• Facebook
  • Myspace
  • Twitter
  • Google+

Reviews Mais Recentes


Iron Reagan - Crossover


Lich King - Omniclash


Demonic Resurrection - Dashavatar


Black Anvil - As Was


Benighted - Necrobreed


Mechina - As Embers Turn To Dust


Adamantine - Heroes & Villains


Barathrum - Fanatiko


Persefone - Aathma


Blame Zeus - Theory Of Perception


Kreator - Gods Of Violence


Lock Up - Demonization


Obituary - Obituary


H.O.S.T. - Bastard Of The Fallen Thrones


Antropomorphia - Sermon Ov Warth


Fall From Perfection - Metamorph


Pallbearer - Heartless


Mastodon - Emperor Of Sand


wolfheart - Tyhjyys


Sinister - Syncretism


Primal Attack - Heartless Oppressor


Grog - Ablutionary Rituals

Metal Imperium - Merchandise

.
Para encomendar, enviar email para: metalimperium@gmail.com

Concertos em Destaque

Visitantes

Tradutor

Entrevistas Mais Recentes



































Entrevista aos Venom Inc

Os Venom Inc nasceram em meados de 2015 como uma nova banda que reúne toda a força e poder dos seus membros: Tony “Demolition Man” Dolan (baixo/voz) com os membros originais de Venom – Jeff “Mantas” Dunn (guitarra) and Anthony “Abaddon” Bray (bateria). A banda tem estado em tournée(...)

Falecimento do antigo baixista de Celtic Frost

O antigo baixista e membro fundador de Celtic Frost e de Hellhamer Martin Eric Ain, faleceu no passado sábado dia 21 de Outubro, aos 50 anos de idade. A causa da morte foi (...)

Novo álbum de Pestilence em Março

Os Pestilence irão lançar o seu novo álbum "Hadeon", em Março, pela Hammerheart Records. Este trabalho terá treze faixas que combinam as raízes de Pestilence, com a sua (...)

Arch Enemy com novo vídeo "The Race"

Os Arch Enemy acabam de lançar mais um vídeo do seu novo álbum, "Will To Power", que foi lançado no dia 8 de setembro através da Century Media.(...)

Angel Dust estão de volta!

A banda alemã informou através da sua página de Facebook que está de volta e já em estúdio a gravar o seu próximo trabalho. Depois de se terem separado em 2011, (...)


A avaliar pelo início de “Brown Rainbow”, este “Bottom Of The Morning” parece ser mais um álbum que poderia servir para duas coisas. Ou como homenagem aos Goblin, ou para uma banda sonora de um filme de terror do Dario Argento dos finais da década de setenta, inícios da de oitenta. Na realidade, há muito mais aqui do que essa faceta que está evidente no chamado tema. Os Pinkish Black nasceram a partir das cinzas dos The Great Tyrant, que nunca chegaram a lançar um álbum porque o seu baixista Tommy Atkins cometeu suicídio. Os dois membros restantes, Daron Beck e Jon Teague decidiram continuar sobre esta designação, Pinkish Black. Como já foi dito, pela amostra do primeiro tema atrás citado, os sintetizadores são um dos grandes factores da banda, no entanto há aqui mais qualquer coisa, difícil de identificar.

Há certamente um factor opressivo, que é impossível de sacudir ao longo do tempo que dura esta experiência auditiva. E, claro, o factor cinematográfico está sempre presente. Uma “Burn My Body” torna-se hipnótica com o seu toque especial que junta doom à música electrónica da década de oitenta, tornando-a muito mais emocional do que à partida se julgaria possível. O factor nostálgico tem muita importância, mas há mais aqui do que simplesmente olhar para trás e reinventar o que já foi feito. Cada música tem um seu próprio propósito, com diversas facetas e o que faz com que este álbum seja mais dinâmico do que à partida se julgaria possível.

“Special Dark” poderia chamar-se como proto-metal industrial, enquanto “Everything Must Go” poderia ser uma espécie de Massive Attack primordial transformada por uma tensão hipnótica estupidamente alta que descamba num devaneio claustrofóbico. Poderia estranhar-se um álbum destes lançado pela Relapse Records, mas a editora já provou diversas vezes que por muito díspar seja o espectro do alcance das suas propostas, todas têm em comum um factor: a forma como surpreendem e impedem de deixar indiferente o ouvinte. “Bottom Of The Morning” – excelente trocadilho já agora – é apenas o mais recente exemplo. Um álbum que não sendo fácil de ouvir, passado algum tempo, também não é fácil de o deixar de fazer.


Nota: 8/10

Review por Fernando Ferreira