• Facebook
  • Myspace
  • Twitter
  • Google+

Candidata-te

A Metal Imperium encontra-se a recrutar colaboradores para redação de notícias, reviews de álbuns ou entrevistas a bandas.

Quem quiser fazer parte desta equipa poderá candidatar-se contactando-nos por email: metalimperium@gmail.com



Reviews Mais Recentes

Uada - Cult of the Dying Sun


Occultum - In Nomine Rex Inferni


Monolithe - Nebula Septem


Morag Tong - Last Knell of Om


Haunted - Dayburner


Djevel - Blant Svarte Graner


Raw Decimating Brutality - Era Matarruana


Czort - Czarna Ewangelia


Kinetik - Critical Fallout


Dopethrone - Transcanadian Anger


Abhor - Occulta ReligiO


Refuge - Solitary Men


Sevendust - All I See Is War


Black Fast - Spectre of Ruin


Sleep - The Sciences


Tomb Mold - Manor of Infinite Forms


Taphos - Come Ethereal Somberness


Wrath Sins - The Awakening


Judas Priest - Firepower


Bleeding Through - Love Will Kill All


Ihsahn - Àmr


Alkaloid - Liquid Anatomy


Filii Nigrantium Infernalium - "Fellatrix


Amorphis - Queen of Time


Ghost - Prequelle


Angelus Apatrida - Cabaret de la Guillotine


Bleed From Within - Era


Painted Black - Raging Light


Necrobode - Metal Negro da Morte


Pestilence - Hadeon


Tortharry - Sinister Species


Inframonolithium - Mysterium


Somali Yacht Club - The Sea


Dallian - Automata


Total Pageviews

Concertos em Destaque

Tradutor

Entrevistas Mais Recentes



































The Sword vão entrar num hiato

Corte quase fatal no futuro dos The Sword, uma vez que a banda texana anunciou há dias que fará uma pausa, embora tenha lançado ainda em março (...)

Hate Eternal lançam áudio de "Nothingness of Being"

A banda de death metal irá lançar o novo álbum, Upon Desolate Sands, a 26 de outubro através da Season Of Mist. Depois de desvendar (...)

Alterações no alinhamento do Festival Bardoada e Ajcoi

O Festival Bardoada e Ajcoi anunciou a substituição de duas das bandas previamente confirmadas. (...)

Marky Ramone em Portugal no próximo mês

O veterano Marky Ramone tem dois espectáculos marcados para o nosso país, que serão nada mais, nada menos, do que o warm up para o Lisbon Tattoo Rock Fest 2018. (...)

Behemoth lançam nova música "Wolves Ov Siberia"

"Wolves Ov Siberia", o novo vídeo de Behemoth, pode ser visto acima. A música faz parte do próximo álbum da banda, "I Loved You At Your Darkest", (...)



Sotz’ são um colectivo portuense apenas com um EP, mas certamente um dos nomes que irá surpreender muitos na próxima edição do festival Laurus Nobilis. EM jeito de preparação para o festival, deixaram algumas palavras à Metal Imperium

Como é isso de uma banda nacional inspirar-se na civilização Maia para nome e EP?
Jisus – Bem, este projecto nasceu inicialmente sem o intuito de se tornar uma banda propriamente dita. Nasceu comigo, como projecto caseiro, devido ao meu fascínio pela cultura e toda a mitologia da civilização Maia. Com o passar dos anos, o Pedro convenceu-me a seguirmos com este trabalho para a frente, mas sempre com a intenção de continuar com a mesma temática. Felizmente, todos os nossos Sotz’ brothers apoiaram e acreditaram neste conceito e assim continuaremos. O nome do EP «Tzak’ Sotz’», que significa “evocar o espírito do morcego” na língua indígena, surge numa tentativa de nos aproximarmos daquilo que procuramos. Este é, talvez, o tema que mais nos identifica nesse aspecto, desde a parte lírica até à composição dos restantes instrumentos.

Entre formação e estreia ao vivo, demoraram um bocado, e depois disso, ainda dois anos para o EP. O que se passou?
Dan – Até conseguirmos uma formação estável tivemos que passar pela rotina do costume, de composição das músicas, estruturação das mesmas e, o mais importante, chegar a ter certeza absoluta que o projecto era aquilo que realmente procurávamos, de forma a termos a motivação necessária para seguir em frente e pisar os palcos. Entretanto o EP em si, tendo sido este o nosso primeiro contacto com um estúdio profissional, a Raising Legends Records, teve que levar umas valentes provas a fogo a nível de definição do som que pretendíamos. A meio da produção deste trabalho, perdemos um elemento, na bateria, o que obrigou a fazer uma pequena “pausa” de forma a encontrar alguém que o substituísse. Surgiu a ideia de convidarmos o nosso irmão Afonso Ribeiro para assumir a bateria em estúdio e nos ajudar a lançar este trabalho! Apesar de todo o tempo que se passou, felizmente podemos dizer que estamos muito satisfeitos com este EP, especialmente como a forma que todos têm reagido com o mesmo!
 
