• Facebook
  • Myspace
  • Twitter
  • Google+

Reviews Mais Recentes


Vita Imana - El M4l


Overkill - The Grinding Wheel


Time Lurker - Time Lurker


Warbringer - Woe to the Vanquished



Akercocke - Renaissance in Extremis


Neige et Noirceur - Verglapolis


Process Of Guilt - Black Earth


Dephosphorus - Impossible Orbits


Samsara Blues Experiment - One With the Universe


Æther Realm - Tarot


Psygnosis - Neptune


Schammasch - The Maldoror Chants: Hermaphrodite


Altar of Betelgeuze - Among The Ruins


Nargaroth - Era of Threnody


Condor - Unstoppable Power


Holy Blood - Glory to the Heroes


The Flight of Sleipnir - Skadi


The Obsessed - Sacred


Necroblood - Collapse of the Human Race


Full of Hell - Trumpeting Ecstasy


Funeralium - Of Throes And Blight


Nightbringer - Terra Damnata


The Sarcophagus - Beyond This World's Illusion


Chaos Synopsis - Gods of Chaos


Farsot - Fail.Lure


Unearthly Trance - Stalking the Ghost


Daemon Forest - Dissonant Walk


The Ruins of Beverast - Exuvia


Novembers Doom - Hamartia


Funeral Tears - Beyond The Horizon



Summoner - Beyond the Realm of Light

Metal Imperium - Merchandise

.
Para encomendar, enviar email para: metalimperium@gmail.com

Concertos em Destaque

Tradutor

Entrevistas Mais Recentes



































Queens of the Stone Age confirmados no NOS Alive'18

Os Queens of the Stone Age foram confirmados para a próxima edição do NOS Alive, que vai ocorrer entre os dias 12 e 14 de Julho de 2018(...)

Under The Doom V anuncia um cancelamento e respetiva substituição

O cartaz do Under The Doom V, que vai ocorrer entre os dias 30 de Novembro e 2 de Novembro, acaba de sofrer uma ligeira alteração. Os franceses Funeraliumoi (...)

Corrosion Of Conformity lançam novo álbum em Janeiro

Os americanos Corrosion Of Conformity estão a preparar-se para lançar, a 12 de Janeiro, o seu novo álbum “No Cross No Crown”, pela Nuclear Blast Entertainment. (...)

SWR Barroselas Metalfest revela primeiras confirmações

O festival SWR Barroselas Metalfest anunciou hoje as primeiras confirmações para a edição do próximo ano. O evento, que vai ter lugar de 27 a 29 de Abril(...)

Graveyard em Portugal - Revelada banda de abertura

Como é sabido, os suecos Graveyard vão atuar na sala Lisboa Ao Vivo, já no próximo dia 25 de Novembro. Os portugueses(...)


Muita expectativa havia (e ainda há) em relação ao sucessor "Yellow / Green" dos Baroness. Principalmente porque já passaram quase quatro anos e porque a banda, pouco depois do lançamento desse álbum duplo, teve um caricato acidente de viação que quase significou o fim da banda. Não significou o fim da banda mas pelo menos provocou algumas mudanças no alinhamento, nomeadamente a saída do baterista Allen Blickle e do baixista Matt Maggioni. Como diz o ditado, aquilo que não nos mata, torna-nos mais forte, e foi isso efectivamente que aconteceu com os Baroness. Tanto com os membros resistentes, tanto com a sua música que foi transportada para os palcos do anterior álbum como aquilo que se pode ouvir neste "Purple", que contou já com a participação dos novos membros, Nick Jost no baixo e Sebastian Thomson na bateria.

Esse velho ditado é nítidamente real com o que se pode ouvir aqui em "Purple". É um álbum com uma força incrível que se sente logo desde o início, com a entrada de "Morningstar". A mistura única que a banda é especializada em fazer entre rock alternativo e meta esta bem presente, mas existe algo, algo de diferente. Uma maior luz, uma maior força que todos os temas transparecem. Força, sobretudo, emocional. Uma maior sensibilidade que temas como a curta instrumental "Fugue", a esmagadora "Chlorine & Wine" (que poderia muito bem ter sido escrita por Roger Waters) e a enorme "If´I Have To Wake Up (Would You Stop The Rain?)", não escondem. Assumem-nos com orgulho.

Marcando o início de uma nova fase da carreira, não só por ser o primeiro trabalho pós-acidente, mas também por ser o primeiro disco que a banda lança na sua própria e recém-criada editora, a Abraxan Hymns, este é um trabalho obrigatório tanto para os fãs da banda como para aqueles que gostam de rock duro mas emocional. Um renascimento que se sente como tal cada vez que se ouve e depois de ouvir a primeira vez, é garantido que muitas mais se vão seguir. Um disco que se torna um vício mais do que pela soma de virtuosismo, de produção potente ou de ganchos nos seus refrões. Torna-se um vício pela emoção visceral que contém, essa que é sempre mais difícil de capturar em disco.


Nota: 8.8/10

Review por Fernando Ferreira