• Facebook
  • Myspace
  • Twitter
  • Google+

Total Pageviews

Reviews Mais Recentes


Amorphis - Queen of Time


Ghost - Prequelle


Angelus Apatrida - Cabaret de la Guillotine


Bleed From Within - Era


Painted Black - Raging Light


Necrobode - Metal Negro da Morte


Pestilence - Hadeon


Tortharry - Sinister Species


Inframonolithium - Mysterium


Somali Yacht Club - The Sea


Dallian - Automata


Candidata-te

A Metal Imperium encontra-se a recrutar colaboradores para redação de notícias, reviews de álbuns ou entrevistas a bandas.

Quem quiser fazer parte desta equipa poderá candidatar-se contactando-nos por email: metalimperium@gmail.com



Concertos em Destaque

Tradutor

Entrevistas Mais Recentes



































Ghost estreiam duas novas músicas ao vivo

Os Ghost fizeram um inicio "oficioso" da sua próxima digressão mundial no "The Roxy", em Hollywood, Los Angeles, e presentearam os fãs que(...)

Roy Khan confessa que sair dos Kamelot foi a "melhor decisão" que alguma vez tomou

Roy Sætre Khantatat, conhecido como Roy Khan, ou mais conhecido como o antigo vocalista dos Kamelot, falou à italiana SpazioRock (...)

Epica lançam vídeo para “Universal Love Squad”

Os holandeses lançaram recentemente o vídeo para a canção “Universal Love Squad”, sendo possível visualizar o mesmo (...)

Morbid Angel disponibilizam novo vídeo

A banda de death metal Morbid Angel divulgou recentemente um novo vídeo para o tema "Garden Of Disdain", pertencente ao mais recente álbum, "Kingdoms Disdained". (...)

Alice In Chains lançam vídeo para novo single

"The One You Know" é o novo single dos Alice In Chains, que pode ser ouvido no vídeo acima. A faixa faz parte do próximo álbum da banda, (...)

Dia 1

Embora com algumas alterações no cartaz, este pequeno grande festival prometia grandes performances à capital.

O primeiro dia começou com a atuação dos portuenses Nevoa que não desiludiram. O vocalista/guitarrista perdeu uma das cordas logo na primeira música, mas foi com naturalidade que continuou a nossa viagem pelo ‘The Absence Of Void’, álbum estreia da banda. Com o RCA ainda um pouco despido, a aura pesada deste black metal atmosférico esteve lá, só faltando alguma interação com o público.

Com a sala já mais composta, o coletivo catalão Foscor, que não foi uma estreia em solo português, elevou sem dúvida a fasquia. Mesmo tocando só durante meia hora e baseando-se no seu mais recente trabalho “Those Horrors Wither”, o vocalista Fiar marcou pela sua presença em palco, e criou uma ligação automática com o público ao mencionar que já tinham estado em Portugal e que esperavam voltar para tocar durante mais tempo. Depois desta excelente atuação só podemos esperar revê-los em breve.

Com o avançar da noite o RCA foi enchendo. Foi com alguma expetativa que os Painted Black foram recebidos e rapidamente demonstraram ser das melhores bandas do género em território nacional, prestes a completar os seus 15 anos de carreira. A banda fez-se acompanhar pela voz de Micaela Cardoso em alguns temas, o que resultou bastante bem com a voz de Daniel Lucas. Assistimos a um goth/doom metal intenso, que incluiu não só músicas do primeiro álbum como nos revelou um tema do segundo álbum de originais, a ser lançado ainda este ano.

Os irlandeses Primordial eram os mais esperados desta noite de festival e não desiludiram, bem pelo contrário. Foi já com a sala cheia que o carisma do vocalista Alan Averill foi muito bem recebido, e nos relembrou como é que se deve dar início às hostilidades. A banda entrou em palco com “Where The Greater Man Have Fallen” com um público ainda tímido, mas não demorou até Alan ser acompanhado pela sala a plenos pulmões com temas como “As Rome Burns”, “Babel’s Tower” ou “Empire Falls”. Um concerto que durou perto de uma hora e meia e que mostrou bem a essência dos Primordial.

Dia 2

Seguiu-se à risca o alinhamento e horários do festival, o que fez com que perdêssemos a atuação dos portugueses My Master The Sun.

Os Shattered Hope foram a segunda banda da noite e foi a estreia desta banda grega em solo nacional. Mostraram-se bastante simpáticos mas acima de tudo competentes no estilo que representam. Deixaram o público curioso sobre o que ainda estaria reservado para aquela noite.

Chegou a vez dos portugueses Carma nos apresentarem o seu funeral doom. O trio português, natural de Coimbra, e com o seu primeiro álbum lançado no final de 2015, promete ainda ter muito para dar. As músicas cantadas em português fizeram-se acompanhar por um visual cuidado, que incluiu velas no palco.

É caso que para dizer que a meio da noite o RCA estava composto mas longe da enchente que aconteceu no primeiro dia do festival.

A banda parisiense Mourning Dawn continuou a conduzir as hostes para o que se avizinhava desde início ser uma noite recheada de atuações competentes e intenso doom metal. Embora o vocalista Laurent não estivesse nos seus dias, não poupou elogios à cerveja portuguesa e em conjunto com os restantes membros presenteou-nos com mais de uma hora de concerto.

Os nossos vizinhos Orthodox, duo natural de Sevilha, deram um espetáculo que já era esperado pelo público. Fantástica a viagem que fizemos à boleia de uma bateria, baixo e voz de Marco Gallardo. O duo concentrou-se no mais recente trabalho da banda, “Axis”, lançado o ano passado.

Para fechar a noite e com a sala ligeiramente mais cheia, tocaram os britânicos Esoteric. Mesmo já a acusar algum cansaço o público manteve-se. Com uma carreira bastante robusta às costas, o quinteto brindou-nos durante uma hora e meia com o seu funeral doom metal, com alguns traços atmosféricos. A voz marca sem dúvida uma das particularidades da banda, bem como as três guitarras de que se fazem acompanhar.



Um festival bem organizado e com um cartaz bastante robusto, salientando as variantes apresentadas dentro do género. Resta esperar que iniciativas como esta se mantenham na capital e dar obviamente os parabéns à Notredame Productions por mais um Under the Doom.

Por: Andreia Teixeira - 23 Fevereiro 16