Este EP é conceptual? Expliquem um pouco o que está por trás dele.
Dan – Neste EP existe uma atmosfera enigmática do que conhecemos sobre a história de uma das mais avançadas civilizações até hoje conhecidas. Uma história que por muito violenta que fosse, tem muito em comum com a nossa história! As letras foram desenvolvidas com o estudo de textos sobre a criação do império, criação das religiões e crenças, da sua visão apocalíptica de um fim, que por mais incrível que pareça, eles previram mesmo.

Jisus – Sim, foi feita uma aproximação nesse contexto. Não só na parte lírica, mas também no seu artwork desenvolvido pelo nosso amigo Hugo “Saix” Barbieri. De forma a conseguirmos uma imagem coerente entre os temas e o lado visual, decidimos utilizar como base uma fotografia de um “Bloodletting Ritual”, uma peça arqueológica presente no Denver Museum of Nature & Science nos USA e que nos foi gentilmente fornecida por eles. Acho que fomos felizes neste aspecto e será algo que iremos desenvolver novamente nos trabalhos futuros.

O Laurus é mais uma etapa de uma digressão que tem tido bastantes datas nacionais. Como tem corrido? Podemos esperar algo de diferente no Laurus?
Dan – Não gosto de chamar isso de digressão, tendo em conta o facto que não somos músicos profissionais que recebem pagamentos fixos pela actuação e as mesmas datas tem grandes intervalos, mas como experiência para uma pequena banda é o mais próximo disso. Tem corrido relativamente bem, com seus altos e baixos, algumas datas tiveram que ser canceladas ou adiadas para outra altura, por várias razões. Mas as datas que temos tido, correram bem, com público que ficou impressionado pela actuação. Ficamos muito felizes por termos conquistado a consideração de vários admiradores de música extrema. O Laurus Nobilis Music Fest em Famalicão é uma data muito especial para nós, pois vamos partilhar o palco com vários amigos e bandas que nós admiramos e temos como exemplo. Todos os concertos têm sido diferentes e especiais de uma certa forma, faz parte da tradição da banda trazer algo diferente para cada concerto, seja na música ou no ambiente geral da actuação. Podem esperar por uma carga diferente de adrenalina nesta actuação, afinal este converto vai ter que ser especial não só para nós, mas também para as pessoas que nos vão ver.

Jisus – Realmente os concertos têm corrido bem e a forma como o público tem aderido e nos tem apoiado deixa-nos de coração cheio. E é sempre bom para nós revermos amigos que estão lá para nos apoiar. Em relação ao Laurus Nobilis pouco posso acrescentar ao que o Dan disse. É uma data muito especial porque será o nosso primeiro festival, tanto da banda como dos músicos. Estamos em pulgas e muito motivados para dia 27 de Julho!

Como está a situação da bateria? Ainda com baterista de sessão ou já possuem alguém definitivo?
Dan – Neste momento ainda não temos um baterista fixo. Temporariamente continuamos com baterista de sessão. Mas a procura continua, apenas estamos a ver se neste mundo existe uma pessoa suficientemente brava para assumir o cargo. Não é fácil ser baterista, exige-se uma grande paixão pela música, vontade, aptidão e disponibilidade para trabalhar connosco. Procuramos uma pessoa que possa trazer algo diferente e que possua “feeling”, que possa tornar a música especial de uma certa forma. Aviso para todos os bateristas que se consideram máquinas de guerra: O lugar ainda está vago!

Jisus – Não é uma situação fácil mas é a solução ideal nesta altura. Não queremos que este projecto pare, então temos de ser concretos e objectivos. Por um lado, tem sido uma experiência fantástica, eu acho. Estamos a trabalhar com músicos com visões diferentes! Estes inputs são importantes para nós, visto que a nossa intenção é sermos melhores e melhores e melhores! E para dia 27 de Julho será o grande Luís Moreira o responsável na bateria. E como todos nós sabemos, vai espalhar a sua magia e maestria na bateria!!!

A estrada está a dar a pica necessária para compor e rapidamente gravar o álbum? Já podem adiantar algo?
Jisus – Sim, sem dúvida que está a motivar-nos imenso! Mas em relação à composição, ela nunca pára! Nós estamos em constante processo de composição e a qualquer momento poderemos entrar novamente em estúdio. Esta é uma das filosofias de Sotz’. Esta é uma das fases que maior gosto nos dá na verdade. Temos imensos temas compostos, alguns deles até já os tocamos ao vivo, como a «Kinich Ahau, Baak’», «Architecture of Madness» e «A New Age». Mas datas do álbum... Datas do álbum não podemos adiantar porque ainda não definimos metas nesse aspecto, mas que temos de vontade de voltar a estúdio, sim temos! Muita!

Dan – Brevemente iremos mostrar o que se pode esperar do álbum e tenho a certeza absoluta que irá superar as expectativas de todos, até a nós, espero eu!


Entrevista por Emanuel Ferreira