• Facebook
  • Myspace
  • Twitter
  • Google+

Reviews Mais Recentes


Iron Reagan - Crossover


Lich King - Omniclash


Demonic Resurrection - Dashavatar


Black Anvil - As Was


Benighted - Necrobreed


Mechina - As Embers Turn To Dust


Adamantine - Heroes & Villains


Barathrum - Fanatiko


Persefone - Aathma


Blame Zeus - Theory Of Perception


Kreator - Gods Of Violence


Lock Up - Demonization


Obituary - Obituary


H.O.S.T. - Bastard Of The Fallen Thrones


Antropomorphia - Sermon Ov Warth


Fall From Perfection - Metamorph


Pallbearer - Heartless


Mastodon - Emperor Of Sand


wolfheart - Tyhjyys


Sinister - Syncretism


Primal Attack - Heartless Oppressor


Grog - Ablutionary Rituals

Metal Imperium - Merchandise

.
Para encomendar, enviar email para: metalimperium@gmail.com

Concertos em Destaque

Visitantes

Tradutor

Entrevistas Mais Recentes



































Entrevista aos Venom Inc

Os Venom Inc nasceram em meados de 2015 como uma nova banda que reúne toda a força e poder dos seus membros: Tony “Demolition Man” Dolan (baixo/voz) com os membros originais de Venom – Jeff “Mantas” Dunn (guitarra) and Anthony “Abaddon” Bray (bateria). A banda tem estado em tournée(...)

Falecimento do antigo baixista de Celtic Frost

O antigo baixista e membro fundador de Celtic Frost e de Hellhamer Martin Eric Ain, faleceu no passado sábado dia 21 de Outubro, aos 50 anos de idade. A causa da morte foi (...)

Novo álbum de Pestilence em Março

Os Pestilence irão lançar o seu novo álbum "Hadeon", em Março, pela Hammerheart Records. Este trabalho terá treze faixas que combinam as raízes de Pestilence, com a sua (...)

Arch Enemy com novo vídeo "The Race"

Os Arch Enemy acabam de lançar mais um vídeo do seu novo álbum, "Will To Power", que foi lançado no dia 8 de setembro através da Century Media.(...)

Angel Dust estão de volta!

A banda alemã informou através da sua página de Facebook que está de volta e já em estúdio a gravar o seu próximo trabalho. Depois de se terem separado em 2011, (...)


Se a música pudesse ser comparada ao cinema, dir-se-ia que este trabalho auto-intitulado seria o equivalente ao “Exorcista” que levou pessoas a vomitar e a abandonar as salas de cinema, não exactamente por esta ordem. Muito tempo já passou desde então e o mundo está já imune e insensível a tais sensações, mas aquele desconforto clássico ainda está presente e certamente os amantes do cinema de horror reconhecerão a sua qualidade. O mesmo se pode dizer de “Apparatus”. O mundo poderá já ter experienciado coisas bem mais extremas que o que se pode ouvir aqui, no entanto, há por aqui toda uma aura de medo, claustrofobia e uma vasta panóplia de sentimentos desagradáveis que fará com que seja um álbum a tomar em conta por todos os que gostam deste tipo de sensações.

A grande arma para atingir esse desconforto também não é nova para ninguém. A temida e por vezes mal usada dissonância. E ela surge aqui feia e suja e completamente desagradável. Normalmente, ou pelo menos ultimamente, estamos habituados a ver (ou a ouvir) coisas destas associadas ao black metal, mas aqui a dissonância surge como esteticamente próxima do death metal embora esteja quase no limiar do não interessar que raio de estilo se trata. É extremo, sem qualquer dúvida. Blastbeats com fartura surgem-nos tão depressa como momentos compassados, mas mesmo com esta dinâmica, há uma linha condutora que se mantém inalterada ao longo do álbum.

Este não é mesmo um álbum fácil de ouvir, e nessas raras ocasiões em que nos daremos ao luxo de gastar energia a ouvi-lo, o mesmo vai provocar uma reviravolta no nosso dia. O sol até pode estar a brilhar até então, mas é certinho que assim que “Sermon I” comece a ecoar que o mesmo vai desaparecer e vai parecer tudo negro. As plantas vão morrer, os animais vão apodrecer. É a ausência de vida, é a morte encarnada, a entropia manifestada. A anti-vida. E parecendo que não, este é um elogio, talvez o maior porque é difícil conseguir atingir tal intensidade. O pessoal desta banda deve ser tipo baratas, devem conseguir suportar a uma guerra nuclear. Quem conseguir ensaiar estas músicas mais do que uma vez por semana e mesmo assim sobreviver, poderá suportar um holocausto nuclear.


Nota: 7/10

Review por Fernando Ferreira