• Facebook
  • Myspace
  • Twitter
  • Google+

Candidata-te

A Metal Imperium encontra-se a recrutar colaboradores para redação de notícias, reviews de álbuns ou entrevistas a bandas.

Quem quiser fazer parte desta equipa poderá candidatar-se contactando-nos por email: metalimperium@gmail.com



Reviews Mais Recentes

Uada - Cult of the Dying Sun


Occultum - In Nomine Rex Inferni


Monolithe - Nebula Septem


Morag Tong - Last Knell of Om


Haunted - Dayburner


Djevel - Blant Svarte Graner


Raw Decimating Brutality - Era Matarruana


Czort - Czarna Ewangelia


Kinetik - Critical Fallout


Dopethrone - Transcanadian Anger


Abhor - Occulta ReligiO


Refuge - Solitary Men


Sevendust - All I See Is War


Black Fast - Spectre of Ruin


Sleep - The Sciences


Tomb Mold - Manor of Infinite Forms


Taphos - Come Ethereal Somberness


Wrath Sins - The Awakening


Judas Priest - Firepower


Bleeding Through - Love Will Kill All


Ihsahn - Àmr


Alkaloid - Liquid Anatomy


Filii Nigrantium Infernalium - "Fellatrix


Amorphis - Queen of Time


Ghost - Prequelle


Angelus Apatrida - Cabaret de la Guillotine


Bleed From Within - Era


Painted Black - Raging Light


Necrobode - Metal Negro da Morte


Pestilence - Hadeon


Tortharry - Sinister Species


Inframonolithium - Mysterium


Somali Yacht Club - The Sea


Dallian - Automata


Concertos em Destaque

Tradutor

Entrevistas Mais Recentes



































The Sword vão entrar num hiato

Corte quase fatal no futuro dos The Sword, uma vez que a banda texana anunciou há dias que fará uma pausa, embora tenha lançado ainda em março (...)

Hate Eternal lançam áudio de "Nothingness of Being"

A banda de death metal irá lançar o novo álbum, Upon Desolate Sands, a 26 de outubro através da Season Of Mist. Depois de desvendar (...)

Alterações no alinhamento do Festival Bardoada e Ajcoi

O Festival Bardoada e Ajcoi anunciou a substituição de duas das bandas previamente confirmadas. (...)

Marky Ramone em Portugal no próximo mês

O veterano Marky Ramone tem dois espectáculos marcados para o nosso país, que serão nada mais, nada menos, do que o warm up para o Lisbon Tattoo Rock Fest 2018. (...)

Behemoth lançam nova música "Wolves Ov Siberia"

"Wolves Ov Siberia", o novo vídeo de Behemoth, pode ser visto acima. A música faz parte do próximo álbum da banda, "I Loved You At Your Darkest", (...)


Apesar da noite quente, a sala 2 do Hard Club embora recebendo um cartaz forte, demorou a aquecer, pois a abertura com os Embryo foi morna. 

O quinteto italiano fez o papel de banda de abertura, recebendo os que iam chegando a conta-gotas, para uma jornada que se iniciava cedo (20:30). Abrindo com “My Pounding Void”, do trabalho deste ano, “Embryo”, o colectivo mostrou que desde logo que a presença de teclista em palco era pouco relevante e que o som da banda assentava no baixo pulsante de Nicola Iazzi.  Dos sete temas executados, apenas “No God Slave” era do disco anterior, sendo os restantes do novo trabalho, o primeiro em cinco anos. O death metal melódico deste grupo acabou a soar desinspirado, mas a noite ainda estava a começar.

A surpresa do cartaz, residia nos suecos Tribulation. Se as fotos revelavam um grupo diferente, ao vivo o quarteto ganha toda  uma outra dimensão, com os guitarristas Adam Zaars e Jonathan Hultén a assumirem uma postura algures entre o guitar hero dos 70’s e uma drag queen, emoldurando um Johannes Andersson que se ocupava da voz e baixo, ao mesmo tempo que geria o cerimonial. Tal como os italianos, o concerto deste suecos baseou-se em “The Children Of The Night” deste ano e o momento mais alto da noite, foi o instrumental “Själaflykt” desse mesmo trabalho. Sonoramente o quarteto soava, no início, a uns Celtic Frost em “Cold Lake”, mas depois foi evoluindo para um som algo hipnótico, algo Rock, sempre numa atmosfera simultaneamente sombria e glamorosa, quase gótica. Apesar da boa impressão deixada pelo grupo, a partir do meio da actuação, a qualidade sonora, na sala, tornou-se mais fraca, acabando por ser a imagem e performance a impor-se. Ficou a vontade de ver mais deste colectivo e descobrir o grupo, que promete fazer um crossover interessante entre diversos estilos. Excelentes.

Seguiram-se Keep of Kalessin, um trio com quem confesso ter alguns problemas: se em disco soam soberbos, ao vivo perdem o impacto épico, e deixam a sensação de faltar algo na encenação. Isso repetiu-se de novo, apesar do esforço de Obsidian C. e Wizziac quer na atuação, quer na execução. O que vale é que a qualidade do “Epic Extreme Metal”, como lhe chamou Obsidian, ser excelente, e musicalmente, o colectivo continuar a ser impressionante. Quem conhece os temas destes noruegueses, sabe bem como são longos, por isso não será de estranhar que de “The Grand Design” a “Ascendant” se completasse um alinhamento de apenas sete temas em que “The Divine Land” ficou marcado por um problema de guitarra que levou Obsidian a sair de palco e a um pequeno solo de bateria, enquanto o alinhamento não era retomado. Do novo disco, além de abrirem com um tema de “Epistemology”, houve ainda espaço para “Dark Divinity” e “Introspection”. Um concerto muito bom que só teve na sua duração o maior problema, pois Keep of Kalessin poderia facilmente ter alargado a hora e meia e mesmo assim muitos temas ficariam de fora.

Com a sensação de uma sala mais vazia, chegaram os israelitas Melechesh, com o seu Sumerian Thrashing Black Metal ou Mesopotamian Metal, como eles designam o seu som. A entrada de Scorpios e Moloch com Shemagh prometia outra encenação para o concerto, mas após a execução do primeiro tema, deixaram cair os mesmos e passou-se a um concerto trivial, aqui e ali  com sonoridades orientais, mas quase sempre alinhando num thrash musculado que Ashmedi ia orientando. “Genies, Sorcerers and Mesopotamian Nights” foi um dos melhores temas da noite e um rouco Ashmedi não pode deixar de referir a actual destruição dos monumentos da Mesopotâmia, quando introduziu “Ghouls of Nineveh”, penúltimo tema de uma noite que encerrou com “Rebirth of the Nemesis: “Enuma Elish Rewritten”, sem direito a encore.

Encerrava-se assim um cartaz longo, numa noite quente na temperatura, mas em que faltou público e se revelou morna em alguns concertos. Quatro bandas, quatro estilos, com a noite a ser ganha pelos nomes do meio: Keep Of Kalessin e Tribulation. 


Texto e fotografias por Emanuel Ferreira
Agradecimentos: SWR Inc