• Facebook
  • Myspace
  • Twitter
  • Google+

Reviews Mais Recentes


Rasgo - Ecos da Selva Urbana


Terror Empire - Obscurity Rising


Painted Black - Raging Light


Wolves in the Throne Room - Thrice Woven


Celeste - Infidèle(s)


Moonspell - 1755


Battle Dagorath - II - Frozen Light of Eternal Darkness


Kalmankantaja - Routamaa


Archspire - Relentless Mutation


Tod Huetet Uebel - N.A.D.A


Benthik Zone - Via Cosmicam ad Europam ab Gelid Inferis


Acherontas - Amarta अमर्त (Formulas of Reptilian Unification Part II)


Progenie Terrestre Pura - oltreLuna


Vita Imana - El M4l


Overkill - The Grinding Wheel


Time Lurker - Time Lurker


Warbringer - Woe to the Vanquished



Akercocke - Renaissance in Extremis


Neige et Noirceur - Verglapolis


Concertos em Destaque

Tradutor

Entrevistas Mais Recentes



































System of a Down têm músicas novas

Afinal não há nenhum problema com os System of a Down. É Serj Tankian quem o afirma, numa entrevista recente concedida à Rolling Stone. Na verdade a banda tem músicas novas, (...)

Simbiose, Alien Squad, Dokuga atuam no Porto em fevereiro

Os nacionais Simbiose, Alien Squad e Dokuga vão tocar no Metalpoint (Porto), no dia 3 de fevereiro do próximo ano.(...)

Hourswill apresentam novo álbum na companhia dos Inner Blast, The Chapter e Scarmind

Os Hourswill apresentam ao vivo o seu mais recente álbum, "Harm Full Embrace", dia 13 de janeiro, no RCA Club em Lisboa.(...)

Kamelot lançam novo vídeo e revelam novidades para 2018

Os Kamelot disponibilizaram o novo vídeo do tema "Under Grey Skies", que conta com a participação da vocalista dos Delain, Charlotte Wessels.(...)

Graveyard a gravar novo álbum

Os suecos Graveyard encontram-se nos Park Studios, em Estocolmo, a gravar o seu próximo álbum de estúdio, sucessor de "Innocence and Decadence", lançado no ano 2015. (...)


O início de "Parades" poderá assustar os desprevenidos. Para esses só podemos dizer - tarde mais é certo - não, não é o regresso dos Animals com a versão da música que mais lhes deu fama, "The House Of The Rising Sun", embora tal possamos jurar apenas por esses breves segundos. E se no início parecia uma coisa, lá mais para o fim e muito graças à guitarra cheia de reverb, já parece outra, neste caso, os Shadows. É com este instrumental que o álbum de regresso dos Herms, após dez anos de ausência se inicia, um álbum que promete trocar as voltas aos que já não estão habituados ao seu som.

Isto porquê? A seguir à tal intro tão díspar, temos logo "Ready/Set '94" que traz bem mais barulho, distorção e sujidade, mas não esquecendo a condição de fazer soar como se estivessemos na década de sessenta. Esta característica é aquela que mais podemos encontrar ao longo deste trabalho, apesar de todas as (muitas dinâmicas) que encontramos aqui. Isto é mais visível numas faixas (como a "General Jack" que poderia muito bem ter sido escrita por uns The Beatles, se tivessem começado uns anos mais tarde e a usar já no início de carreira as drogas que começaram a usar mais no final), que outras ("Cold Residence", uma espécie de Frank Zappa ainda mais alucinado e muito mais monocórdico.

Já estão a ver o caminho para onde esta análise vai dar não estão? Para lado nenhum, porque os Herms trocam-nos as voltas, pelo que se não é possível analisá-los ao pormenor (isto para chegar a alguma conclusão) teremos que nos afastar um pouco e ser um pouco mais genéricos. Podemos encontrar aqui uma mistura de eras. Como se a década de sessenta e todo o seu psicadelismo se fundissem com o a esquisitice que o new wave, ou pós-punk produziu, sem esquer mesmo uma costela aqui e ali punk, um experimentalismo de garage rock em forma de surf music - principalmente pelos tiques da guitarra.

Resumindo, passa-se aqui muita coisa estranha que o pessoal do metal simplesmente não terá paciência ("Sounds Below" e "Veloxer" são apenas mais dois exemplos) e que mesmo que tenha paciência para ouvir, não terá a energia para o ouvir frequentemente. Interessante como são conjugadas uma série de estilos diferentes, mais interessante que as músicas em si, e quando assim é... está tudo dito.


Nota: 5/10

Review por Fernando Ferreira