• Facebook
  • Myspace
  • Twitter
  • Google+

Total Pageviews

Reviews Mais Recentes


Amorphis - Queen of Time


Ghost - Prequelle


Angelus Apatrida - Cabaret de la Guillotine


Bleed From Within - Era


Painted Black - Raging Light


Necrobode - Metal Negro da Morte


Pestilence - Hadeon


Tortharry - Sinister Species


Inframonolithium - Mysterium


Somali Yacht Club - The Sea


Dallian - Automata


Candidata-te

A Metal Imperium encontra-se a recrutar colaboradores para redação de notícias, reviews de álbuns ou entrevistas a bandas.

Quem quiser fazer parte desta equipa poderá candidatar-se contactando-nos por email: metalimperium@gmail.com



Concertos em Destaque

Tradutor

Entrevistas Mais Recentes



































Ghost estreiam duas novas músicas ao vivo

Os Ghost fizeram um inicio "oficioso" da sua próxima digressão mundial no "The Roxy", em Hollywood, Los Angeles, e presentearam os fãs que(...)

Roy Khan confessa que sair dos Kamelot foi a "melhor decisão" que alguma vez tomou

Roy Sætre Khantatat, conhecido como Roy Khan, ou mais conhecido como o antigo vocalista dos Kamelot, falou à italiana SpazioRock (...)

Epica lançam vídeo para “Universal Love Squad”

Os holandeses lançaram recentemente o vídeo para a canção “Universal Love Squad”, sendo possível visualizar o mesmo (...)

Morbid Angel disponibilizam novo vídeo

A banda de death metal Morbid Angel divulgou recentemente um novo vídeo para o tema "Garden Of Disdain", pertencente ao mais recente álbum, "Kingdoms Disdained". (...)

Alice In Chains lançam vídeo para novo single

"The One You Know" é o novo single dos Alice In Chains, que pode ser ouvido no vídeo acima. A faixa faz parte do próximo álbum da banda, (...)


“Notturno” veio com pré-aviso: o teaser, do tema “Kern”, já fazia antever a sonoridade obscura e incomensurável, deste segundo álbum de estúdio de Australasia, o projecto a solo do multi-instrumentista italiano, Gian Salluto.

Distante dos clichés típicos da música instrumental, este álbum de post-rock/ black metal prima pelas paisagens sonoras, extremadas por uma bateria explosiva, que não se rende às guitarras etéreas e à retro-sonoridade dos sintetizadores.
Esta é a fórmula mágica de um álbum que começa tímido mas que se expande, ao longo dos seus nove temas, com carácter individual, mas que integram, por justaposição, a incursão ao lado soturno e sensorial da “natureza que transcende a miséria humana”, proposta por Gian.

O álbum resvala, por isso, numa experiência (quase) biográfica, cuja emotividade sonora nos permite empatizar com a sua melancolia reconfortante, balizada pela audição das bandas sonoras de Ennio Morricone e pelo metal extremo da juventude de Gian.

"Notturno" é um álbum complexo, para ser experienciado como quem ouve poesia. Aliás, até Edgar Allan Poe é servido, ainda que em baixa dosagem, na segunda faixa do álbum, “Eden”.
Mas a transversalidade artística não se fica por aqui: “Haxo” e “Amnesia” apropriaram-se do enredo do filme “Hound of the Baskervilles”, de 1939, baseado no romance policial de Sir Arthur Conan Doyle (que Gian leu na infância) e cujos excertos do filme foram integrados no instrumental, numa espécie de introspecção induzida.

Por isso, “Notturno” devia trazer uma bula e a advertência expressa de que tem de ser consumido até ao fim, pela ordem indicada na “embalagem”! A audição avulsa de um ou outro tema do álbum pode comprometer a apreensão plena do imaginário Australasiano.
Ainda assim, a distinguir um tema, que seja a “Creature” e uma atenção redobrada à guitarra, a partir dos 3:37 minutos: o meridiano desta faixa e de todo o álbum, bem sugestiva do tecnicismo e expressividade de Gian Salluto. 

Do “Vertebra” (2013), o primeiro álbum de estúdio de Australasia, para este segundo trabalho, a voz foi rareando: apenas o tema “Invisible” conta com a presença fugaz, mas intensa, de Mina Carlucci, mas, refira-se, é suficiente, não desvirtua.

A experiência de “Notturno” finda com o tema homónimo, numa suave transição para a realidade, ao som de um piano magistral, que nos desperta para a genialidade do álbum. Excelente conceptualização sonora a que a imagem faz jus, pela arte gráfica de Ver Eversum.

Nota: 9/10

Review por Ângela Fontão Teixeira