• Facebook
  • Myspace
  • Twitter
  • Google+

Reviews Mais Recentes


Vita Imana - El M4l


Overkill - The Grinding Wheel


Time Lurker - Time Lurker


Warbringer - Woe to the Vanquished



Akercocke - Renaissance in Extremis


Neige et Noirceur - Verglapolis


Process Of Guilt - Black Earth


Dephosphorus - Impossible Orbits


Samsara Blues Experiment - One With the Universe


Æther Realm - Tarot


Psygnosis - Neptune


Schammasch - The Maldoror Chants: Hermaphrodite


Altar of Betelgeuze - Among The Ruins


Nargaroth - Era of Threnody


Condor - Unstoppable Power


Holy Blood - Glory to the Heroes


The Flight of Sleipnir - Skadi


The Obsessed - Sacred


Necroblood - Collapse of the Human Race


Full of Hell - Trumpeting Ecstasy


Funeralium - Of Throes And Blight


Nightbringer - Terra Damnata


The Sarcophagus - Beyond This World's Illusion


Chaos Synopsis - Gods of Chaos


Farsot - Fail.Lure


Unearthly Trance - Stalking the Ghost


Daemon Forest - Dissonant Walk


The Ruins of Beverast - Exuvia


Novembers Doom - Hamartia


Funeral Tears - Beyond The Horizon



Summoner - Beyond the Realm of Light

Metal Imperium - Merchandise

.
Para encomendar, enviar email para: metalimperium@gmail.com

Concertos em Destaque

Tradutor

Entrevistas Mais Recentes



































Queens of the Stone Age confirmados no NOS Alive'18

Os Queens of the Stone Age foram confirmados para a próxima edição do NOS Alive, que vai ocorrer entre os dias 12 e 14 de Julho de 2018(...)

Under The Doom V anuncia um cancelamento e respetiva substituição

O cartaz do Under The Doom V, que vai ocorrer entre os dias 30 de Novembro e 2 de Novembro, acaba de sofrer uma ligeira alteração. Os franceses Funeraliumoi (...)

Corrosion Of Conformity lançam novo álbum em Janeiro

Os americanos Corrosion Of Conformity estão a preparar-se para lançar, a 12 de Janeiro, o seu novo álbum “No Cross No Crown”, pela Nuclear Blast Entertainment. (...)

SWR Barroselas Metalfest revela primeiras confirmações

O festival SWR Barroselas Metalfest anunciou hoje as primeiras confirmações para a edição do próximo ano. O evento, que vai ter lugar de 27 a 29 de Abril(...)

Graveyard em Portugal - Revelada banda de abertura

Como é sabido, os suecos Graveyard vão atuar na sala Lisboa Ao Vivo, já no próximo dia 25 de Novembro. Os portugueses(...)


Os turcos She Past Away têm vindo a alcançar fãs portugueses de dia para dia. Em 2014, estrearam-se em território nacional no festival Entremuralhas, em Leiria. Um ano depois, brindam o nosso país com dois espetáculos: no Hard Club, no Porto, e no Sabotage Club, em Lisboa. É deste último que vimos falar. 

A primeira parte da noite esteve a cargo dos nacionais Wildnorthe, compostos por Sara Inglês e Pedro Ferreira, e que contam com três anos de existência. Têm dois EPs lançados: um homónimo, editado em 2014, e o recente “AWE”, lançado no presente ano. É bastante compreensível que os Wildnorthe tenham sido escolhidos para iniciar o espetáculo. Embora com um estilo musical mais ambiental e minimalista que os turcos, a verdade é que a sua tonalidade sombria era o mote para criar ambiente numa das noites mais aguardadas pelos lisboetas amantes do post-punk e darkwave. O duo foi competente ao longo da atuação; porém, não conseguiu alcançar o feedback merecido. O Sabotage Club prima por ser um espaço intimista, onde músicos e espectadores estão frente a frente. Infelizmente, foram mais as ocasiões em que se ouviram risos e conversas entre o público, do que propriamente o belo contraste das vozes de Sara e Pedro. Contudo, houve quem se conseguisse abstrair e desfrutar do concerto. Ficou o desejo de os ouvir noutro contexto, pois revelaram-se um projeto promissor. 

Já pela meia-noite, e com esta atuação terminada, o espaço tornava-se cada vez mais pequeno para um público cada vez mais farto. De referir que a data já se encontrava com lotação esgotada há alguns dias, mesmo tendo em conta que os turcos também visitariam o norte do país. Ficou a clara sensação de que, da próxima vez que visitarem a capital, haverá corrida para garantir um bilhete!

A entrada dos She Past Away foi marcada pela humildade que lhes é característica. Sem quaisquer preciosismos, Volkan Caner e Doruk Ozturkcan sobem ao palco, certificam-se que o som está em condições e iniciam com “İçe kapanış (intro)”, do segundo álbum da banda, “Narin Yalnızlı”, lançado em 2015. A partir do segundo tema, “Belirdi Gece”, do primeiro registo dos turcos (com o mesmo nome), o público rende-se completamente. Uma multidão de negro a dançar fervorosamente (num espaço que parecia cada vez mais diminuto), por entre rendas, botas de biqueira de aço e cartolas, parecia uma tarefa difícil - mas os lisboetas concretizaram-na na perfeição. 

Os músicos agradeceram várias vezes a presença do público (ainda para mais “numa terça-feira”, tendo referido Doruk). É certo que o inglês custa-lhes um pouco a sair, mas vistas as coisas...não é que tenha feito qualquer diferença. E é interessante ver o quão nos diz a música destes turcos, cantada na sua língua mãe, quando grande parte do seu público não tem qualquer conhecimento da mesma. A boa música tem muito para além das letras, e os She Past Away são a prova disso. 

É difícil dizer que a banda escolheu as músicas mais emblemáticas, pois todas elas seriam aplaudidas com entusiasmo. Mas o público reagiu com particularidade aos temas do primeiro registo, destacando “Ritüel”, “Ruh” e “Bozbulanık”.

No fim da noite, era notória a cumplicidade entre os músicos e o público, que chegaram a brindar com cerveja. Após o primeiro encore, os fãs não se queriam despedir e pediram por mais. Felizmente, os turcos acederam ao pedido e iniciaram um segundo encore. Doruk questionou se havia algum tema que o público preferisse, e “Ruh” foi novamente tocado, a pedido da primeira fila. A atuação termina com dois fãs a abraçarem os músicos, e muitos sorrisos à mistura. 

Uma noite que, esperemos, se volte a repetir brevemente. 

Texto por Sara Delgado
Agradecimentos: A Comissão