• Facebook
  • Myspace
  • Twitter
  • Google+

Candidata-te

A Metal Imperium encontra-se a recrutar colaboradores para redação de notícias, reviews de álbuns ou entrevistas a bandas.

Quem quiser fazer parte desta equipa poderá candidatar-se contactando-nos por email: metalimperium@gmail.com



Reviews Mais Recentes

Uada - Cult of the Dying Sun


Occultum - In Nomine Rex Inferni


Monolithe - Nebula Septem


Morag Tong - Last Knell of Om


Haunted - Dayburner


Djevel - Blant Svarte Graner


Raw Decimating Brutality - Era Matarruana


Czort - Czarna Ewangelia


Kinetik - Critical Fallout


Dopethrone - Transcanadian Anger


Abhor - Occulta ReligiO


Refuge - Solitary Men


Sevendust - All I See Is War


Black Fast - Spectre of Ruin


Sleep - The Sciences


Tomb Mold - Manor of Infinite Forms


Taphos - Come Ethereal Somberness


Wrath Sins - The Awakening


Judas Priest - Firepower


Bleeding Through - Love Will Kill All


Ihsahn - Àmr


Alkaloid - Liquid Anatomy


Filii Nigrantium Infernalium - "Fellatrix


Amorphis - Queen of Time


Ghost - Prequelle


Angelus Apatrida - Cabaret de la Guillotine


Bleed From Within - Era


Painted Black - Raging Light


Necrobode - Metal Negro da Morte


Pestilence - Hadeon


Tortharry - Sinister Species


Inframonolithium - Mysterium


Somali Yacht Club - The Sea


Dallian - Automata


Total Pageviews

Concertos em Destaque

Tradutor

Entrevistas Mais Recentes



































The Sword vão entrar num hiato

Corte quase fatal no futuro dos The Sword, uma vez que a banda texana anunciou há dias que fará uma pausa, embora tenha lançado ainda em março (...)

Hate Eternal lançam áudio de "Nothingness of Being"

A banda de death metal irá lançar o novo álbum, Upon Desolate Sands, a 26 de outubro através da Season Of Mist. Depois de desvendar (...)

Alterações no alinhamento do Festival Bardoada e Ajcoi

O Festival Bardoada e Ajcoi anunciou a substituição de duas das bandas previamente confirmadas. (...)

Marky Ramone em Portugal no próximo mês

O veterano Marky Ramone tem dois espectáculos marcados para o nosso país, que serão nada mais, nada menos, do que o warm up para o Lisbon Tattoo Rock Fest 2018. (...)

Behemoth lançam nova música "Wolves Ov Siberia"

"Wolves Ov Siberia", o novo vídeo de Behemoth, pode ser visto acima. A música faz parte do próximo álbum da banda, "I Loved You At Your Darkest", (...)


Há já algum tempo que não nos surge um trabalho de rock progressivo com uma sensibilidade tão alta como esta. É de tal forma que até temos alguma dificuldade em chamar “rock” a “Music For Wastelands” embora o “progressivo” seja definitivamente algo que é. E não é uma questão de géneros porque se pendêssemos para o art rock, também teríamos dificuldade no mesmo ponto e assumiríamos que o “art” era um ponto inconfundível. Os Ossicles não são britânicos nem suecos embora seja um pouco as duas nacionalidades que parecem transparecer ao longo destas catorze faixas que compõem “Music For Wastelands”. Composto por um duo norueguês que dá conta de todos os instrumentos aqui contidos – e que ao chegarmos ao segundo tema, “Darkroom” já se dá conta que são muitos.

A qualidade das músicas é inegável, seja pelo potencial melódico, seja pelo teor melancólico, embora também tenhamos que admitir que o potencial para colocar em coma os menos preparados também é enorme. Falta um pouco de sangue na guelra, mas também é ingrato dizer algo deste teor porque a identidade da banda é esta mesma – estando já muito bem definida ao segundo álbum. Depois outro problema é a duração. É um álbum enorme, que parece durar eternamente, dando a sensação de que ouvir este álbum é o equivalente a ler “Guerra e Paz” em menos de oitenta minutos. Parece demasiado para uma pessoa e em parte até é. No entanto, há algo que nos faz atrair de volta a este álbum.

Poderá ser um desejo masoquista compulsivo ou poderá ser que a genialidade que contém chega-nos através do subconsciente. Seja como for, este não é um álbum recomendado para quem gosta de metal e para os que gostam de rock progressivo, nem todos poderão chegar até temas como “The Red Heart” e “Pandemonium” e conseguir ouvi-los por inteiro ou pelo menos manter a concentração no que estão a ouvir sem cair no mais profundo sono. Indicado aos mais corajosos, fazendo a ressalva de que após uns anos, a música aqui contida pode ser considerada genial – nunca se sabe.


Nota: 6.5/10

Review por Fernando Ferreira