• Facebook
  • Myspace
  • Twitter
  • Google+

Reviews Mais Recentes


Rasgo - Ecos da Selva Urbana


Terror Empire - Obscurity Rising


Painted Black - Raging Light


Wolves in the Throne Room - Thrice Woven


Celeste - Infidèle(s)


Moonspell - 1755


Battle Dagorath - II - Frozen Light of Eternal Darkness


Kalmankantaja - Routamaa


Archspire - Relentless Mutation


Tod Huetet Uebel - N.A.D.A


Benthik Zone - Via Cosmicam ad Europam ab Gelid Inferis


Acherontas - Amarta अमर्त (Formulas of Reptilian Unification Part II)


Progenie Terrestre Pura - oltreLuna


Vita Imana - El M4l


Overkill - The Grinding Wheel


Time Lurker - Time Lurker


Warbringer - Woe to the Vanquished



Akercocke - Renaissance in Extremis


Neige et Noirceur - Verglapolis


Concertos em Destaque

Tradutor

Entrevistas Mais Recentes



































System of a Down têm músicas novas

Afinal não há nenhum problema com os System of a Down. É Serj Tankian quem o afirma, numa entrevista recente concedida à Rolling Stone. Na verdade a banda tem músicas novas, (...)

Simbiose, Alien Squad, Dokuga atuam no Porto em fevereiro

Os nacionais Simbiose, Alien Squad e Dokuga vão tocar no Metalpoint (Porto), no dia 3 de fevereiro do próximo ano.(...)

Hourswill apresentam novo álbum na companhia dos Inner Blast, The Chapter e Scarmind

Os Hourswill apresentam ao vivo o seu mais recente álbum, "Harm Full Embrace", dia 13 de janeiro, no RCA Club em Lisboa.(...)

Kamelot lançam novo vídeo e revelam novidades para 2018

Os Kamelot disponibilizaram o novo vídeo do tema "Under Grey Skies", que conta com a participação da vocalista dos Delain, Charlotte Wessels.(...)

Graveyard a gravar novo álbum

Os suecos Graveyard encontram-se nos Park Studios, em Estocolmo, a gravar o seu próximo álbum de estúdio, sucessor de "Innocence and Decadence", lançado no ano 2015. (...)


Os Månegarm são já um dos nomes clássicos da cena black/viking/folk metal mundial. Com este trabalho auto-intitulado chegam à marca de oito álbuns, uma marca que impõe sempre algum respeito. Mas mais do que a regularidade editorial, o que há a salientar é a regularidade a nível de qualidade. “Legions Of The North”, o anterior disco, não foi propriamente consensual, sendo uma das razões ter sido inteiramente cantado em inglês, sinal de uma abertura comercial que alguns consideraram ofensiva. Outra das razões foi por ter sido sentido como um certo marcar passo, sem conseguir fazer esquecer nenhum dos anteriores.

Aquilo que o início deste álbum auto-intitulado faz questão de deixar claro é a razão desta banda ser uma das mais subestimadas do género. Se no anterior se queixavam que a banda estava a perder gás, aqui volta com o poder todo. Com uma energia nitidamente renovada, os temas de abertura – “Blodörn” e “Tagen Av Daga” – trazem na perfeição a mistura perfeita equilibrada entre o lado mais extremo, o mais épico e o mais melódico. E também deixa clara a razão de gostarmos tanto de tudo o que tenha folk lá no meio. O ouvinte é como que sugado para uma outra época, para um outro local.

É nitidamente um daqueles álbuns que dá gosto ouvir. Com melodias que se colam imediatamente ao ouvido e são memoráveis, mesmo cantadas em sueco e com músicas cativantes, este também é um trabalho feito e pensado para tocar ao vivo, porque contem aqui muitos hinos que têm tudo para serem transportados para cima do palco com sucesso. Mesmo com um alinhamento algo estranho, em que apresenta duas faixas acústicas seguidas a meio do álbum (“Blot” e “Vigverk – Del II”), os níveis de entusiasmo não abrandam. Poderá soar a pouco no final e poderá não apresentar os mesmos níveis de energia no final que aqueles apresentados no início mas ainda assim, consegue ser superior ao anterior trabalho e é uma boa adição à discografia da banda. Se a teoria dos álbuns auto-intitulados serem especiais estiver em causa, este trabalho servirá para pender a balança favoravelmente à mesma.


Nota: 8/10

Review por Fernando Ferreira