• Facebook
  • Myspace
  • Twitter
  • Google+

Reviews Mais Recentes


Rasgo - Ecos da Selva Urbana


Terror Empire - Obscurity Rising


Painted Black - Raging Light


Wolves in the Throne Room - Thrice Woven


Celeste - Infidèle(s)


Moonspell - 1755


Battle Dagorath - II - Frozen Light of Eternal Darkness


Kalmankantaja - Routamaa


Archspire - Relentless Mutation


Tod Huetet Uebel - N.A.D.A


Benthik Zone - Via Cosmicam ad Europam ab Gelid Inferis


Acherontas - Amarta अमर्त (Formulas of Reptilian Unification Part II)


Progenie Terrestre Pura - oltreLuna


Vita Imana - El M4l


Overkill - The Grinding Wheel


Time Lurker - Time Lurker


Warbringer - Woe to the Vanquished



Akercocke - Renaissance in Extremis


Neige et Noirceur - Verglapolis


Concertos em Destaque

Tradutor

Entrevistas Mais Recentes



































System of a Down têm músicas novas

Afinal não há nenhum problema com os System of a Down. É Serj Tankian quem o afirma, numa entrevista recente concedida à Rolling Stone. Na verdade a banda tem músicas novas, (...)

Simbiose, Alien Squad, Dokuga atuam no Porto em fevereiro

Os nacionais Simbiose, Alien Squad e Dokuga vão tocar no Metalpoint (Porto), no dia 3 de fevereiro do próximo ano.(...)

Hourswill apresentam novo álbum na companhia dos Inner Blast, The Chapter e Scarmind

Os Hourswill apresentam ao vivo o seu mais recente álbum, "Harm Full Embrace", dia 13 de janeiro, no RCA Club em Lisboa.(...)

Kamelot lançam novo vídeo e revelam novidades para 2018

Os Kamelot disponibilizaram o novo vídeo do tema "Under Grey Skies", que conta com a participação da vocalista dos Delain, Charlotte Wessels.(...)

Graveyard a gravar novo álbum

Os suecos Graveyard encontram-se nos Park Studios, em Estocolmo, a gravar o seu próximo álbum de estúdio, sucessor de "Innocence and Decadence", lançado no ano 2015. (...)


Koen Herfst poderia bem ser o nome de uma banda de folk sueco, mas não, é mesmo o nome de um baterista que mesmo não sendo sobejamente conhecido na cena, mas os nomes com quem já colaborou certamente serão familiares entre os fãs de metal – Dew-Scented, After Forever e Epica. É um álbum que reúne uma série de cromos difíceis da música em torno do baterista que é o elemento comum entre todos diferentes nomes e géneros que “Back To Balance” foca. Então temos Mats Léven (actualmente nos Therion, Krux e Candle Mass), Daniël De Jongh (dos Textures), Valerio Recenti (dos My Propane), Marcela Bovio (dos Stream Of Passion), Tai Stamph (dos Splendid), Rodney Blaze (ex-Xenobia), Claudia Soumeru (de Bagga Bownz), Ward Palmen (dos Gunz N’ Rozes) e Eva Kathryn, no departamento da voz.

Nas guitarras por sua vez temos nomes como Marvin Vriesde (dos Dew-Scented), Eef Van Riet e Daan Janzing (ambos ex-My Favorite Scar), Eller Van Buuren (Bagga Bownz), Mendel Bij De Leij (dos Aborted), Remko Van Der Spek (ex-Orphanage) e ainda Leife De Leeuw, Marcel Singor e Wim Den Herder. No baixo, Michiel Eilbracht (Bagga Bownz), Joost Van Der Graaf (dos Dew-Scented), Joan Va Stratum (dos Stream Of Passion) e Robin Zielhorst (dos Exivious). Nas teclas temos ainda Joost Van Den Broek (ex-After Forever e actualmente nos The Gentle Storm), Coen Janssen (dos Epica), terminando com a participação no violino de  Judith Van Der Klip (ex-Blaudzun).

É mesmo muita gente junta, o que mostra que o músico coleccionou algumas amizades ao longo de quase vinte anos de carreira. Não há propriamente uma tendência que abranja todo o álbum, ainda o estilo de metal mais moderno é algo que se consegue associar bem – talvez a “Total Hate” e a sua mistura com rap ou hip-hop seja aquela que mais custa a entrar nos ouvidos mais rock/metal. De outra forma temos temas que se revelam grandes malhas, como a “I Don’t Need To Tell You”, a “Back To Balance” (esta última poderia estar num álbum de shred ou de metal progressivo que não estaria deslocada) ou a “Begone” (dentro do metal mais sinfónico e bombástico).

No entanto também existem algumas músicas que acabam por não aquecer nem arrefecer, mas, como um álbum de um baterista, acaba por demonstrar bem a sua versatilidade e em como é possível um baterista fazer um álbum a solo sem ter propriamente ter solos de bateria ou ter uma exibição explícita do seu talento, que é indiscutível. É um álbum agradável e que definitivamente merece algumas audições, com algumas faixas a sobreviver e a ficarem após essas audições terminarem. Uma boa surpresa para quem não conhecia o baterista – ou pelo menos não o reconhecia fora do contexto das bandas nas quais é integrante.


Nota: 7/10

Review por Fernando Ferreira