• Facebook
  • Myspace
  • Twitter
  • Google+

Candidata-te

A Metal Imperium encontra-se a recrutar colaboradores para redação de notícias, reviews de álbuns ou entrevistas a bandas.

Quem quiser fazer parte desta equipa poderá candidatar-se contactando-nos por email: metalimperium@gmail.com



Reviews Mais Recentes

Uada - Cult of the Dying Sun


Occultum - In Nomine Rex Inferni


Monolithe - Nebula Septem


Morag Tong - Last Knell of Om


Haunted - Dayburner


Djevel - Blant Svarte Graner


Raw Decimating Brutality - Era Matarruana


Czort - Czarna Ewangelia


Kinetik - Critical Fallout


Dopethrone - Transcanadian Anger


Abhor - Occulta ReligiO


Refuge - Solitary Men


Sevendust - All I See Is War


Black Fast - Spectre of Ruin


Sleep - The Sciences


Tomb Mold - Manor of Infinite Forms


Taphos - Come Ethereal Somberness


Wrath Sins - The Awakening


Judas Priest - Firepower


Bleeding Through - Love Will Kill All


Ihsahn - Àmr


Alkaloid - Liquid Anatomy


Filii Nigrantium Infernalium - "Fellatrix


Amorphis - Queen of Time


Ghost - Prequelle


Angelus Apatrida - Cabaret de la Guillotine


Bleed From Within - Era


Painted Black - Raging Light


Necrobode - Metal Negro da Morte


Pestilence - Hadeon


Tortharry - Sinister Species


Inframonolithium - Mysterium


Somali Yacht Club - The Sea


Dallian - Automata


Total Pageviews

Concertos em Destaque

Tradutor

Entrevistas Mais Recentes



































The Sword vão entrar num hiato

Corte quase fatal no futuro dos The Sword, uma vez que a banda texana anunciou há dias que fará uma pausa, embora tenha lançado ainda em março (...)

Hate Eternal lançam áudio de "Nothingness of Being"

A banda de death metal irá lançar o novo álbum, Upon Desolate Sands, a 26 de outubro através da Season Of Mist. Depois de desvendar (...)

Alterações no alinhamento do Festival Bardoada e Ajcoi

O Festival Bardoada e Ajcoi anunciou a substituição de duas das bandas previamente confirmadas. (...)

Marky Ramone em Portugal no próximo mês

O veterano Marky Ramone tem dois espectáculos marcados para o nosso país, que serão nada mais, nada menos, do que o warm up para o Lisbon Tattoo Rock Fest 2018. (...)

Behemoth lançam nova música "Wolves Ov Siberia"

"Wolves Ov Siberia", o novo vídeo de Behemoth, pode ser visto acima. A música faz parte do próximo álbum da banda, "I Loved You At Your Darkest", (...)



Doooooooooooom! – entoar com voz cavernosa.  Os Hooded Menace são uma das grandes sensações do doom finlandês, pelo que o seu regresso é sempre apreciado pelas hordes doomescas que por aí andam. A proposta da banda sempre teve um encanto especial, um cheiro a old school que sempre se tornou irresistível e esse encanto perdura neste “Darkness Drips Forth”, o quarto álbum de originais da banda. Com quatro temas longos – apenas “Ashen With Solemn Decay” não ultrapassar a marca dos dez minutos mas anda lá perto, muito perto – este é um álbum que flui muito bem e até sabe a pouco.

Já estamos cansados de falar aqui da dificuldade em fazer álbuns de doom metal com qualidade, principalmente quando temos temas superiores a dez minutos. No caso dos Hooded Menace, até nem é seu costume, mas aqui dotam-se com uma sensibilidade death metal, com algumas melodias inesperadas à mistura, o que lhes dá um teor clássico e old school ainda mais acentuado, sendo bastante próximo da sonoridade do primeiro álbum dos Amorphis, “The Karelian Ishtmus”, e do som tipicamente sueco. Existe também por aqui uma certa progressividade. As músicas crescem dentro do ouvinte a cada audição, de uma forma orgânica, isto é, não há nada por aqui que seja forçado. Se “Darkness Drips Forth” fosse um vinho, seria uma preciosidade de gosto ímpar e que teria que se deixar respirar.

Não é um reunir de condições pré-estabelecidas, não é um disco pensado – não querendo dizer isto que também é fruto do acaso – mas é sobretudo algo que sai do coração da banda. Tem uma palete de cores que não é muito comum encontrar no género, mas além de ter essa palete de cores, nunca deixa de ser pesado, intenso e de certa forma e em algumas ocasiões, claustrofóbico. Nunca deixa de ser negro. Tudo isto aliado a um groove que é viciante de uma forma impressionante faz com que este trabalho seja visitado e revisitado vezes sem conta. Essa multiplicidade, essa incapacidade por parte do ouvinte só mostra o quão especial é este trabalho. Qualquer álbum que consiga transmitir sensações pouco usuais ao estilo e ao mesmo tempo enquadrar-se no mesmo perfeitamente.


Nota: 9/10

Review por Fernando Ferreira