• Facebook
  • Myspace
  • Twitter
  • Google+

Candidata-te

A Metal Imperium encontra-se a recrutar colaboradores para redação de notícias, reviews de álbuns ou entrevistas a bandas.

Quem quiser fazer parte desta equipa poderá candidatar-se contactando-nos por email: metalimperium@gmail.com



Reviews Mais Recentes

Uada - Cult of the Dying Sun


Occultum - In Nomine Rex Inferni


Monolithe - Nebula Septem


Morag Tong - Last Knell of Om


Haunted - Dayburner


Djevel - Blant Svarte Graner


Raw Decimating Brutality - Era Matarruana


Czort - Czarna Ewangelia


Kinetik - Critical Fallout


Dopethrone - Transcanadian Anger


Abhor - Occulta ReligiO


Refuge - Solitary Men


Sevendust - All I See Is War


Black Fast - Spectre of Ruin


Sleep - The Sciences


Tomb Mold - Manor of Infinite Forms


Taphos - Come Ethereal Somberness


Wrath Sins - The Awakening


Judas Priest - Firepower


Bleeding Through - Love Will Kill All


Ihsahn - Àmr


Alkaloid - Liquid Anatomy


Filii Nigrantium Infernalium - "Fellatrix


Amorphis - Queen of Time


Ghost - Prequelle


Angelus Apatrida - Cabaret de la Guillotine


Bleed From Within - Era


Painted Black - Raging Light


Necrobode - Metal Negro da Morte


Pestilence - Hadeon


Tortharry - Sinister Species


Inframonolithium - Mysterium


Somali Yacht Club - The Sea


Dallian - Automata


Concertos em Destaque

Tradutor

Entrevistas Mais Recentes



































Alcest revelam detalhes sobre novo álbum

Depois de um longo e intenso período de trabalho no Drudenhaus Studio, os Alcest anunciaram o término das gravações do seu sexto registo. (...)

Korn lançam novo álbum em setembro e divulgam novo single

Os Korn preparam-se para lançar o seu novo álbum, "The Nothing", no dia 13 de setembro, através da Roadrunner/Elektra

Killswitch Engage lançam novo single

Os Killswitch Engage continuam a antecipar o seu novo álbum. Para o efeito, a banda divulgou agora o primeiro single do mesmo, "Unleashed", que pode ser ouvido (...)

Testament - Novo álbum será lançado no princípio do próximo ano

O vocalista Chuck Billy e o guitarrista Eric Peterson revelaram há dias, no festival francês Hellfest, que gravaram todas as faixas para o próximo álbum (...)

Possessed, Burn Damage @ RCA Club, Lisboa – 18Jun2019

Quando eu era um jovem apreciador de metal, nos finais da década de 80, Portugal era um deserto no que toca a concertos de sons mais pesados, e quando havia algum, por exemplo no mítico Pavilhão do Dramático de Cascais, (...)


As subsidiárias da Pure Steel Records são mais que muitas, o que garante uma boa abrangência dentro do espectro do heavy metal tradicional. Uma dessas subsidiárias é a Pure Rock Records, embora, verdade seja dita, este projecto levado a cabo encaixaria melhor na Pure Prog Records. E porquê? Porque este álbum dos Starquake, projecto criado pelo compositor e multi-instrumentalista Mikey Wenzel (que, segundo o press-release, tem muita experiência embora o mesmo omita precisamente em que bandas essa experiência foi adquirida), começa logo com um grande esplendor progressivo da década de setenta com a “Scenes From A Revolution”. Nomes mais antigos como Yes (sem a exuberância majestosa dos britânicos), Deep Purple e Uriah Heep da década de setenta, Marillion da década de oitenta e outros mais recentes como Spock’s Beard vêem-nos à mente.

O som é sem dúvida fruto de outra época, e os nomes atrás evocados são apenas referências para as épocas e o tipo de som que evocam, porque também existem alguns apontamentos mais heavy metal, próprios da tão chamada NWOBHM, como os solos de extrema inspiração do épico de vinte e um minutos “Rise And Fall”, sem dúvida o grande atractivo deste trabalho. Apesar da qualidade óbvia de certas faixas, não deixa de ficar a sensação de que como álbum este é um trabalho que sofre pela sua excessiva duração. Não que não gostemos de álbuns com mais de setenta minutos, mas quando tal duração faz com que a apreciação do álbum em si sofra, seria melhor deixar algumas faixas de fora, nomeadamente aquelas após o mencionado épico, que nos surge à quarta faixa.

Variado, intenso, longo e com um certo sabor vintage que hoje em dia é muito apreciado, “Times That Matter” é um álbum mais indicado a fãs de música progressiva, principalmente aquela que foi feita na década de setenta e parte da década de oitenta, do que propriamente para os que apreciam rock puro e duro. É um álbum desequilibrado no alinhamento. Depois da “Rise And Fall” fica-se apenas com vontade de ouvir vezes em conta essa faixa, e tudo o resto nos parece filler. De qualquer forma, este trabalho demonstra um enorme talento e se for para continuar, estes Starquake vão nos surpreender ainda mais no futuro.


Nota: 7/10

Review por Fernando Ferreira