Ov Siberia", o novo vídeo de Behemoth, pode ser visto acima. A música faz parte do próximo álbum da banda, "I Loved You At Your Darkest", (...)


A noite era de celebração pela carreira duma das grandes bandas europeias de hard rock, que conseguiu manter uma consistência admirável durante trinta anos, com mais ou menos apoios pelos meios de comunicação. E apesar de algum apoio a este evento, não será essa a justificação para que este evento esteja esgotado há já algum tempo, embora as pessoas tenham demorado a aparecer em peso, sendo que a banda de abertura, os portugueses Phazer, começou a tocar para uma casa ainda não totalmente composta.

A banda nacional, também ela em celebração - por dez anos de carreira - agarrou da melhor forma esta oportunidade, mostrando-se muito gratos e também indo bem mais além da simples tarefa de aquecer e preparar o público para o prato principal. A percorrer toda a sua carreira, a banda deu uma actuação de luxo, com grande destaque para temas do último EP "Rockslinger", com o já clássico "I've Been Shot" a destacar-se, não ficando para trás "Dear Foe" e a instrumental "Spermatogenesis" que prova que Gil Neto é actualmente um dos grandes guitarristas nacionais. Os lançamentos anteriores também não foram estranhos e "War Of Shouts", "Revelations", "Wonder Girl" e "Wake Me".

Findada a actuação dos Phazer, era a vez dos D.A.D., mas a sua actuação demorou ainda algum tempo a ter início, aumentando ainda mais as expectativas que quando entraram em palco às dez horas e trinta e cinco minutos já estavam ao rubro. "Jihad", daquele que é provavelmente o álbum da banda dinamarquesa mais querido pelo público português ("No Fuel Left For The Pilgrims"), iniciou em grande forma o seu concerto e estabeleceu o padrão de energia que ia ser debitado ao longo de toda a sua actuação. "Evil Twin" foi uma das incursões por material mais recente, mas foi no referido álbum de 1989 que a banda encontrou mais satisfação por parte do público, dando de rajada uma "Overmuch", uma "Point Of View" cantada do início ao fim pelo público (algo que deve ter arrepiado o vocalista Jesper Binzer, já que nem tocou no microfone nos primeiros versos da música).

Com "A New Age Moving In" e "The Last Time In Neverland" voltou-se a tempos mais recentes de forma bem recebida, mostrando que tanto o público como a banda estavam ali para levar a sério a celebração de carreira, juntando à equação a sempre cómica/estranha/meia psychobilly, meia Shadows meets Enio Morricone, "Riding With Sue" dos primórdios da banda e outro hino da banda, "Grow or Pay", em formato alongado, onde Jacob Binzer demonstrou sem dificuldade toda a sua qualidade de grande guitarrista. Aliás, este foram dois dos muitos pontos altos da actuação da banda. Além de instrumentalmente demonstrar estar em topo de forma, a forma como reinterpretaram os seus temas com solos de extremo bom gosto e puxando constantemente pelo público, é a prova de qua a banda é um animal de palco temível.

A fase mais industrial, se é que se pode chamar isso, também foi revisitada, com Jesper a pedir ao público para incluir com a voz, de forma hilariante, a parte inicial dos efeitos electrónicos no início da "Reconstrucdead", em mais uma versão prolongada, em Jesper puxou pelo público para puxar por Laust Sonne (algo que viria a acontecer outra vez em "I Want What She's Got") para aquilo que chamou de momento thrash metal. "Bad Crazyness" seria o último tema antes do primeiro encore, mais um tema clássico, recebido dessa forma pelo público. Não foi preciso muito tempo para que a banda voltasse para mais com um "Everything Glows" e um inevitável "Sleeping My Day", também ele adulterado e prolongado, sendo previsivelmente outro momento chave desta actuação. 

Para o segundo encore, o Paradise Garage foi surpreendido por um potente "I Won't Cut My Hair" e com a inevitável "It's After Dark", que normalmente encerra os concertos da banda. No final, o público ainda estava pronto para mais um encore e tal não foi de estranhar já que o calibre da actuação da banda fez com que todos os que tivessem em frente ao palco estivessem dispostos a muito mais. Foi uma noite de hard rock de classe que até poderá não ter apoio dos meios de comunicação como uns anos atrás mas que provou que quando a música é boa, o público está presente e quem tem algum tipo de dúvidas, basta comparecer para ficar automaticamente convertido.



Texto por Fernando Ferreira
Fotografia por Liliana Quadrado
Agradecimentos: Prime Artists