• Facebook
  • Myspace
  • Twitter
  • Google+

Candidata-te

A Metal Imperium encontra-se a recrutar colaboradores para redação de notícias, reviews de álbuns ou entrevistas a bandas.

Quem quiser fazer parte desta equipa poderá candidatar-se contactando-nos por email: metalimperium@gmail.com



Reviews Mais Recentes

Uada - Cult of the Dying Sun


Occultum - In Nomine Rex Inferni


Monolithe - Nebula Septem


Morag Tong - Last Knell of Om


Haunted - Dayburner


Djevel - Blant Svarte Graner


Raw Decimating Brutality - Era Matarruana


Czort - Czarna Ewangelia


Kinetik - Critical Fallout


Dopethrone - Transcanadian Anger


Abhor - Occulta ReligiO


Refuge - Solitary Men


Sevendust - All I See Is War


Black Fast - Spectre of Ruin


Sleep - The Sciences


Tomb Mold - Manor of Infinite Forms


Taphos - Come Ethereal Somberness


Wrath Sins - The Awakening


Judas Priest - Firepower


Bleeding Through - Love Will Kill All


Ihsahn - Àmr


Alkaloid - Liquid Anatomy


Filii Nigrantium Infernalium - "Fellatrix


Amorphis - Queen of Time


Ghost - Prequelle


Angelus Apatrida - Cabaret de la Guillotine


Bleed From Within - Era


Painted Black - Raging Light


Necrobode - Metal Negro da Morte


Pestilence - Hadeon


Tortharry - Sinister Species


Inframonolithium - Mysterium


Somali Yacht Club - The Sea


Dallian - Automata


Total Pageviews

Concertos em Destaque

Tradutor

Entrevistas Mais Recentes



































The Sword vão entrar num hiato

Corte quase fatal no futuro dos The Sword, uma vez que a banda texana anunciou há dias que fará uma pausa, embora tenha lançado ainda em março (...)

Hate Eternal lançam áudio de "Nothingness of Being"

A banda de death metal irá lançar o novo álbum, Upon Desolate Sands, a 26 de outubro através da Season Of Mist. Depois de desvendar (...)

Alterações no alinhamento do Festival Bardoada e Ajcoi

O Festival Bardoada e Ajcoi anunciou a substituição de duas das bandas previamente confirmadas. (...)

Marky Ramone em Portugal no próximo mês

O veterano Marky Ramone tem dois espectáculos marcados para o nosso país, que serão nada mais, nada menos, do que o warm up para o Lisbon Tattoo Rock Fest 2018. (...)

Behemoth lançam nova música "Wolves Ov Siberia"

"Wolves Ov Siberia", o novo vídeo de Behemoth, pode ser visto acima. A música faz parte do próximo álbum da banda, "I Loved You At Your Darkest", (...)


A chuva não deu tréguas, mas não foi por isso que o RCA Club deixou de ter uma fila de negro a aguardar (ansiosamente, é certo) pela abertura de portas. No dia anterior, apostamos que terá ocorrido o mesmo no Hard Club. E se o calendário informa que já nos encontramos na Primavera, o tempo veio dizer-nos que estava na altura certa de ouvir “Winter’s Gate” em sala fechada. Assim foi, e que bem soube sentir um pedaço de Inverno.


A noite começou com os suecos Tribulation, que trouxeram na bagagem o seu mais recente álbum, “Down Below”, e muito incenso à mistura. Mas não foi só o sentido olfativo a lucrar com esta atuação, pelo contrário. Antes de passarmos pelo óbvio sentido auditivo, vamos falar do visual. Sim, todos os membros aparecem de cara pintada, vestes negras e alguns acessórios à mistura. Nada de estranho no mundo do metal. Mas muito por culpa do guitarrista Jonathan Hultén, grande parte dos olhares eram levados, quase que de forma não consciente, para onde as suas vestes esvoaçam.


Conhecido por uma presença em palco algo extravagante, a verdade é que seguir Jonathan no palco implicou sentir cada uma das notas que por ali se tocavam, dado que os seus movimentos estavam sincronizados na perfeição com a música que se ouvia. A sua presença é tudo menos monótona, e, se tivermos vontade, conseguimos imaginá-lo numa qualquer banda de rock gótico. Contudo, engane-se quem achar que é só fogo-de-vista. Não querendo descurar a prestação dos seus colegas de banda, que foi bastante competente ao longo da noite, o certo é que aquela guitarra faz a diferença na sonoridade dos suecos. Os temas contemplados do novo álbum, a inicial “Lady Death”, “Nightbound” e “The Lament”, foram muito aplaudidos, e foi em “In the Dreams of the Dead” que o público mostrou mais o seu poder vocal. Um facto interessante é que, sempre que os suecos terminavam um tema, ausentavam-se por breves instantes. Quase que se sentia, tema após tema, que estávamos constantemente perante um possível encore. Isso, aliado ao facto de a atuação estar a ficar cada vez melhor, fez com que a despedida se tornasse muito difícil. Os suecos fizeram uma vénia, os portugueses quase esgotaram as palmas.


Os Insomnium passaram pelo nosso país em Agosto, no VOA Fest, em condições bastante distintas. Basta pensar que, para além de tocarem ao ar livre, fizeram-no numa altura em que o sol teimava em queimar a pele. O último lançamento da banda, o álbum conceptual “Winter’s Gate”, foi tocado na íntegra no Verão, e, agora, numa Primavera disfarçada de Inverno. Não há dúvida que ganha outra força quando ouvido numa sala fechada e com um casaco quente a acompanhar. Assim, o início (e meio) da atuação foi precisamente o tema “Winter’s Gate”, dividido nas conhecidas sete partes. Todas elas com o seu encanto. Durante este tema, o público assistiu maravilhado. Embora se tenha manifestado algumas vezes (batendo palmas ou entoando, em coro, “hey, hey, hey!”), o que se sentiu por parte da plateia foi, essencialmente, deslumbre. No fim das sete partes, um fã comentou que foi como ver uma peça de teatro. De facto, foi-nos contada uma história…e que bem contada foi.

À semelhança do concerto em Agosto, na segunda parte da atuação, os finlandeses voltaram a dar destaque ao álbum “Shadows of the Dying Sun”. Aqui, o público mudou a sua postura, passando do inicial deslumbre à euforia. Já se ouviram fãs a competir com a voz de Niilo Sevänen, especialmente em “While We Sleep” e “Ephemeral”. Niilo também chegou a desafiar os fãs portugueses, mencionando que o público espanhol tinha deixado marca e que queria saber se conseguíamos superá-la. Vamos dizer que sim, principalmente no fim da atuação: “The Promethean Song” ganhou o prémio de maior número de palmas da noite,
e “Only One Who Waits” fez estremecer o chão.

Foi uma noite memorável e, essencialmente, reconfortante para a alma. 




Texto por Sara Delgado
Fotografias por Ana Mendes
Agradecimentos: Prime Artists