• Facebook
  • Myspace
  • Twitter
  • Google+

Reviews Mais Recentes


Rasgo - Ecos da Selva Urbana


Terror Empire - Obscurity Rising


Painted Black - Raging Light


Wolves in the Throne Room - Thrice Woven


Celeste - Infidèle(s)


Moonspell - 1755


Battle Dagorath - II - Frozen Light of Eternal Darkness


Kalmankantaja - Routamaa


Archspire - Relentless Mutation


Tod Huetet Uebel - N.A.D.A


Benthik Zone - Via Cosmicam ad Europam ab Gelid Inferis


Acherontas - Amarta अमर्त (Formulas of Reptilian Unification Part II)


Progenie Terrestre Pura - oltreLuna


Vita Imana - El M4l


Overkill - The Grinding Wheel


Time Lurker - Time Lurker


Warbringer - Woe to the Vanquished



Akercocke - Renaissance in Extremis


Neige et Noirceur - Verglapolis


Concertos em Destaque

Tradutor

Entrevistas Mais Recentes



































System of a Down têm músicas novas

Afinal não há nenhum problema com os System of a Down. É Serj Tankian quem o afirma, numa entrevista recente concedida à Rolling Stone. Na verdade a banda tem músicas novas, (...)

Simbiose, Alien Squad, Dokuga atuam no Porto em fevereiro

Os nacionais Simbiose, Alien Squad e Dokuga vão tocar no Metalpoint (Porto), no dia 3 de fevereiro do próximo ano.(...)

Hourswill apresentam novo álbum na companhia dos Inner Blast, The Chapter e Scarmind

Os Hourswill apresentam ao vivo o seu mais recente álbum, "Harm Full Embrace", dia 13 de janeiro, no RCA Club em Lisboa.(...)

Kamelot lançam novo vídeo e revelam novidades para 2018

Os Kamelot disponibilizaram o novo vídeo do tema "Under Grey Skies", que conta com a participação da vocalista dos Delain, Charlotte Wessels.(...)

Graveyard a gravar novo álbum

Os suecos Graveyard encontram-se nos Park Studios, em Estocolmo, a gravar o seu próximo álbum de estúdio, sucessor de "Innocence and Decadence", lançado no ano 2015. (...)

Por vezes fica difícil manter um julgamento objectivo em relação a um artista. Tal sucede maioritariamente quando a música desse mesmo artista tem uma influencia tão significativa em nós, ou quando o seu contributo é tão preponderante para um estilo, que olhamos para ele com uma reverência apenas reservada a deuses ou a reis. Quando estes dois factores se unem numa só personalidade, então por mais que se tente não há palavras que justifiquem fielmente o que representa o artista para quem quer dissertar sobre ele. Mas vale sempre a pena fazer um esforço, ainda para mais quando Everything is Changing, o novo álbum de Anneke van Giersebergen, assim o merece.

Para quem não conhece a pessoa em causa, digamos que foi sem duvida uma das maiores responsáveis, juntamente com Liv Kristine na altura nos Theatre of Tragedy e Kari Rueslatten dos the 3rd and the Mortal, pelo fenómeno a que hoje chamamos de Female Fronted Metal Bands. Por meados da década de 90, através de álbuns como Mandylion e Nighttime Birds, Anneke e os the Gathering abriram as portas e mentalidades para que hoje em dia uma Sharon den Adel, uma Christina Scabbia e até mesmo uma Tarja Turunen possam ser adoradas por milhares. A sua brilhante carreira com os The Gathering levou, no entanto a um triste desfecho em 2007, mal gerido por ambas as partes, com a saída da vocalista na ânsia de procurar outros desafios.

Agora em nome próprio, Everything is Changing é para começar, um aumento de qualidade comparativamente aos anteriores trabalhos sob o nome de Agua de Annique. É também um disco mais diverso, intenso, completo, e muito mais revelador das reais potencialidades de Anneke. Alternativo? Rock? Pop? Indie-rock? Não interessa. Everything is Changing é essencialmente um divagar pelos diferentes estados de espírito da holandesa. Sentimos a felicidade contagiante de Feel Alive ou Hope, Pray, Dance, Play, a simplicidade introspectiva de Circles e da faixa titulo, a energia de You Want To Be Free e Slow Me Down, a força de Too Late e My Boy (um saboroso piscar de olhos aos Muse), a inquietação no atmosférico I Wake Up, e a súplica em Stay. Isto tudo culminando com o genial 1000 Miles Away From Home, que vem capturar na perfeição o espírito de A Noise Severe. Mas todos os temas falam a mesma linguagem, a da paixão, da beleza, da verdade, e do total compromisso espiritual com a música. Estas são as regras de Anneke. Provavelmente não lhe irão encher os bolsos, mas de certo a irão fazer sentir orgulhosa com ela própria.

A produção assegurada pelo nosso Daniel Cardoso, nos Ultrasound Studios em Braga, assenta que nem uma luva ao disco. Explícita, mas não plástica, sóbria e envolvente. Por agora a bola está do lado de Anneke, resta saber como será a resposta do “outro lado” lá por volta de Setembro.

Nota: 9/10

Review por António Antunes