• Facebook
  • Myspace
  • Twitter
  • Google+

Reviews Mais Recentes


Iron Reagan - Crossover


Lich King - Omniclash


Demonic Resurrection - Dashavatar


Black Anvil - As Was


Benighted - Necrobreed


Mechina - As Embers Turn To Dust


Adamantine - Heroes & Villains


Barathrum - Fanatiko


Persefone - Aathma


Blame Zeus - Theory Of Perception


Kreator - Gods Of Violence


Lock Up - Demonization


Obituary - Obituary


H.O.S.T. - Bastard Of The Fallen Thrones


Antropomorphia - Sermon Ov Warth


Fall From Perfection - Metamorph


Pallbearer - Heartless


Mastodon - Emperor Of Sand


wolfheart - Tyhjyys


Sinister - Syncretism


Primal Attack - Heartless Oppressor


Grog - Ablutionary Rituals

Metal Imperium - Merchandise

.
Para encomendar, enviar email para: metalimperium@gmail.com

Concertos em Destaque

Visitantes

Tradutor

Entrevistas Mais Recentes



































Entrevista aos Venom Inc

Os Venom Inc nasceram em meados de 2015 como uma nova banda que reúne toda a força e poder dos seus membros: Tony “Demolition Man” Dolan (baixo/voz) com os membros originais de Venom – Jeff “Mantas” Dunn (guitarra) and Anthony “Abaddon” Bray (bateria). A banda tem estado em tournée(...)

Falecimento do antigo baixista de Celtic Frost

O antigo baixista e membro fundador de Celtic Frost e de Hellhamer Martin Eric Ain, faleceu no passado sábado dia 21 de Outubro, aos 50 anos de idade. A causa da morte foi (...)

Novo álbum de Pestilence em Março

Os Pestilence irão lançar o seu novo álbum "Hadeon", em Março, pela Hammerheart Records. Este trabalho terá treze faixas que combinam as raízes de Pestilence, com a sua (...)

Arch Enemy com novo vídeo "The Race"

Os Arch Enemy acabam de lançar mais um vídeo do seu novo álbum, "Will To Power", que foi lançado no dia 8 de setembro através da Century Media.(...)

Angel Dust estão de volta!

A banda alemã informou através da sua página de Facebook que está de volta e já em estúdio a gravar o seu próximo trabalho. Depois de se terem separado em 2011, (...)


Os conimbricenses Destroyers Of All chamaram atenção com o seu EP “Into The Fire”, lançado já em 2013 (o tempo voa), revelando uma banda que apesar de assentar o seu som no thrash bruto, tinha apetência para ir muito mais longe. É certo que nesse dito EP, essa vontade não se materializou de uma forma totalmente madura, mas o potencial (mais que muito e inegável) estava lá. Agora, três anos depois e depois de alguma expectativa, eis que surge o álbum de estreia, “Bleak Fragments”.

A primeira coisa a assinalar é que a produção está fortíssima. A intro “From Ashes Reborn” abre este álbum com um sabor clássico e old school que é muitíssimo bem apreciado. O tema que se segue e o primeiro a sério, “Hoolow Words” surge com uma variedade surpreendente. Aquilo que dissemos (e sentimos) quando analisámos “Into The Fire”, é algo palpável: Os Destroyers Of All evoluíram para muito além do simples death/thrash moderno e poderoso. A banda demonstra uma apetência para arranjos mais ricos e diversos, não tendo receio de entrar nos domínios do sinfónico e do progressivo.

E este é o momento em que o leitor fica (potencialmente) confundido. “Então mas os gajos agora são sinfónicoprogressivos?”

Não, apenas dotaram a sua música de uma maior riqueza a nível de arranjos, o que faz com que os temas possam ter uma maior longevidade. Potencialmente. Qual o grande risco aqui? É que as músicas tentem ir a todo o lado e acabem por não chegar a lado nenhum. Felizmente não é o que acontece aqui, de todo. Além desta diversidade de influências (ouçam a “Speed Of Mind” para perceberem o que se quer dizer com isto), do conceito lírico rico, a banda de Coimbra ainda nos apresenta verdadeiras malhas às quais é impossível de ficar indiferente – “Death Healer” é um malhão a destacar aqui ou em qualquer outro lado.

Sendo assim, este primeiro álbum, ao contrário do EP não promete nada para um futuro hipotético. A banda mostra ainda capacidade de evolução (mal seria se ao primeiro álbum desse indicação de que o seu caminho teria chegado ao final) mas evidencia agora que não temos mais que esperar por um segundo álbum para sabermos que são um dos grandes (e novos) valores nacionais.


Nota: 9/10


Review por Fernando Fereira