• Facebook
  • Myspace
  • Twitter
  • Google+

Reviews Mais Recentes

The V - Now Or Never


Zandelle - Perseverance


Defect Designer - Ageing Accelerator


Noctum - Until The... Until The End


Sinister - Dark Memorials


Shape - Crossing Roads


Luca Turilli's Rhapsody - Prometheus Symphonia Ignis Divinus


Harmony - Theatre Of Redemption


Watertank - Destination Unknown


Stormhammer - Echos Of A Lost Paradise


The Bridsmaid - Grayson


Slug Comparison - Slug Comparison


Ectovoid - Dark Abstraction


Paradise Lost - The Plague Within


Orakle - Éclats


My Hollow - On Borrowed Time


Powerwolf - Blessed And Possessed


Russkaja - Peace, Love & Russian Roll


Chaos Magic - Chaos Magic


Deadspace - The Promise Of Oblivion


Natural Information Society & Bitchin Bajas -Automaginary


Leah - Kings And Queens


Dimino - Old Habits Die Hard


To/Die/For - Cult


On Top - Topless


Aponkatation - Conquerors Beyond The Stars


As Light Dies - Gea


Enforcer - From Beyond


Corpse Garden - Entheogen


Sacrilege - Six6Six


Blizzard Hunter - Heavy Metal To The Vein


Ultimate Holocaust - Blackmail The Nation


Ossicles - Mantelpiece


Xandria - Fire & Ashes


Yes - Like It Is - At The Mesa Arts Center


Timecop1983 - Reflections


Thy Art Is Murder - Holy War


Old Graves - This Ruin Beneath Snowfall


Sacrilege - Ashes To Ashes

Metal Imperium - Merchandise

.
Para encomendar, enviar email para: metalimperium@gmail.com

Concertos em Destaque

Visitantes

Tradutor

Entrevistas Mais Recentes



















Novidades sobre os nacionais D U M

O projeto nacional idealizado no longínquo ano de 2005 por Augusto Peixoto (Head:Stoned), começa agora a dar frutos. Os nacionais D U M, preparam-se para lançar um novo

Megadeth - Dave Mustaine justifica alterações na formação da banda

Após a recente substituição do guitarrista Chris Broderick por Kiko Loureiro (Angra) e do baterista Shawn Drover por Chris Adler (Lamb of God), Dave Mustaine, vocalista/guitarrista/líder dos míticos (...)

Vagos Open Air - Horários de actuação das bandas já disponíveis

Os horários de atuação e a distribuição do cartaz desta edição do Vagos Open Air por dias já se encontra disponível. Os horários dos concertos estão(...)

Amplifest 2015 - Novidades no cartaz

O projeto a solo de Mathieu Vandekerckhove - guitarrista fundador dos Amenra (que de resto também irão atuar no festival) e os WIFE (projeto de James Kelly dos Altar Of Plagues) (...)

Warm Up Moita Metal Fest 2016 - Cartaz completo

Anteriormente, foi dado a conhecer que os alemães Dew-Scented seriam os cabeças-de-cartaz para o Warm Up Moita Metal Fest, que irá decorrer no dia 13 de Novembro(...)

O mês de Novembro tem sido farto em bons concertos no que ao metal diz respeito. Amon Amarth, Septicflesh, Machine Head, Opeth e agora os Amorphis mostraram que o metal é um estilo que continua a mover muita gente.

O concerto dos finlandeses, integrado na "The Beginning of Times Tour" como suporte ao seu mais recente lançamento "The Beginning of Times” deste ano (poderão ver a “review” deste disco no site da Metal Imperium em Julho deste ano) mostrou uma vez mais a validade e a popularidade desta banda no nosso país. Apesar de terem estado recentemente no nosso país (mais precisamente no Vagos Open Air de 2010), a quantidade de espectadores presentes nessa noite na Incrível Almadense mostrou que serão sempre bem-vindos ao nosso país.

Foi uma Incrível Almadense ainda com poucos espectadores que se assistiu à actuação das duas bandas de suporte, os espanhóis Nahemah e os noruegueses Leprous. Apesar de serem duas bandas desconhecidas por parte do público português, a verdade é que as mesmas já existem à já vários anos e com alguns discos editados.


Os Nahemah, banda formada em 1997 deram um bom concerto. Movendo-se dentro de um estilo como o metal progressivo, a agressividade com que “atacam” os temas é bastante eficaz. Embora muito estáticos em palco, e com as condições normais para uma banda de suporte, apresentaram uma actuação muito coesa e com um som bastante poderoso, mesmo para uma banda de abertura. Uma banda a seguir para o futuro.


