• Facebook
  • Myspace
  • Twitter
  • Google+

Candidata-te

A Metal Imperium encontra-se a recrutar colaboradores para redação de notícias, reviews de álbuns ou entrevistas a bandas.

Quem quiser fazer parte desta equipa poderá candidatar-se contactando-nos por email: metalimperium@gmail.com



Reviews Mais Recentes

Uada - Cult of the Dying Sun


Occultum - In Nomine Rex Inferni


Monolithe - Nebula Septem


Morag Tong - Last Knell of Om


Haunted - Dayburner


Djevel - Blant Svarte Graner


Raw Decimating Brutality - Era Matarruana


Czort - Czarna Ewangelia


Kinetik - Critical Fallout


Dopethrone - Transcanadian Anger


Abhor - Occulta ReligiO


Refuge - Solitary Men


Sevendust - All I See Is War


Black Fast - Spectre of Ruin


Sleep - The Sciences


Tomb Mold - Manor of Infinite Forms


Taphos - Come Ethereal Somberness


Wrath Sins - The Awakening


Judas Priest - Firepower


Bleeding Through - Love Will Kill All


Ihsahn - Àmr


Alkaloid - Liquid Anatomy


Filii Nigrantium Infernalium - "Fellatrix


Amorphis - Queen of Time


Ghost - Prequelle


Angelus Apatrida - Cabaret de la Guillotine


Bleed From Within - Era


Painted Black - Raging Light


Necrobode - Metal Negro da Morte


Pestilence - Hadeon


Tortharry - Sinister Species


Inframonolithium - Mysterium


Somali Yacht Club - The Sea


Dallian - Automata


Total Pageviews

Concertos em Destaque

Tradutor

Entrevistas Mais Recentes



































The Sword vão entrar num hiato

Corte quase fatal no futuro dos The Sword, uma vez que a banda texana anunciou há dias que fará uma pausa, embora tenha lançado ainda em março (...)

Hate Eternal lançam áudio de "Nothingness of Being"

A banda de death metal irá lançar o novo álbum, Upon Desolate Sands, a 26 de outubro através da Season Of Mist. Depois de desvendar (...)

Alterações no alinhamento do Festival Bardoada e Ajcoi

O Festival Bardoada e Ajcoi anunciou a substituição de duas das bandas previamente confirmadas. (...)

Marky Ramone em Portugal no próximo mês

O veterano Marky Ramone tem dois espectáculos marcados para o nosso país, que serão nada mais, nada menos, do que o warm up para o Lisbon Tattoo Rock Fest 2018. (...)

Behemoth lançam nova música "Wolves Ov Siberia"

"Wolves Ov Siberia", o novo vídeo de Behemoth, pode ser visto acima. A música faz parte do próximo álbum da banda, "I Loved You At Your Darkest", (...)



O tema de abertura deste novo álbum dos The Lions’ Daughter, tema-título, ao iniciar as hostilidades com um som de sintetizador, relembra “Trouble with being born” dos The Great Tyrant (banda que precedeu os Pinkish Black).

A agressividade e desconforto deixado pela voz e a atmosfera opressiva de sonos electrónicos mantém-se no tema seguinte “Call the Midnight Animal”, o que deixa o ouvinte encostado à parede. A introdução de baixo neste tema de Scott Fogelbach representa, inclusive, uma sonoridade limpa que destoa da restante atmosfera.

“Die Into Us” apresenta um diferente tipo de opressividade sonora com o som de sintetizadores a formar uma sequência de notas que me inspira a sensação de estar preso num turbilhão, onde a voz de Rick Giordano apenas serve para tornar a situação mais desconfortável. Na sua segunda parte, o tema parece abrir para uma nova paisagem mais livre. 

Com efeito, a sonoridade de “Future Cult” como um todo é em si desconfortável mas, dada a temática lírica que percorre os temas do mesmo, parece ser essa a intenção deste conjunto. Com efeito, este facto torna-se mais evidente ao se consultar os títulos dos dois primeiros álbuns, “Shame On Us All” e “Existence is Horror”.

“Suicide Market” começa de forma mais aberta com voz-off a soar como um anúncio, o que o torna num dos temas mais relaxados do disco, mas sem fugir à temática do mesmo, com o som de sintetizadores omnipresente e um baixo urgente, como uma bomba relógio em contagem decrescente para um solo de guitarra cortante. “The Gown” demonstra uma sonoridade mais clássica com sons a reverter para o rock dos anos 70, relembrando os contemporâneos Zombi (em “Spirit Animal”).

Esta sonoridade mantém-se nos temas seguinte, o que torna “Future Cult” num álbum de metal misturado com noise, que consegue ser interessante, mas pouco surpreendente dada a repetida utilização de motivos harmónicos e instrumentação. O instrumental “Girl Autopsy”, por sua vez, parece invocar Deafheaven nas ambiências de guitarra com delay e tremolo picking. O disco ao terminar com “In the Flesh” parece retomar a estrutura da maioria dos temas que o precederam, como um breakdown a lembrar Gojira em “Magma”.

Apesar dos aspectos repetitivos a nível de estrutura dos seus temas, a curta duração de “Future Cult” e a forma como foram distribuídos os momentos de tensão e libertação dentro dos próprios temas, faz com que o ouvinte se sinta tentado a ouvir de novo, pois existem bons pormenores ao nível de execução instrumental a serem descobertos (“Galaxy Ripper” é um bom exemplo disto). Desta forma, os The Lions’ Daughter parecem estar ao leme de um barco perdido no meio de um tufão, mas com a perfeita noção de como o devem navegar.

Nota: 7/10

Review por Raúl Avelar