• Facebook
  • Myspace
  • Twitter
  • Google+

Reviews Mais Recentes


Vita Imana - El M4l


Overkill - The Grinding Wheel


Time Lurker - Time Lurker


Warbringer - Woe to the Vanquished



Akercocke - Renaissance in Extremis


Neige et Noirceur - Verglapolis


Process Of Guilt - Black Earth


Dephosphorus - Impossible Orbits


Samsara Blues Experiment - One With the Universe


Æther Realm - Tarot


Psygnosis - Neptune


Schammasch - The Maldoror Chants: Hermaphrodite


Altar of Betelgeuze - Among The Ruins


Nargaroth - Era of Threnody


Condor - Unstoppable Power


Holy Blood - Glory to the Heroes


The Flight of Sleipnir - Skadi


The Obsessed - Sacred


Necroblood - Collapse of the Human Race


Full of Hell - Trumpeting Ecstasy


Funeralium - Of Throes And Blight


Nightbringer - Terra Damnata


The Sarcophagus - Beyond This World's Illusion


Chaos Synopsis - Gods of Chaos


Farsot - Fail.Lure


Unearthly Trance - Stalking the Ghost


Daemon Forest - Dissonant Walk


The Ruins of Beverast - Exuvia


Novembers Doom - Hamartia


Funeral Tears - Beyond The Horizon



Summoner - Beyond the Realm of Light

Metal Imperium - Merchandise

.
Para encomendar, enviar email para: metalimperium@gmail.com

Concertos em Destaque

Tradutor

Entrevistas Mais Recentes



































Queens of the Stone Age confirmados no NOS Alive'18

Os Queens of the Stone Age foram confirmados para a próxima edição do NOS Alive, que vai ocorrer entre os dias 12 e 14 de Julho de 2018(...)

Under The Doom V anuncia um cancelamento e respetiva substituição

O cartaz do Under The Doom V, que vai ocorrer entre os dias 30 de Novembro e 2 de Novembro, acaba de sofrer uma ligeira alteração. Os franceses Funeraliumoi (...)

Corrosion Of Conformity lançam novo álbum em Janeiro

Os americanos Corrosion Of Conformity estão a preparar-se para lançar, a 12 de Janeiro, o seu novo álbum “No Cross No Crown”, pela Nuclear Blast Entertainment. (...)

SWR Barroselas Metalfest revela primeiras confirmações

O festival SWR Barroselas Metalfest anunciou hoje as primeiras confirmações para a edição do próximo ano. O evento, que vai ter lugar de 27 a 29 de Abril(...)

Graveyard em Portugal - Revelada banda de abertura

Como é sabido, os suecos Graveyard vão atuar na sala Lisboa Ao Vivo, já no próximo dia 25 de Novembro. Os portugueses(...)


Os Anthropomorphic Soul estão de volta. Para quem não conhece, este é um projecto nacional levado a cabo por Nuno Lourenço e que tem aqui em "All Hail The Sun Of Nothing", o seu terceiro (!) lançamento em 2015. Se o primeiro álbum, "The Dormant Acrimony", deixou boas indicações, também lhe parecia faltar um pouco de orientação e solidificação (e porque não maturação) de ideias que impediram que esse trabalho tivesse um impacto mais acentuado e duradouro. Já o EP "Back To Death" parecia ser mais esclarecido e mais assumidamente metal - não que tenhamos algum problema com avant-garde. Muito pelo contrário.

Este segundo álbum assume-se como um regresso ao experimentalismo que pautou a estreia, no entanto, parece que existe muito do EP "Back To Death", ou seja, apesar de estar assumidamente mais experimental, também está assúmidamente mais pesado. As "Part 2: Feeling Overwhelmed" e "Part 3: The Astronaut" são dois bons exemplos. Aquilo que há a salientar primeiramente, além do incremento do peso, é sem dúvida a sua ousadia e até um certo sentimento vintage. Muitas vezes ao ouvir algumas das dez músicas parece que se está perante uma mistura entre os Sacred Sin nos primeiros anos com os Thormentor. As guitarras por seu lado remetem-nos para os primeiros álbuns dos Septic Flesh (quando ainda tinha espaço entre as duas letras) e até Bizarra Locomotiva.

Ainda assim existem algumas coisas que parecem não soar exactamente bem, que provocam alguma estranheza ao ouvido (como as vozes limpas na "The Thorns Of Loneliness" ou a bateria na maior parte do álbum), certos arranjos e pormenores de teclados que por vezes, aqui e ali, pecam pelo excesso. De qualquer forma, as fronteiras entre os estilos que a banda se propõe tocar surgem mais diluídos, o que já é um avanço. As músicas na sua grande maioria, soam mais naturais na forma como conjugam todos os seus diferentes elementos. Não é um trabalho propriamente fácil de ouvir mas curiosamente essa é a razão que nos faz voltar a cada nova audição. A grande questão é que... não é desta que o potencial dos Anthropomorphic Soul nos surge explorado por completo, mas estamos no bom caminho, sem dúvida.


Nota: 7.5/10

Review por Fernando Ferreira