• Facebook
  • Myspace
  • Twitter
  • Google+

Candidata-te

A Metal Imperium encontra-se a recrutar colaboradores para redação de notícias, reviews de álbuns ou entrevistas a bandas.

Quem quiser fazer parte desta equipa poderá candidatar-se contactando-nos por email: metalimperium@gmail.com



Reviews Mais Recentes

Uada - Cult of the Dying Sun


Occultum - In Nomine Rex Inferni


Monolithe - Nebula Septem


Morag Tong - Last Knell of Om


Haunted - Dayburner


Djevel - Blant Svarte Graner


Raw Decimating Brutality - Era Matarruana


Czort - Czarna Ewangelia


Kinetik - Critical Fallout


Dopethrone - Transcanadian Anger


Abhor - Occulta ReligiO


Refuge - Solitary Men


Sevendust - All I See Is War


Black Fast - Spectre of Ruin


Sleep - The Sciences


Tomb Mold - Manor of Infinite Forms


Taphos - Come Ethereal Somberness


Wrath Sins - The Awakening


Judas Priest - Firepower


Bleeding Through - Love Will Kill All


Ihsahn - Àmr


Alkaloid - Liquid Anatomy


Filii Nigrantium Infernalium - "Fellatrix


Amorphis - Queen of Time


Ghost - Prequelle


Angelus Apatrida - Cabaret de la Guillotine


Bleed From Within - Era


Painted Black - Raging Light


Necrobode - Metal Negro da Morte


Pestilence - Hadeon


Tortharry - Sinister Species


Inframonolithium - Mysterium


Somali Yacht Club - The Sea


Dallian - Automata


Total Pageviews

Concertos em Destaque

Tradutor

Entrevistas Mais Recentes



































The Sword vão entrar num hiato

Corte quase fatal no futuro dos The Sword, uma vez que a banda texana anunciou há dias que fará uma pausa, embora tenha lançado ainda em março (...)

Hate Eternal lançam áudio de "Nothingness of Being"

A banda de death metal irá lançar o novo álbum, Upon Desolate Sands, a 26 de outubro através da Season Of Mist. Depois de desvendar (...)

Alterações no alinhamento do Festival Bardoada e Ajcoi

O Festival Bardoada e Ajcoi anunciou a substituição de duas das bandas previamente confirmadas. (...)

Marky Ramone em Portugal no próximo mês

O veterano Marky Ramone tem dois espectáculos marcados para o nosso país, que serão nada mais, nada menos, do que o warm up para o Lisbon Tattoo Rock Fest 2018. (...)

Behemoth lançam nova música "Wolves Ov Siberia"

"Wolves Ov Siberia", o novo vídeo de Behemoth, pode ser visto acima. A música faz parte do próximo álbum da banda, "I Loved You At Your Darkest", (...)

Scar For Life é um projecto fundado em 2008 pelo guitarrista/compositor Alexandre Santos. Em 2009 lançaram o seu homónimo álbum de estreia em que demonstraram qualidade, originalidade e não estarem de forma alguma colados a qualquer sub-género que limitasse a sua liberdade criativa. Agora lançaram o seu 2º álbum intitulado “It All Fades Away”, um trabalho muito bom e mais maduro em que a banda reafirma as suas qualidades. Fiquem a conhecer melhor este projecto pelas palavras do seu mentor, Alexandre Santos.


M.I. - Apresenta os Scar For Life aos visitantes da Metal Imperium que ainda não vos conhecem.

Antes de mais gostaria de agradecer à Metal Imperium pelo interesse demonstrado em Scar For Life.
SFL surgiu em 2008 logo após de ter optado em sair da banda em que tocava na altura (Redstains). Comecei logo de seguida a compor e depois de gravar umas demos, decidi nessa altura procurar vocalista. Rez respondeu ao anúncio e assim que o ouvi fiquei logo entusiasmado. Gravámos o primeiro disco nesse ano, comigo nas guitarras e no baixo, Rez nas vozes e Daniel Cardoso na bateria (como músico de sessão). A partir desse momento, as coisas começaram a surgir naturalmente. Procurámos músicos e tocámos em vários concertos (nomeadamente no Santiago Alquimista, abrimos uma noite para R:A:M:P e demos uma dúzia de 'showcases' acústicos nas Fnac's pelo nosso país fora). Nessa altura, os elementos que integravam SFL não estavam à altura dos objectivos da banda nem da capacidade técnica e neste momento, o lineup está mais forte que nunca. Juntaram-se à banda Sean Rose 'Sales' (Icon & Blackroses) no baixo e Arlindo Cardoso (ex-WAKO) na bateria.


