• Facebook
  • Myspace
  • Twitter
  • Google+

Candidata-te

A Metal Imperium encontra-se a recrutar colaboradores para redação de notícias, reviews de álbuns ou entrevistas a bandas.

Quem quiser fazer parte desta equipa poderá candidatar-se contactando-nos por email: metalimperium@gmail.com



Reviews Mais Recentes

Uada - Cult of the Dying Sun


Occultum - In Nomine Rex Inferni


Monolithe - Nebula Septem


Morag Tong - Last Knell of Om


Haunted - Dayburner


Djevel - Blant Svarte Graner


Raw Decimating Brutality - Era Matarruana


Czort - Czarna Ewangelia


Kinetik - Critical Fallout


Dopethrone - Transcanadian Anger


Abhor - Occulta ReligiO


Refuge - Solitary Men


Sevendust - All I See Is War


Black Fast - Spectre of Ruin


Sleep - The Sciences


Tomb Mold - Manor of Infinite Forms


Taphos - Come Ethereal Somberness


Wrath Sins - The Awakening


Judas Priest - Firepower


Bleeding Through - Love Will Kill All


Ihsahn - Àmr


Alkaloid - Liquid Anatomy


Filii Nigrantium Infernalium - "Fellatrix


Amorphis - Queen of Time


Ghost - Prequelle


Angelus Apatrida - Cabaret de la Guillotine


Bleed From Within - Era


Painted Black - Raging Light


Necrobode - Metal Negro da Morte


Pestilence - Hadeon


Tortharry - Sinister Species


Inframonolithium - Mysterium


Somali Yacht Club - The Sea


Dallian - Automata


Concertos em Destaque

Tradutor

Entrevistas Mais Recentes



































The Sword vão entrar num hiato

Corte quase fatal no futuro dos The Sword, uma vez que a banda texana anunciou há dias que fará uma pausa, embora tenha lançado ainda em março (...)

Hate Eternal lançam áudio de "Nothingness of Being"

A banda de death metal irá lançar o novo álbum, Upon Desolate Sands, a 26 de outubro através da Season Of Mist. Depois de desvendar (...)

Alterações no alinhamento do Festival Bardoada e Ajcoi

O Festival Bardoada e Ajcoi anunciou a substituição de duas das bandas previamente confirmadas. (...)

Marky Ramone em Portugal no próximo mês

O veterano Marky Ramone tem dois espectáculos marcados para o nosso país, que serão nada mais, nada menos, do que o warm up para o Lisbon Tattoo Rock Fest 2018. (...)

Behemoth lançam nova música "Wolves Ov Siberia"

"Wolves Ov Siberia", o novo vídeo de Behemoth, pode ser visto acima. A música faz parte do próximo álbum da banda, "I Loved You At Your Darkest", (...)


Segundo concerto da tour arrancada na Segunda-Feira, dia 7 no Hard Club (Porto), com o TMN Ao Vivo como palco escolhido para o espectáculo que ia invadir a capital por parte dos Enter Shikari e os seus companheiros de tour, Cancer Bats. 


O antigo Armazém F, como era conhecida a sala, estava um pouco longe de encher quando os Cancer Bats iniciaram um concerto, que mexeu com os presentes de forma bastante positiva. De início, a ideia de que a banda de Toronto não era muito conhecida entre o público ficou no ar, mas rapidamente desapareceu quando ao longo da actuação, constatava-se que o público, apesar de ligeiramente escasso, estava a reagir muito bem ao Post-Hardcore praticado por estes canadianos. Foram cerca de 45 minutos de concerto, com momentos de boa disposição como a tentativa de Liam Cormier de falar português além do “Boa noite”, do “Obrigado” e do “Tudo bem?”. A actuação do colectivo esteve longe de desapontar, e o som estava aceitável para aquilo que se podia exigir. Assim se aqueceu bem uma plateia que se ia compondo aos poucos, deixando na segunda visita a Lisboa na sua carreira, uma boa impressão. Tudo estava pronto para a entrada da principal atracção da noite.

Se os Cancer Bats tinham deixado uma boa imagem, então nos primeiros segundos de “Meltdown” após a introdução “System”, deu para perceber bem o impacto que a entrada dos Enter Shikari teve. Traduz-se este impacto por uma festa total na plateia, com um circle pit que esteve bem presente. Movimento nunca faltou nesta hora e um quarto. O que também não faltou foi boa disposição, que tocou a todos, especialmente à própria banda. Roughton Reynolds estava mesmo em forma, pois não falhou em nada, actuando de forma irrepreensível e digna de bons elogios. Revelando-se um homem ocupado (afinal, andar ‘dali para aqui’ entre o seu equipamento e o público, para quem se dirigiu o máximo que podia, não é uma tarefa fácil), também se revelou um homem com uma boa disposição invejável. Sem parar um segundo que seja, arrancou tudo de bom que se podia esperar do público, como se comprovou em imensos momentos, sendo um deles “Return To Energiser”, que contou com o refrão cantado a pulmões cheios pelo público. As reacções ao álbum mais recente – “A Flash Flood Of Colour”-  foram de facto, excelentes; esta observação comprova-se com a entrega do público a músicas que em pouco tempo tornaram-se hinos da banda – “Destabilize” e “Warm Smiles Do Not Make You Welcome Here”. “Arguing With Thermometers” também foi uma malha “das novas” que teve um efeito ao vivo que se revela ainda melhor do que em estúdio. Com um concerto sublinhado pela sua energia, e aproveitando-se do facto do TMN Ao Vivo não ter grades nem nada que separe o palco do público, o stage diving foi uma característica bem presente, e a banda não se importou de maneira nenhuma com isso, sendo que era algo que até arrancava grandes sorrisos ao baixista Chris Batten, que se revelou mesmo muito satisfeito com a visita à capital. O tempo passava a correr, e com isso, pareceu que “Mothership” chegou mais depressa do que o esperado. Na verdade, já lá iam doze músicas, e com esta música se despediram. Após o “we want more!” que a plateia gritava, os Enter Shikari voltaram num registo mais suave e “Constellations” revelou-se um dos momentos da noite. A seguir, “Pack Of Thieves” despertou os fãs com um refrão que se destaca (e de que maneira!) de tão catchy que é.  Mas a ideia de que faltava alguma coisa mantinha-se, e a banda também sabia disso. Em resposta a essa lacuna, explodiu “Zzzonked” que marcou a despedida da banda do público, um grande sorriso na cara de todos, e um concerto para recordar. Em suma, foi um concerto onde a música não teve limites, e onde foi possível usufruir ao máximo dessa arte sem rótulos. E assim, as coisas tornam-se mais fascinantes, sendo que os Enter Shikari comprovam aqui o que dizem: “Abusing music's worthless genre boundaries since 2003”.



Texto por Diogo Marques
Fotografias por João Cavaco
Agradecimentos: Everyting Is New