• Facebook
  • Myspace
  • Twitter
  • Google+

Candidata-te

A Metal Imperium encontra-se a recrutar colaboradores para redação de notícias, reviews de álbuns ou entrevistas a bandas.

Quem quiser fazer parte desta equipa poderá candidatar-se contactando-nos por email: metalimperium@gmail.com



Reviews Mais Recentes

Uada - Cult of the Dying Sun


Occultum - In Nomine Rex Inferni


Monolithe - Nebula Septem


Morag Tong - Last Knell of Om


Haunted - Dayburner


Djevel - Blant Svarte Graner


Raw Decimating Brutality - Era Matarruana


Czort - Czarna Ewangelia


Kinetik - Critical Fallout


Dopethrone - Transcanadian Anger


Abhor - Occulta ReligiO


Refuge - Solitary Men


Sevendust - All I See Is War


Black Fast - Spectre of Ruin


Sleep - The Sciences


Tomb Mold - Manor of Infinite Forms


Taphos - Come Ethereal Somberness


Wrath Sins - The Awakening


Judas Priest - Firepower


Bleeding Through - Love Will Kill All


Ihsahn - Àmr


Alkaloid - Liquid Anatomy


Filii Nigrantium Infernalium - "Fellatrix


Amorphis - Queen of Time


Ghost - Prequelle


Angelus Apatrida - Cabaret de la Guillotine


Bleed From Within - Era


Painted Black - Raging Light


Necrobode - Metal Negro da Morte


Pestilence - Hadeon


Tortharry - Sinister Species


Inframonolithium - Mysterium


Somali Yacht Club - The Sea


Dallian - Automata


Total Pageviews

Concertos em Destaque

Tradutor

Entrevistas Mais Recentes



































The Sword vão entrar num hiato

Corte quase fatal no futuro dos The Sword, uma vez que a banda texana anunciou há dias que fará uma pausa, embora tenha lançado ainda em março (...)

Hate Eternal lançam áudio de "Nothingness of Being"

A banda de death metal irá lançar o novo álbum, Upon Desolate Sands, a 26 de outubro através da Season Of Mist. Depois de desvendar (...)

Alterações no alinhamento do Festival Bardoada e Ajcoi

O Festival Bardoada e Ajcoi anunciou a substituição de duas das bandas previamente confirmadas. (...)

Marky Ramone em Portugal no próximo mês

O veterano Marky Ramone tem dois espectáculos marcados para o nosso país, que serão nada mais, nada menos, do que o warm up para o Lisbon Tattoo Rock Fest 2018. (...)

Behemoth lançam nova música "Wolves Ov Siberia"

"Wolves Ov Siberia", o novo vídeo de Behemoth, pode ser visto acima. A música faz parte do próximo álbum da banda, "I Loved You At Your Darkest", (...)


Os Anthropomorphic Soul estão de volta. Para quem não conhece, este é um projecto nacional levado a cabo por Nuno Lourenço e que tem aqui em "All Hail The Sun Of Nothing", o seu terceiro (!) lançamento em 2015. Se o primeiro álbum, "The Dormant Acrimony", deixou boas indicações, também lhe parecia faltar um pouco de orientação e solidificação (e porque não maturação) de ideias que impediram que esse trabalho tivesse um impacto mais acentuado e duradouro. Já o EP "Back To Death" parecia ser mais esclarecido e mais assumidamente metal - não que tenhamos algum problema com avant-garde. Muito pelo contrário.

Este segundo álbum assume-se como um regresso ao experimentalismo que pautou a estreia, no entanto, parece que existe muito do EP "Back To Death", ou seja, apesar de estar assumidamente mais experimental, também está assúmidamente mais pesado. As "Part 2: Feeling Overwhelmed" e "Part 3: The Astronaut" são dois bons exemplos. Aquilo que há a salientar primeiramente, além do incremento do peso, é sem dúvida a sua ousadia e até um certo sentimento vintage. Muitas vezes ao ouvir algumas das dez músicas parece que se está perante uma mistura entre os Sacred Sin nos primeiros anos com os Thormentor. As guitarras por seu lado remetem-nos para os primeiros álbuns dos Septic Flesh (quando ainda tinha espaço entre as duas letras) e até Bizarra Locomotiva.

Ainda assim existem algumas coisas que parecem não soar exactamente bem, que provocam alguma estranheza ao ouvido (como as vozes limpas na "The Thorns Of Loneliness" ou a bateria na maior parte do álbum), certos arranjos e pormenores de teclados que por vezes, aqui e ali, pecam pelo excesso. De qualquer forma, as fronteiras entre os estilos que a banda se propõe tocar surgem mais diluídos, o que já é um avanço. As músicas na sua grande maioria, soam mais naturais na forma como conjugam todos os seus diferentes elementos. Não é um trabalho propriamente fácil de ouvir mas curiosamente essa é a razão que nos faz voltar a cada nova audição. A grande questão é que... não é desta que o potencial dos Anthropomorphic Soul nos surge explorado por completo, mas estamos no bom caminho, sem dúvida.


Nota: 7.5/10

Review por Fernando Ferreira