• Facebook
  • Myspace
  • Twitter
  • Google+

Reviews Mais Recentes


Iron Reagan - Crossover


Lich King - Omniclash


Demonic Resurrection - Dashavatar


Black Anvil - As Was


Benighted - Necrobreed


Mechina - As Embers Turn To Dust


Adamantine - Heroes & Villains


Barathrum - Fanatiko


Persefone - Aathma


Blame Zeus - Theory Of Perception


Kreator - Gods Of Violence


Lock Up - Demonization


Obituary - Obituary


H.O.S.T. - Bastard Of The Fallen Thrones


Antropomorphia - Sermon Ov Warth


Fall From Perfection - Metamorph


Pallbearer - Heartless


Mastodon - Emperor Of Sand


wolfheart - Tyhjyys


Sinister - Syncretism


Primal Attack - Heartless Oppressor


Grog - Ablutionary Rituals

Metal Imperium - Merchandise

.
Para encomendar, enviar email para: metalimperium@gmail.com

Concertos em Destaque

Visitantes

Tradutor

Entrevistas Mais Recentes



































Entrevista aos Venom Inc

Os Venom Inc nasceram em meados de 2015 como uma nova banda que reúne toda a força e poder dos seus membros: Tony “Demolition Man” Dolan (baixo/voz) com os membros originais de Venom – Jeff “Mantas” Dunn (guitarra) and Anthony “Abaddon” Bray (bateria). A banda tem estado em tournée(...)

Falecimento do antigo baixista de Celtic Frost

O antigo baixista e membro fundador de Celtic Frost e de Hellhamer Martin Eric Ain, faleceu no passado sábado dia 21 de Outubro, aos 50 anos de idade. A causa da morte foi (...)

Novo álbum de Pestilence em Março

Os Pestilence irão lançar o seu novo álbum "Hadeon", em Março, pela Hammerheart Records. Este trabalho terá treze faixas que combinam as raízes de Pestilence, com a sua (...)

Arch Enemy com novo vídeo "The Race"

Os Arch Enemy acabam de lançar mais um vídeo do seu novo álbum, "Will To Power", que foi lançado no dia 8 de setembro através da Century Media.(...)

Angel Dust estão de volta!

A banda alemã informou através da sua página de Facebook que está de volta e já em estúdio a gravar o seu próximo trabalho. Depois de se terem separado em 2011, (...)


Berço de bandas como os Aspid, os Kauan ou os Arkona, a Rússia é um país que não dá muito ao heavy metal, mas quando dá, fá-lo à séria. Os Evoke Thy Lords são mais um exemplo do “dar pouco, mas bom”. A banda russa tem um som muito característico, carregado de elementos distintivos e este terceiro álbum tem algumas das melhores músicas que a banda já produziu. 

O começo do álbum é auspicioso. “Damn These Deserts” é uma malha que podia jurar a pés juntos já ter ouvido um milhão de vezes noutro álbum, noutra banda ou noutra vida. Os elementos psicadélicos dos russos estão sempre presentes em todas as canções, colocando o ouvinte numa espécie de estado de trance, muito por culpa da flauta de Irina Drebushchak e do baixo de Alexey Kozlov. O resto dos instrumentos são como cobras indianas que dançam hipnotizadas pela flauta que, neste caso, é de Irina. Há uma acalmia e um relaxo quase submissos ao som dos Evoke Thy Lords, algo que torna este álbum em algo bastante transcendente e espacial, mas ao mesmo tempo indelével. 

Este é um daqueles álbuns onde, sem tudo ser perfeito, nada está realmente fora do lugar. A voz áspera de Kozlov está em habitat natural e o feminismo de Irina coabita aqui naturalmente e sem destoar. O ritmo é baixo, o som das guitarras vem de um poço bem fundo e a flauta é dona e senhora durante todo o álbum. Há aqui também um espectro algo celta (flautas?) e até um pouco de mitologia germânica (?), entre cargas e descargas, acelerações e travagens e um destino sempre igual: o psicadelismo. Outras faixas como “Sky is Falling” ou “Time is a Murderer” possuem mais elementos stoner e doom, algo que retira alguma peculiaridade do som dos Evoke Thy Lords. Isto é o mais próximo que a banda se chega do chamado “genérico”, o que acaba por ser bom. 

“Boys! Raise Giant Mushrooms in Your Cellar!” podia ser uma espécie de “Crimson” dos Edge of Sanity, na medida em que o álbum é uma longa música dividida em fatias disformes. Com as suas imperfeições, este é um trabalho que, à primeira vista, passa por simples música ambiente (resulta para descontrair), mas que depressa se torna mais que isso pela sua fusão de elementos e géneros. Nunca é demais referir Irina Debrushchak, qual flautista de Hamelin, que é o maior elemento distintivo da banda. Surpresa ou não, estes russos mostram que com uma ervinha, uma flauta e umas quantas garrafas de vodka se consegue criar algo verdadeiramente novo. Bravo!

Nota: 8.5

Review por Pedro Bento