• Facebook
  • Myspace
  • Twitter
  • Google+

Reviews Mais Recentes


Rasgo - Ecos da Selva Urbana


Terror Empire - Obscurity Rising


Painted Black - Raging Light


Wolves in the Throne Room - Thrice Woven


Celeste - Infidèle(s)


Moonspell - 1755


Battle Dagorath - II - Frozen Light of Eternal Darkness


Kalmankantaja - Routamaa


Archspire - Relentless Mutation


Tod Huetet Uebel - N.A.D.A


Benthik Zone - Via Cosmicam ad Europam ab Gelid Inferis


Acherontas - Amarta अमर्त (Formulas of Reptilian Unification Part II)


Progenie Terrestre Pura - oltreLuna


Vita Imana - El M4l


Overkill - The Grinding Wheel


Time Lurker - Time Lurker


Warbringer - Woe to the Vanquished



Akercocke - Renaissance in Extremis


Neige et Noirceur - Verglapolis


Concertos em Destaque

Tradutor

Entrevistas Mais Recentes



































System of a Down têm músicas novas

Afinal não há nenhum problema com os System of a Down. É Serj Tankian quem o afirma, numa entrevista recente concedida à Rolling Stone. Na verdade a banda tem músicas novas, (...)

Simbiose, Alien Squad, Dokuga atuam no Porto em fevereiro

Os nacionais Simbiose, Alien Squad e Dokuga vão tocar no Metalpoint (Porto), no dia 3 de fevereiro do próximo ano.(...)

Hourswill apresentam novo álbum na companhia dos Inner Blast, The Chapter e Scarmind

Os Hourswill apresentam ao vivo o seu mais recente álbum, "Harm Full Embrace", dia 13 de janeiro, no RCA Club em Lisboa.(...)

Kamelot lançam novo vídeo e revelam novidades para 2018

Os Kamelot disponibilizaram o novo vídeo do tema "Under Grey Skies", que conta com a participação da vocalista dos Delain, Charlotte Wessels.(...)

Graveyard a gravar novo álbum

Os suecos Graveyard encontram-se nos Park Studios, em Estocolmo, a gravar o seu próximo álbum de estúdio, sucessor de "Innocence and Decadence", lançado no ano 2015. (...)


Não só a Frontiers pega nos nomes clássicos do hard rock que nos são conhecidos como naqueles que não são imediatos. É o caso dos Treat, banda sueca de hard rock que teve algum sucesso na segunda metade da década de oitenta e que sucumbiu no início da década de seguinte, tal como muitas bandas do género, vítimas da mudança de moda. Entretanto a banda já teve três regressos, sendo o primeiro em 2006, que durou até 2011, onde editaram um dos seus melhores trabalhos, “Coup De Grace”; o segundo foi em 2013/2014 apenas para alguns concertos e no ano passado, a terceira vinda, cujo resultado é precisamente este “Ghost Of Graceland”, já o sétimo álbum de originais.

E é um bom resultado. Excelente mesmo. Com um som bem poderoso e grave, a banda não nos apresenta um hard rock requentado e próprio de outrora. O temo título que abre o álbum é um bom exemplo de como se consegue juntar melodia e um bom (e pesado) groove roqueiro, e não é caso isolado. “Better The Devil You Knoe” e “Non Stop Madness” e “Too Late To Die Young” são outras grandes malhas, num conjunto de temas onde malhas efectivamente não é coisa que falte e, claro, as belas das baladas de fazer encher alguidares de lágrimas e algum azeite.

Já vimos muitos exemplos de bandas que a Frontiers foi repescar e algumas, independentemente da qualidade que tenham, acabam sempre por tentar ir buscar aquele espírito da década de oitenta que nem sempre faz sentido nos dias de hoje. Aquilo que há que louvar neste “Ghost Of Graceland” é que a banda lança um conjunto de temas que é fiel ao hard rock e mesmo assim insere-se bem nos dias de hoje – para ser moderno não é preciso usar scratchs, batidas ou arraçados de rap e hip-hop, por muito difícil que possa parecer fazer crer. Um excelente álbum de hard rock.

Nota: 8.4/10

Review por Fernando Ferreira