• Facebook
  • Myspace
  • Twitter
  • Google+

Total Pageviews

Reviews Mais Recentes


Amorphis - Queen of Time


Ghost - Prequelle


Angelus Apatrida - Cabaret de la Guillotine


Bleed From Within - Era


Painted Black - Raging Light


Necrobode - Metal Negro da Morte


Pestilence - Hadeon


Tortharry - Sinister Species


Inframonolithium - Mysterium


Somali Yacht Club - The Sea


Dallian - Automata


Candidata-te

A Metal Imperium encontra-se a recrutar colaboradores para redação de notícias, reviews de álbuns ou entrevistas a bandas.

Quem quiser fazer parte desta equipa poderá candidatar-se contactando-nos por email: metalimperium@gmail.com



Concertos em Destaque

Tradutor

Entrevistas Mais Recentes



































Ghost estreiam duas novas músicas ao vivo

Os Ghost fizeram um inicio "oficioso" da sua próxima digressão mundial no "The Roxy", em Hollywood, Los Angeles, e presentearam os fãs que(...)

Roy Khan confessa que sair dos Kamelot foi a "melhor decisão" que alguma vez tomou

Roy Sætre Khantatat, conhecido como Roy Khan, ou mais conhecido como o antigo vocalista dos Kamelot, falou à italiana SpazioRock (...)

Epica lançam vídeo para “Universal Love Squad”

Os holandeses lançaram recentemente o vídeo para a canção “Universal Love Squad”, sendo possível visualizar o mesmo (...)

Morbid Angel disponibilizam novo vídeo

A banda de death metal Morbid Angel divulgou recentemente um novo vídeo para o tema "Garden Of Disdain", pertencente ao mais recente álbum, "Kingdoms Disdained". (...)

Alice In Chains lançam vídeo para novo single

"The One You Know" é o novo single dos Alice In Chains, que pode ser ouvido no vídeo acima. A faixa faz parte do próximo álbum da banda, (...)


Aaaargh! Podemos dizer “Aaaargh”? Só mais uma vez: Aaaaaargh! Peguemos no metalcore/deathcore/emorcore/raiospartacore ou no djent ou no facto de algumas vezes não existir grande diferença entre os elementos de uns e de outros e coloquemos o nome Atena ao barulho. A avaliar pelo nome, até poderíamos ficar esperançosos. Ora aqui está uma designação de qualidade, sonante, cativante e que não tem o tamanho de um paragrafo. Claro que o nome do álbum fica com esse mérito, mas antes assim, nomes de álbuns enormes do que bandas. Conforme a horrível intro “Affair” começa a soar, começamos a dizer mal da nossa vida. Com “Divorce” percebemos que um nome é apenas um nome e que não nos salva da morte choque musical.

Se calhar o dramatismo é demasiado exagerado, confessamos. A dita faixa, até consegue ter uma certa atmosfera tenebrosa, mas aqueles arrotos de máquina de colocar caricas nas garrafas de Coca-Cola que surgem aqui como ritmo são a coisa mais irritante desde que o mundo ocidental viu desde que o Donald Trump se assumiu como candidato à presidência dos E.U.A. e que tem apoio popular o suficiente para que não se considere uma brincadeira de mau gosto. O resultado directo para este tipo de… solução é que, usada em quantidade superior a dois, torna-se brutalmente aborrecida, além de parecer que as músicas são todas iguais.

O pior é que além da suspeita, fica quase a certeza de que as músicas são todas iguais e de que apesar de serem apenas vinte e seis minutos de música, não ameniza a dor que é ouvir isto tudo de seguida. Mesmo tentando ser imparcial e dar a mão à palmatória, entendendo de que este tipo de sonoridade poderá agradar aqueles que gostam deste estilo, terá que se admitir de que “Shades Of Black Won’t Bring Her Back” está demasiadamente ligado a uma série de lugares comuns que todos já vimos (demasiadas) vezes noutros locais e de forma bem mais inspirada. A evitar.


Nota: 2/10

Review por Fernando Ferreira