• Facebook
  • Myspace
  • Twitter
  • Google+

Reviews Mais Recentes


Iron Reagan - Crossover


Lich King - Omniclash


Demonic Resurrection - Dashavatar


Black Anvil - As Was


Benighted - Necrobreed


Mechina - As Embers Turn To Dust


Adamantine - Heroes & Villains


Barathrum - Fanatiko


Persefone - Aathma


Blame Zeus - Theory Of Perception


Kreator - Gods Of Violence


Lock Up - Demonization


Obituary - Obituary


H.O.S.T. - Bastard Of The Fallen Thrones


Antropomorphia - Sermon Ov Warth


Fall From Perfection - Metamorph


Pallbearer - Heartless


Mastodon - Emperor Of Sand


wolfheart - Tyhjyys


Sinister - Syncretism


Primal Attack - Heartless Oppressor


Grog - Ablutionary Rituals

Metal Imperium - Merchandise

.
Para encomendar, enviar email para: metalimperium@gmail.com

Concertos em Destaque

Visitantes

Tradutor

Entrevistas Mais Recentes



































Dying Fetus revelam detalhes do novo álbum

Os Dying Fetus vão lançar o seu novo álbum, "Wrong One To Fuck With", a 23 de Junho pela editora Relapse Records, e será o tão aguardado sucessor de "Reign Supreme", lançado em 2012.(...)

Novembers Doom - Novo álbum disponível para audição na íntegra

O novo álbum dos norte-americanos Novembers Doom, intitulado "Hamartia", é lançado hoje pela The End Records. Este trabalho pode ser ouvido na íntegra através desta ligação. (...)

SWR Barroselas Metalfest XX - Horários das atuações

Ampliando a imagem acima, é possível conhecer o horário de atuação de cada uma das bandas que irá compor o SWR Barroselas Metalfest XX. Recorde-se que o festival ocorre entre os dias 27 e 30 de Abril, em Barroselas. (...)

Tony Iommi está a trabalhar em novo material de Black Sabbath

O já conhecido guitarrista dos Black Sabbath, Tony Iommi confirmou em entrevista que está neste momento a juntar e trabalhar o som do último concerto que a banda deu, em Birmingham, e também há rumores(...)

Tankard lançam novo vídeo com letra

Os Tankard lançaram um novo video com letra para a música "Arena Of The True Lies", que fará parte do seu sétimo álbum de estúdio, "One Foot In The Grave"(...)


Muita expectativa havia (e ainda há) em relação ao sucessor "Yellow / Green" dos Baroness. Principalmente porque já passaram quase quatro anos e porque a banda, pouco depois do lançamento desse álbum duplo, teve um caricato acidente de viação que quase significou o fim da banda. Não significou o fim da banda mas pelo menos provocou algumas mudanças no alinhamento, nomeadamente a saída do baterista Allen Blickle e do baixista Matt Maggioni. Como diz o ditado, aquilo que não nos mata, torna-nos mais forte, e foi isso efectivamente que aconteceu com os Baroness. Tanto com os membros resistentes, tanto com a sua música que foi transportada para os palcos do anterior álbum como aquilo que se pode ouvir neste "Purple", que contou já com a participação dos novos membros, Nick Jost no baixo e Sebastian Thomson na bateria.

Esse velho ditado é nítidamente real com o que se pode ouvir aqui em "Purple". É um álbum com uma força incrível que se sente logo desde o início, com a entrada de "Morningstar". A mistura única que a banda é especializada em fazer entre rock alternativo e meta esta bem presente, mas existe algo, algo de diferente. Uma maior luz, uma maior força que todos os temas transparecem. Força, sobretudo, emocional. Uma maior sensibilidade que temas como a curta instrumental "Fugue", a esmagadora "Chlorine & Wine" (que poderia muito bem ter sido escrita por Roger Waters) e a enorme "If´I Have To Wake Up (Would You Stop The Rain?)", não escondem. Assumem-nos com orgulho.

Marcando o início de uma nova fase da carreira, não só por ser o primeiro trabalho pós-acidente, mas também por ser o primeiro disco que a banda lança na sua própria e recém-criada editora, a Abraxan Hymns, este é um trabalho obrigatório tanto para os fãs da banda como para aqueles que gostam de rock duro mas emocional. Um renascimento que se sente como tal cada vez que se ouve e depois de ouvir a primeira vez, é garantido que muitas mais se vão seguir. Um disco que se torna um vício mais do que pela soma de virtuosismo, de produção potente ou de ganchos nos seus refrões. Torna-se um vício pela emoção visceral que contém, essa que é sempre mais difícil de capturar em disco.


Nota: 8.8/10

Review por Fernando Ferreira