• Facebook
  • Myspace
  • Twitter
  • Google+

Total Pageviews

Reviews Mais Recentes


Amorphis - Queen of Time


Ghost - Prequelle


Angelus Apatrida - Cabaret de la Guillotine


Bleed From Within - Era


Painted Black - Raging Light


Necrobode - Metal Negro da Morte


Pestilence - Hadeon


Tortharry - Sinister Species


Inframonolithium - Mysterium


Somali Yacht Club - The Sea


Dallian - Automata


Candidata-te

A Metal Imperium encontra-se a recrutar colaboradores para redação de notícias, reviews de álbuns ou entrevistas a bandas.

Quem quiser fazer parte desta equipa poderá candidatar-se contactando-nos por email: metalimperium@gmail.com



Concertos em Destaque

Tradutor

Entrevistas Mais Recentes



































Ghost estreiam duas novas músicas ao vivo

Os Ghost fizeram um inicio "oficioso" da sua próxima digressão mundial no "The Roxy", em Hollywood, Los Angeles, e presentearam os fãs que(...)

Roy Khan confessa que sair dos Kamelot foi a "melhor decisão" que alguma vez tomou

Roy Sætre Khantatat, conhecido como Roy Khan, ou mais conhecido como o antigo vocalista dos Kamelot, falou à italiana SpazioRock (...)

Epica lançam vídeo para “Universal Love Squad”

Os holandeses lançaram recentemente o vídeo para a canção “Universal Love Squad”, sendo possível visualizar o mesmo (...)

Morbid Angel disponibilizam novo vídeo

A banda de death metal Morbid Angel divulgou recentemente um novo vídeo para o tema "Garden Of Disdain", pertencente ao mais recente álbum, "Kingdoms Disdained". (...)

Alice In Chains lançam vídeo para novo single

"The One You Know" é o novo single dos Alice In Chains, que pode ser ouvido no vídeo acima. A faixa faz parte do próximo álbum da banda, (...)


Se o profissionalismo se medir apenas pela resiliência e capacidade de se adaptar face às adversidades, então os Baroness são a banda mais profissional do mundo.

Em vésperas de actuar mais uma vez em Portugal, os norte-americanos viram o seu baterista, Sebastian Thomson, abandonar a digressão e regressar de urgência a casa para tratar de imponderáveis de força maior. Perante tal facto, e quando muitos outros o teriam substituído por um roadie ou alguém talvez menos qualificado, ou simplesmente cancelado a data no cantinho à beira mar plantado, John Baizley deixou o mundo saber do que se passava e anunciou que Lisboa iria receber um concerto dos Baroness transformados em trio semi-acústico, sem apoio da sua secção rítmica.

Perante tal facto, foi com muita curiosidade que a fila junto à porta do Lisboa ao Vivo ia debatendo a novidade. Estariam os Baroness a apostar alto demais? Seria possível retratar em palco faixas tão pesadas e intricadas musicalmente com o auxílio de pouca electricidade? Como seriam “vestidas” as músicas perante tal alteração?

Perante uma sala bem composta, e com o palco encimado por um pano de grandes dimensões com o símbolo da banda, os Process of Guilt subiram à hora marcada para mostrar “Black Earth”, o quarto disco de originais da banda lisboeta. Aproveitando este concerto como ensaio geral para a participação da banda no Resurection Fest, onde irão actuar dia 14 de Julho, a banda de industrial doom escolheu tocar ao vivo na totalidade e por ordem as faixas do EP. O início foi com “(No) Shelter”, seguindo-se “Feral Ground”, com o seu riff inicial tão familiar para o público presente. O quarteto serviu depois “Servant” e “Black Earth”, terminando com “Hoax”, numa performance sem mácula e que abre grandes perspectivas para as próximas performances fora de portas para uma banda que merece mais atenção nacional e internacionalmente.

Rápida mudança no palco, nomeadamente a retirada da bateria, e ficou perceptível qual seria a disposição dos Baroness no palco do LAV: Baizley do lado direito, Gina Gleason do lado esquerdo e Nick Jost no centro atrás do sintetizador. Ficou assim bem claro que não iriamos ter baterista e pelos vistos nem baixista. Um enorme pano com a arte de Baizley ondeava no fundo enquanto o público regressava de uma pausa para fumar e enchia a sala de Xabregas. John e Gina entraram em palco calmamente sob uma enorme salva de palmas e mal se sentaram, Baizley fez questão de explicar o que iria acontecer nessa noite, um espectáculo bastante diferente, muito mais intimista, uma tentativa da banda de “não estragar” os temas e pedir muita ajuda e compreensão do público presente.

De guitarras acústicas em punho, os dois guitarristas arrancaram com “Foolsong”, faixa do duplo álbum “Yellow & Green”, de 2012, disco de onde vieram quase a totalidade das faixas escolhidas para o alinhamento desta noite, deixando apenas duas de “Purple”, o mais recente. E se na primeira faixa as diferenças entre a versão original e a tocada não eram marcantes, em “March to the Sea” isso foi difícil de esconder. A faixa tem uma secção rítmica proeminente em disco, e tocada apenas a duas guitarras acústicas perde velocidade e os riffs são menos impactantes, mas ganha toda uma involvência que vai crescendo na medida em que os próprios elementos da banda sentem a reacção muito favorável da plateia. O instrumental “Green Theme” antecede a entrada em palco de Jost, motivando um comentário de Baizley sobre o facto de finalmente serem um trio em palco. Pedindo novamente desculpa pelo “unplugged” – e recebendo um “é pesado na mesma” por parte de alguém no público que fez a banda sorrir de maneira muito sincera, seguiram para “Cocainium”, logo seguido por “Little Things”.

Baizley volta novamente a falar com o público, para relembrar a primeira vez que os Baroness tocaram em Lisboa, no Paradise Garage, e que foi para ele um dos melhores de sempre da banda, tendo ficado apaixonado pela capital portuguesa logo nessa altura. Introduziu "If I Have to Wake Up (Would You Stop the Rain?)", primeira faixa retirada de “Purple” que iriam tocar, dizendo que depois de muitos anos a escrever músicas finalmente escreveu uma “love song”, dedicada a todos os que ficaram ao seu lado depois de um grave acidente em que pensou que nunca iria recuperar, alusão ao desastre rodoviário que a banda sofreu em 2011 perto de Bath, em Inglaterra, quando a chuva e fraca visibilidade fez o autocarro da banda voar de um viaduto para uma queda de mais de nove metros. Com uma interpretação muito sentida e sem a presença da omnipresente bateria no tema, é possível perceber toda a força da letra e da musicalidade do tema. Seguiu-se mais um tema de “Purple”, “Chlorine and Wine”, com o líder dos Baroness a argumentar que esta seria uma faixa onde fazia muita falta a presença de Thomson atrás e que iria “tentar não a estragar muito”. Pela enorme salva de palmas do público presente, deu para perceber que não estragou absolutamente nada. “Board Up the House” e “Eula” marcaram regresso a “Yellow and Green”, antes do encore com o clássico “Shock Me”, de “Purple”, e de mais uma vez um enorme agradecimento ao público português que não deixou de vir ver ao vivo a banda de Savannah a uma quarta-feira. A promessa de regressar em quarteto “como deve de ser” foi a cereja no topo do bolo de um concerto que ficará na memória de muitos.

Texto por Vasco Rodrigues
Fotografias por Sophia Silva
Agradecimentos: Prime Artists