Os noruegueses Leprous foram outra surpresa. Cinco miúdos (a palavra é mesmo essa, miúdos, pois era mais que visível a tenra idade dos seus integrantes). Vestidos a rigor, de gravata, o que se apresentava a nossa frente era uma incógnita. Antes de terem tocado sequer uma nota, a dúvida para aqueles que não os conhecia (como eu) pairava no ar: o que vai sair daqui? Tudo o que conhecia desta banda é que são a banda de apoio ao vivo do grande Ihsahn (mentor dos ainda maiores Emperor). Mesmo a disposição dos instrumentos levantava dúvidas: normalmente a posição de teclados é relegado para um segundo plano, mas aqui estava mesmo à nossa frente. O que quereria isso dizer? Todas essas dúvidas se dissiparam assim que os cinco músicos iniciaram a sua actuação. Um som muito forte e melódico, que muitos denominam por metal progressivo extremo, mas no entanto “toca” uma série de estilos, numa mistura explosiva e magnética. Tendo como base da actuação o seu último lançamento, “Bilateral” já deste ano, os Leprous apresentaram uma actuação muito interessante, que certamente terá deixado muita gente curiosa para saber mais da sua música. Muito activos e coesos, onde a figura central é o vocalista / teclista Einar Solberg. Aparentemente, estes miúdos já têm alguma fama no seu país de origem e não estranhem se um dia ouvirem falar deles mais vezes.


Já foi uma sala muito bem composta (mais de meia casa) que assistiu a mais uma muito boa e intensa actuação dos Amorphis. Desprovidos de muitos atributos cénicos (um back-drop com a capa do ultimo disco, duas telas laterais e um jogo de luzes simples mas eficaz), mostraram que é na sua música que reside toda a sua essência. Com vinte anos de carreira e centenas de concertos no seu currículo, os Amorphis são uma máquina bem oleada, que sabe como cativar e manter o público sempre em alta.

Foi ao som de “Song of the Sage” do último “The Beginning of Times” que os seis finlandeses mostraram, ao longo de quase 90 minutos como se faz bom metal, umas vezes a pender para a sua vertente mais “heavy metal”, outras para o lado do “death metal” mais melódico (do início da carreira). A partir daí, assistiu-se a um excelente concerto, muito equilibrado em termos de material mais recente e mais antigo, com um Tomi Joutsen muito activo no papel de vocalista e agitador de massas. Apesar de ser o membro mais recente na banda, é sobre ele que recaem todos os olhares. Um “frontman” à altura para esta banda e um vocalista extraordinário. Um concerto muito focado nos dois últimos discos (“Skyforger” e no já mencionado “The Beginning of Times”), talvez os mais importantes da sua carreira até agora, que possibilitaram uma maior exposição a nível mundial da banda.

É difícil indicar pontos altos da actuação, pois toda ela foi num regime muito elevado, muito profissional e vibrante. O público acompanhava a banda em (quase) todos os temas, quer fossem novos ou velhos, mostrando serem conhecedores da carreira da banda. Num alinhamento de quinze temas, fossem os novos “My Enemy” e “You I Need”, “Sampo” e “Siver Bride” (fantástica) do “Skyforger” (2009), recordando um passado mais recente com “The Smoke” do “Eclipse” de 2006 ou das “velhinhas” “Vulgar Necrolaty” do “The Karelian Isthmus” de 1993 ou do tema que os lançou para a popularidade como “Black Winter Day” do “Tales From The Thousand Lakes” de 1994, a força com que todos esses temas eram lançados para o publico e ver a reacção do mesmo era de verdadeira comunhão entre todos. Talvez o ponto mais alto da actuação tenha acontecido no último tema, “House of Sleep”, com o refrão a ser cantado ruidosamente pelo público, o que levou a banda a parar por momentos a sua actuação para deixar o publico cantar. Fantástico.


É sempre bom quando as bandas se sentem acarinhadas pelo público. É uma prova de fidelidade e tal facto certamente fará as mesmas querer voltar ao nosso país. Com os Amorphis aconteceu o mesmo e esperemos que eles nos visitem muito mais vezes. Três bandas, todas elas com bons espectáculos. Uma boa noite de concerto na Incrível Almadense.



Texto por João Nascimento
Fotografia por João Cavaco


Agradecimentos: Prime Artists