• Facebook
  • Myspace
  • Twitter
  • Google+

Candidata-te

A Metal Imperium encontra-se a recrutar colaboradores para redação de notícias, reviews de álbuns ou entrevistas a bandas.

Quem quiser fazer parte desta equipa poderá candidatar-se contactando-nos por email: metalimperium@gmail.com



Reviews Mais Recentes

Uada - Cult of the Dying Sun


Occultum - In Nomine Rex Inferni


Monolithe - Nebula Septem


Morag Tong - Last Knell of Om


Haunted - Dayburner


Djevel - Blant Svarte Graner


Raw Decimating Brutality - Era Matarruana


Czort - Czarna Ewangelia


Kinetik - Critical Fallout


Dopethrone - Transcanadian Anger


Abhor - Occulta ReligiO


Refuge - Solitary Men


Sevendust - All I See Is War


Black Fast - Spectre of Ruin


Sleep - The Sciences


Tomb Mold - Manor of Infinite Forms


Taphos - Come Ethereal Somberness


Wrath Sins - The Awakening


Judas Priest - Firepower


Bleeding Through - Love Will Kill All


Ihsahn - Àmr


Alkaloid - Liquid Anatomy


Filii Nigrantium Infernalium - "Fellatrix


Amorphis - Queen of Time


Ghost - Prequelle


Angelus Apatrida - Cabaret de la Guillotine


Bleed From Within - Era


Painted Black - Raging Light


Necrobode - Metal Negro da Morte


Pestilence - Hadeon


Tortharry - Sinister Species


Inframonolithium - Mysterium


Somali Yacht Club - The Sea


Dallian - Automata


Concertos em Destaque

Tradutor

Entrevistas Mais Recentes



































Alcest revelam detalhes sobre novo álbum

Depois de um longo e intenso período de trabalho no Drudenhaus Studio, os Alcest anunciaram o término das gravações do seu sexto registo. (...)

Korn lançam novo álbum em setembro e divulgam novo single

Os Korn preparam-se para lançar o seu novo álbum, "The Nothing", no dia 13 de setembro, através da Roadrunner/Elektra

Killswitch Engage lançam novo single

Os Killswitch Engage continuam a antecipar o seu novo álbum. Para o efeito, a banda divulgou agora o primeiro single do mesmo, "Unleashed", que pode ser ouvido (...)

Testament - Novo álbum será lançado no princípio do próximo ano

O vocalista Chuck Billy e o guitarrista Eric Peterson revelaram há dias, no festival francês Hellfest, que gravaram todas as faixas para o próximo álbum (...)

Possessed, Burn Damage @ RCA Club, Lisboa – 18Jun2019

Quando eu era um jovem apreciador de metal, nos finais da década de 80, Portugal era um deserto no que toca a concertos de sons mais pesados, e quando havia algum, por exemplo no mítico Pavilhão do Dramático de Cascais, (...)


“Boa noite pessoal, nós somos os Sullen”, ecoou pela sala 2 do Hard Club, antes do tema “Broken Path”, mas o vocalista, e guitarrista, César Teixeira, escusava de se apresentar, pois todo o público sabia bem ao que ia: o primeiro concerto dos Sullen, um sexteto surgido com o fim dos Oblique Rain, e que editou no início de 2015 o seu primeiro disco, “Post Human”.

O processo natural de um grupo de Rock ou Metal, passa sempre pela garagem, primeiros concertos, erros, melhores actuações ou piores. Com bandas renascidas ou formadas por músicos já experientes, o processo é diferente e não é invulgar que a estreia em palco se verifique após a edição de um ou mais trabalhos. Será caso raro por Portugal, mas recordo o exemplo recente dos Colosso. A escolha de sala própria e cartaz exclusivo, sem outro nome, foi arriscada, já para não falar na data, pois dois festivais decorriam perto e um outro concerto disputava público naquela noite. Foi assim uma surpresa ver meia sala preenchida para ver o colectivo.

Surpresa, ou não, foi perceber um alinhamento exclusivamente centrado no disco de estreia, sem temas de outros projectos, ou faixas esquecidas na sala de ensaio. Numa noite que se poderia denominar por “Sullen introduces «Post Human»”, os temas não desfilaram na ordem do disco, mas numa escolha mais de acordo com as dinâmicas necessárias à execução: “Devata”, “Exult”, “Redondo Vocábulo”, “Ascend”, “Become”, “Broken Path”, “Place Of Time”, "Placid”, “Tidal”, “Engulf” e “The Mounder”, foram os temas que desfilaram.

A complexidade dos temas conseguiu ser transposta, mas sentiu-se o efeito de ser o primeiro concerto, numa máquina que mostrou precisar de ser oleada, por vezes com os músicos demasiados estáticos, concentrados no espaço, e, no caso de César, a natural prisão de quem tem de cantar, tocar guitarra e ainda mudar esta. Ficou, no entanto, a impressão de um grupo que ainda tem muito para crescer, não pela inexperiência (que não tem), mas porque a dimensão das suas músicas possui material para concertos ainda mais memoráveis. Uma boa estreia, no entanto!


Texto por Emanuel Ferreira
Fotografias por Vânia Matos
Agradecimentos: Sullen