M.I. - Quais estão a ser para já as primeiras reacções aos vossos novos temas?

Por enquanto, até agora ninguém se queixou! As pessoas que têm tido a curiosidade de ouvir SFL pela primeira vez, têm gostado bastante deste disco. As pessoas que já conheciam o disco de estreia já nos disseram que este conseguiu superar qualquer tipo de expectativas… Por enquanto, tem corrido bem e isso têm-nos dado força e confiança para continuar. Há também cada vez mais webzines e grupos dedicados no Facebook que têm apoiado muito a banda e isso tem ajudado a promover o nosso trabalho de uma forma eficaz e o número de fãs tem crescido exponencialmente.


M.I. - Quais são as maiores diferenças que vês entre o vosso novo álbum "It All Fades Away" e o vosso álbum de estreia?

O primeiro disco é sempre especial porque começas a juntar ideias que já tens há algum tempo e não fazes bem a ideia de como será o resultado final. Quando Rez se juntou a SFL, as músicas já estavam praticamente feitas e foi um processo um quanto rápido mas muito produtivo, o que me inspirou logo para começar a compor de novo. Para "It All Fades Away", continuámos a apostar muito na espontaneidade dos temas mas desta vez tentámos fazer músicas mais curtas e mais directas, o que foi um desafio para mim porque sempre achei interessante fazer músicas mais pequenas mas com a mesma intensidade e variedade do que numa grande… e tal como o álbum de estreia, tentámos fazer com que o disco se mantivesse interessante ao longo de várias audições e não igual do princípio ao fim.


M.I. - Quando iniciaste a composição desde novo trabalho, tiveste como objectivo superar o anterior, ou isso não te passou pela cabeça e apenas pensaste fazer um álbum de qualidade onde tudo surgiu naturalmente?

É um processo muito natural como dizes. Quando comecei a compor, já conhecia melhor o Rez a nível técnico e acabei por fazer as músicas mais adequadas para o seu registo. O importante é que cada um de nós se sinta inspirado para se superar a nível técnico ao trabalho anterior. Aprendemos com os erros e só assim é que conseguimos olhar para a frente.


M.I. - A vossa sonoridade têm de facto alguma originalidade e não segue modas ou sub-géneros. Achas que isso é algo que vos poderá destacar entre as outras bandas ou pelo contrários vos poderá dificultar um pouco por não ser fácil de rotular o vosso som?

Não me preocupo rigorosamente nada com os rótulos / modas / sub-géneros e isso tem tornado a integração de SFL numa editora um pouco complicado. O feedback é positivo mas não sabem bem onde colocar a banda. A sonoridade nem é demasiado pesada nem calma… está ali no meio…! Mas também não me vou preocupar muito com isso porque não quero comprometer a composição. Sei que, se SFL tiver a oportunidade de chegar ao grande público, as pessoas vão poder identificar-se com uma ou outra música. A minha prioridade é continuar a compor com a maior sinceridade para comigo, trabalhar para que SFL chegue ao maior número de ouvintes e depois vamos ver no que isto dá. Talvez me possa arriscar dizer que SFL é acima de tudo uma banda de rock / metal e isso está explícito no estilo de cantar, nas alternâncias de ritmo, nos riffs e nos solos…


M.I.- Pensas que com o novo álbum os Scar For Life irão atingir o reconhecimento merecido?
Tem tudo a ver com timing… Eu espero que sim. Temos feito tudo o que temos ao nosso alcance para a concretização de um bom trabalho… mas isso não chega. Há que chegar a promotoras, editoras, rádios, … O trabalho está feito, as opiniões e as críticas deste novo trabalho começam a aparecer. Só cabe ao público dizer se realmente somos merecedores desse reconhecimento ou não. O disco foi feito com paixão e todos nós nos divertimos imenso e ficámos contentes com o resultado.


M.I.- Porque decidiste colocar o single "Never Smile Again" para download gratuito no facebook?

