• Facebook
  • Myspace
  • Twitter
  • Google+

Candidata-te

A Metal Imperium encontra-se a recrutar colaboradores para redação de notícias, reviews de álbuns ou entrevistas a bandas.

Quem quiser fazer parte desta equipa poderá candidatar-se contactando-nos por email: metalimperium@gmail.com



Reviews Mais Recentes

Uada - Cult of the Dying Sun


Occultum - In Nomine Rex Inferni


Monolithe - Nebula Septem


Morag Tong - Last Knell of Om


Haunted - Dayburner


Djevel - Blant Svarte Graner


Raw Decimating Brutality - Era Matarruana


Czort - Czarna Ewangelia


Kinetik - Critical Fallout


Dopethrone - Transcanadian Anger


Abhor - Occulta ReligiO


Refuge - Solitary Men


Sevendust - All I See Is War


Black Fast - Spectre of Ruin


Sleep - The Sciences


Tomb Mold - Manor of Infinite Forms


Taphos - Come Ethereal Somberness


Wrath Sins - The Awakening


Judas Priest - Firepower


Bleeding Through - Love Will Kill All


Ihsahn - Àmr


Alkaloid - Liquid Anatomy


Filii Nigrantium Infernalium - "Fellatrix


Amorphis - Queen of Time


Ghost - Prequelle


Angelus Apatrida - Cabaret de la Guillotine


Bleed From Within - Era


Painted Black - Raging Light


Necrobode - Metal Negro da Morte


Pestilence - Hadeon


Tortharry - Sinister Species


Inframonolithium - Mysterium


Somali Yacht Club - The Sea


Dallian - Automata


Total Pageviews

Concertos em Destaque

Tradutor

Entrevistas Mais Recentes



































The Sword vão entrar num hiato

Corte quase fatal no futuro dos The Sword, uma vez que a banda texana anunciou há dias que fará uma pausa, embora tenha lançado ainda em março (...)

Hate Eternal lançam áudio de "Nothingness of Being"

A banda de death metal irá lançar o novo álbum, Upon Desolate Sands, a 26 de outubro através da Season Of Mist. Depois de desvendar (...)

Alterações no alinhamento do Festival Bardoada e Ajcoi

O Festival Bardoada e Ajcoi anunciou a substituição de duas das bandas previamente confirmadas. (...)

Marky Ramone em Portugal no próximo mês

O veterano Marky Ramone tem dois espectáculos marcados para o nosso país, que serão nada mais, nada menos, do que o warm up para o Lisbon Tattoo Rock Fest 2018. (...)

Behemoth lançam nova música "Wolves Ov Siberia"

"Wolves Ov Siberia", o novo vídeo de Behemoth, pode ser visto acima. A música faz parte do próximo álbum da banda, "I Loved You At Your Darkest", (...)


A olhar para a capa deste “The Transcendence” fica-se com a ideia de que é um vinil qualquer (ok, se olharmos para a capa numa qualquer imagem na internet) esquecido da década de setenta. Lembram-se daquelas capas estranhas que se encontra sempre na colecção de vinis – algo que com o tempo começa a deixar de se poder dizer – de nomes obscuros que o tempos se encarregou e bem de enterrar. É que a capa transmite. Com um forte visual apoiado na década de setenta – o moço da direita então parece que é um Hell Angel que andou a fazer segurança pelos Rolling Stones aquando o mítico concerto que resultou no filme “Gimme Shelter”.

Musicalmente a coisa também não anda muito longe com um hard rock e com direito a uma voz de Jenna Disease arraçada de Janis Joplin – sim, os Blues Pills não são os únicos a possuir uma arma secreta deste calibre. E é inevitável não mencionar os Blues Pills como termo de comparação, embora aqui a base esteja mais longe do blues e mais próximo do hard rock. Simplificando demasiado, este seria o resultado se tivéssemos a Janis Joplin, mais contida vocalmente, a cantar com os Thin Lizzy a dar-lhe apoio. E poderá já cansar ouvir-nos dizer como estas bandas que vão buscar inspiração aos dias de ontem são fantásticas, mas a verdade é que este som é imortal e a contemplação da imortalidade deverá ser sempre enaltecida.

Todos os temas aqui contidos são preciosidades. Não por soarem a velho, mas pela energia genuína com que são debitadas e a forma como batem no ouvinte. Claro que não gosta de música, perdão, de hard rock de qualidade, poderá correr o risco de não encontrar qualidades em “The Transcendence”. Não tem nada de extremo, a distorção é quase substituída pelo fuzz e ainda assim tem-se bastante duelos harmónicos entre as duas guitarras e uma forma de escrever músicas que não são destes tempos. Parafraseando Saint Vitus, são temas como “Stargazer”, “Gotta Move” e “Break Up” (exemplos evidentes daquilo que pode ser encontrado nas restantes oito faixas) que nos fazem sentir que nascemos tarde demais.


Nota: 9/10

Review por Fernando Ferreira