• Facebook
  • Myspace
  • Twitter
  • Google+

Candidata-te

A Metal Imperium encontra-se a recrutar colaboradores para redação de notícias, reviews de álbuns ou entrevistas a bandas.

Quem quiser fazer parte desta equipa poderá candidatar-se contactando-nos por email: metalimperium@gmail.com



Reviews Mais Recentes

Uada - Cult of the Dying Sun


Occultum - In Nomine Rex Inferni


Monolithe - Nebula Septem


Morag Tong - Last Knell of Om


Haunted - Dayburner


Djevel - Blant Svarte Graner


Raw Decimating Brutality - Era Matarruana


Czort - Czarna Ewangelia


Kinetik - Critical Fallout


Dopethrone - Transcanadian Anger


Abhor - Occulta ReligiO


Refuge - Solitary Men


Sevendust - All I See Is War


Black Fast - Spectre of Ruin


Sleep - The Sciences


Tomb Mold - Manor of Infinite Forms


Taphos - Come Ethereal Somberness


Wrath Sins - The Awakening


Judas Priest - Firepower


Bleeding Through - Love Will Kill All


Ihsahn - Àmr


Alkaloid - Liquid Anatomy


Filii Nigrantium Infernalium - "Fellatrix


Amorphis - Queen of Time


Ghost - Prequelle


Angelus Apatrida - Cabaret de la Guillotine


Bleed From Within - Era


Painted Black - Raging Light


Necrobode - Metal Negro da Morte


Pestilence - Hadeon


Tortharry - Sinister Species


Inframonolithium - Mysterium


Somali Yacht Club - The Sea


Dallian - Automata


Concertos em Destaque

Tradutor

Entrevistas Mais Recentes



































Alcest revelam detalhes sobre novo álbum

Depois de um longo e intenso período de trabalho no Drudenhaus Studio, os Alcest anunciaram o término das gravações do seu sexto registo. (...)

Korn lançam novo álbum em setembro e divulgam novo single

Os Korn preparam-se para lançar o seu novo álbum, "The Nothing", no dia 13 de setembro, através da Roadrunner/Elektra

Killswitch Engage lançam novo single

Os Killswitch Engage continuam a antecipar o seu novo álbum. Para o efeito, a banda divulgou agora o primeiro single do mesmo, "Unleashed", que pode ser ouvido (...)

Testament - Novo álbum será lançado no princípio do próximo ano

O vocalista Chuck Billy e o guitarrista Eric Peterson revelaram há dias, no festival francês Hellfest, que gravaram todas as faixas para o próximo álbum (...)

Possessed, Burn Damage @ RCA Club, Lisboa – 18Jun2019

Quando eu era um jovem apreciador de metal, nos finais da década de 80, Portugal era um deserto no que toca a concertos de sons mais pesados, e quando havia algum, por exemplo no mítico Pavilhão do Dramático de Cascais, (...)


O mais recente álbum dos Rammstein abre com o single “Deutschland” e a escolha foi acertada, pois a música agarra o ouvinte a partir do momento em que entram os sintetizadores, seguidos da bateria e guitarras. Quando a voz de Till Lindemann começa a enunciar a letra do tema, acompanhado pela voz de apoio de Richard Z. Kruspe arrisco dizer, apenas com o baixo, bateria e teclas a servir de chão, torna-se claro que a fórmula de composição dos Rammstein se mantém quase inalterada, treze anos após o último disco.

E esta fórmula funciona pois como se verifica com “Deutschland”, e mais tarde com o segundo tema “Radio”, a simplicidade e eficácia das composições dos Rammstein continua tão captivante como sempre foi, desde os temas mais reconhecíveis do grupo (“Du hast”) aos menos (“Mein Land”). Torna-se curioso como em “Radio”, o ataque de bateria de Christopth Scheineder se evidencia como um dos melhores segredos desta banda cujas dinâmicas dentro dos temas é essencial para manter a atenção do ouvinte.

Em “Zig Diech”, o lado orquestral da banda (reminiscente de “Mein Herz Brennt”) destaca-se no início, com o piano a servir de complemento melódico às guitarras. Com efeito, ao quarto tema, “Ausländer”, as teclas de Flake Lorenz voltam a funcionar como o principal instrumento melódico, sendo seguidas pela restante secção instrumental da banda. A entrega da voz de Till Lindemann às letras quase cómicas demonstra-se essencial para quem não é falante de alemão compreender a ironia daquilo que é dito, o refrão deste tema é um dos melhores exemplos deste facto. 

Em “Sex”, a atmosfera melancólica de “Deustchland” regressa, mas é quebrada com o refrão, que parece escrito para ser cantado em uníssono com o público, uma assinatura deste grupo (que me recorda os refrões cativantes dos Kaiser Chiefs que, na minha opinião, soam sempre melhores cantados com o público do que em estúdio). Por sua vez, “Puppe” começa com arpejos de guitarra sem distorção (relembrando “Hypnotize” dos System of a Down), sendo um dos temas mais negros e melancólicos do álbum. “Was ich liebe”, retoma o lado mais alegre, dando mais dinâmica ao álbum como um todo. 

Com efeito, esta variação de atmosferas entre temas, torna “Rammstein” num álbum equilibrado e cativante (“Diamant” enquanto oitavo tema é uma espécie de balada com o baixo, arpejado de forma interessante por Oliver Riedel, e teclas como principais instrumentos de acompanhamento da voz).

Neste álbum, os Rammstein apresentam-se iguais a si mesmos, uma banda que gosta de, ao nível musical, se equilibrar na corda bamba entre o som pesado do metal e os refrões da pop, misturando electrónica e letras que oscilam entre temáticas sérias (até autobiográficas) e o puro humor de quem não se leva muito a sério (algo que é mais evidenciado pelos seus videoclips). Dado o facto de ter o nome da banda como título, “Rammstein” é um disco que revisita os vários lados da banda, mas sem ser uma repetição do que fizeram no passado.

Nota: 9/10

Review por Raúl Avelar