Já tínhamos tocado ao vivo a "Never Smile Again" umas quantas vezes antes de gravarmos em estúdio e as reacções têm sido muito positiva. Perguntaram-nos muitas vezes quando é que iríamos gravar o novo álbum só para poder ouvir essa música! No disco anterior, o nosso primeiro single foi a "My Last Words" que já por si, é uma música calma e queríamos mudar isso neste novo single. Este refrão fica no ouvido, Rez faz um trabalho excelente e a dinâmica / alternância de ritmo também ajuda.


M.I.- O vosso vocalista Rez atingiu a meu ver uma óptima performance neste álbum, superando-se mesmo em relação ao trabalho anterior, concordas? Ter um vocalista que canta muito bem e com uma voz distinta como a dele é uma mais valia para a banda, como é óbvio...

Sem dúvida. Quando Rez se juntou a SFL e gravou o primeiro disco, nenhum de nós se conhecia muito bem e tal como disse, as músicas já estavam feitas. O resultado foi uma surpresa. Para este novo disco abordámos esta questão de uma forma completamente diferente. Para além de nos conhecermos melhor, passei a conhecer as suas capacidades vocais, as músicas foram criadas e pensadas para a voz de Rez. Para além disso, gravámos as vozes num estúdio diferente. Trabalhamos muito bem em conjunto porque eu sinto-me inspirado pela sua capacidade vocal e tento aperfeiçoar a minha composição e vice-versa. Quando Rez ouviu as demos ficou tão entusiasmado que começámos logo a gravar ideias e a discutir os conceitos das letras. As músicas ganharam, sem dúvida, outra dimensão com Rez.


M.I.- És tu que compões toda a parte instrumental dos Scar For Life. O que te inspira para compor?

Não quero que soe a cliché, mas desde um bom livro ou filme, o meu dia-a-dia, relações humanas… tudo! O 'bom' da arte, neste caso, na música, somos livres de criar seja o que for enquanto que no dia-a-dia estamos sujeitos a regras, condutas, o que acaba por ser um quanto "castrador" para exprimirmos o que sentimos. É por isso que gosto de compor músicas em que este sentimentos são verdadeiros e crus, sem ter o problema de ter de fazer um disco num determinado estilo ou esconder-me atrás de conceitos abstractos. Tem tudo a ver com melodia e sentimentos. Basta pensar numa das minhas bandas preferidas como Queen… fizeram de tudo, nunca tiveram a preocupação em fazer um disco "pesado" e logo a seguir outro completamente diferente. É essa liberdade que tenho saudades de ouvir nas bandas hoje em dia.


M.I. - Tanto o novo álbum como o anterior tiveram músicos convidados. Para o novo trabalho convidaste o Tó Pica dos RAMP, o Bruno dos Vertigo Steps e novamente a Sophie dos Understream. Conta-nos o porquê de os teres convidado? Obviamente ficaste satisfeito com o resultado final das duas participações...

Adoro trabalhar com pessoas / músicos diferentes porque dão uma perspectiva diferente à composição. Sei que posso ir para um lado se tiver a Sophie na voz, e sei que posso fazer músicas mais agressivas com os solos técnicos do Pica. Para além de excelentes músicos, são todos nossos amigos e isso obviamente ajuda à festa e o resultado é o que se pode ouvir!



M.I.- Tencionam actuar muito ao vivo para promover o vosso novo longa duração?

Sem dúvida. Estamos neste momento a contactar agências para ver se conseguimos espalhar a nossa música pelo país fora. O 'muito' é relativo. Adoraríamos dar muitos concertos, mas isso já não depende de nós. Estamos preparados para o que der e vier!


M.I.- Quais são as metas que tens traçadas para os Scar For Life no imediato e a médio prazo?

Não parar… Vamos tentar tudo o que estiver ao nosso alcance para promover este novo disco junto dos media com um novo videoclip, com concertos e espero poder voltar à composição para os meados de 2011 e se tudo correr bem, gostaria de voltar ao estúdio no final de 2011. A banda está empenhada e está tudo motivado em fazer que SFL chegue ao maior número de pessoas possível. Obrigado mais uma vez à Metal Imperium… continuação de um bom trabalho… FORÇA AÍ.


O nosso disco encontra-se à venda no iTunes e no Amazon:



--
Entrevista por Mário Rodrigues