• Facebook
  • Myspace
  • Twitter
  • Google+

Total Pageviews

Reviews Mais Recentes


Amorphis - Queen of Time


Ghost - Prequelle


Angelus Apatrida - Cabaret de la Guillotine


Bleed From Within - Era


Painted Black - Raging Light


Necrobode - Metal Negro da Morte


Pestilence - Hadeon


Tortharry - Sinister Species


Inframonolithium - Mysterium


Somali Yacht Club - The Sea


Dallian - Automata


Candidata-te

A Metal Imperium encontra-se a recrutar colaboradores para redação de notícias, reviews de álbuns ou entrevistas a bandas.

Quem quiser fazer parte desta equipa poderá candidatar-se contactando-nos por email: metalimperium@gmail.com



Concertos em Destaque

Tradutor

Entrevistas Mais Recentes



































Ghost estreiam duas novas músicas ao vivo

Os Ghost fizeram um inicio "oficioso" da sua próxima digressão mundial no "The Roxy", em Hollywood, Los Angeles, e presentearam os fãs que(...)

Roy Khan confessa que sair dos Kamelot foi a "melhor decisão" que alguma vez tomou

Roy Sætre Khantatat, conhecido como Roy Khan, ou mais conhecido como o antigo vocalista dos Kamelot, falou à italiana SpazioRock (...)

Epica lançam vídeo para “Universal Love Squad”

Os holandeses lançaram recentemente o vídeo para a canção “Universal Love Squad”, sendo possível visualizar o mesmo (...)

Morbid Angel disponibilizam novo vídeo

A banda de death metal Morbid Angel divulgou recentemente um novo vídeo para o tema "Garden Of Disdain", pertencente ao mais recente álbum, "Kingdoms Disdained". (...)

Alice In Chains lançam vídeo para novo single

"The One You Know" é o novo single dos Alice In Chains, que pode ser ouvido no vídeo acima. A faixa faz parte do próximo álbum da banda, (...)


Os Månegarm são já um dos nomes clássicos da cena black/viking/folk metal mundial. Com este trabalho auto-intitulado chegam à marca de oito álbuns, uma marca que impõe sempre algum respeito. Mas mais do que a regularidade editorial, o que há a salientar é a regularidade a nível de qualidade. “Legions Of The North”, o anterior disco, não foi propriamente consensual, sendo uma das razões ter sido inteiramente cantado em inglês, sinal de uma abertura comercial que alguns consideraram ofensiva. Outra das razões foi por ter sido sentido como um certo marcar passo, sem conseguir fazer esquecer nenhum dos anteriores.

Aquilo que o início deste álbum auto-intitulado faz questão de deixar claro é a razão desta banda ser uma das mais subestimadas do género. Se no anterior se queixavam que a banda estava a perder gás, aqui volta com o poder todo. Com uma energia nitidamente renovada, os temas de abertura – “Blodörn” e “Tagen Av Daga” – trazem na perfeição a mistura perfeita equilibrada entre o lado mais extremo, o mais épico e o mais melódico. E também deixa clara a razão de gostarmos tanto de tudo o que tenha folk lá no meio. O ouvinte é como que sugado para uma outra época, para um outro local.

É nitidamente um daqueles álbuns que dá gosto ouvir. Com melodias que se colam imediatamente ao ouvido e são memoráveis, mesmo cantadas em sueco e com músicas cativantes, este também é um trabalho feito e pensado para tocar ao vivo, porque contem aqui muitos hinos que têm tudo para serem transportados para cima do palco com sucesso. Mesmo com um alinhamento algo estranho, em que apresenta duas faixas acústicas seguidas a meio do álbum (“Blot” e “Vigverk – Del II”), os níveis de entusiasmo não abrandam. Poderá soar a pouco no final e poderá não apresentar os mesmos níveis de energia no final que aqueles apresentados no início mas ainda assim, consegue ser superior ao anterior trabalho e é uma boa adição à discografia da banda. Se a teoria dos álbuns auto-intitulados serem especiais estiver em causa, este trabalho servirá para pender a balança favoravelmente à mesma.


Nota: 8/10

Review por Fernando Ferreira