• Facebook
  • Myspace
  • Twitter
  • Google+

Reviews Mais Recentes


Vita Imana - El M4l


Overkill - The Grinding Wheel


Time Lurker - Time Lurker


Warbringer - Woe to the Vanquished



Akercocke - Renaissance in Extremis


Neige et Noirceur - Verglapolis


Process Of Guilt - Black Earth


Dephosphorus - Impossible Orbits


Samsara Blues Experiment - One With the Universe


Æther Realm - Tarot


Psygnosis - Neptune


Schammasch - The Maldoror Chants: Hermaphrodite


Altar of Betelgeuze - Among The Ruins


Nargaroth - Era of Threnody


Condor - Unstoppable Power


Holy Blood - Glory to the Heroes


The Flight of Sleipnir - Skadi


The Obsessed - Sacred


Necroblood - Collapse of the Human Race


Full of Hell - Trumpeting Ecstasy


Funeralium - Of Throes And Blight


Nightbringer - Terra Damnata


The Sarcophagus - Beyond This World's Illusion


Chaos Synopsis - Gods of Chaos


Farsot - Fail.Lure


Unearthly Trance - Stalking the Ghost


Daemon Forest - Dissonant Walk


The Ruins of Beverast - Exuvia


Novembers Doom - Hamartia


Funeral Tears - Beyond The Horizon



Summoner - Beyond the Realm of Light

Metal Imperium - Merchandise

.
Para encomendar, enviar email para: metalimperium@gmail.com

Concertos em Destaque

Tradutor

Entrevistas Mais Recentes



































Queens of the Stone Age confirmados no NOS Alive'18

Os Queens of the Stone Age foram confirmados para a próxima edição do NOS Alive, que vai ocorrer entre os dias 12 e 14 de Julho de 2018(...)

Under The Doom V anuncia um cancelamento e respetiva substituição

O cartaz do Under The Doom V, que vai ocorrer entre os dias 30 de Novembro e 2 de Novembro, acaba de sofrer uma ligeira alteração. Os franceses Funeraliumoi (...)

Corrosion Of Conformity lançam novo álbum em Janeiro

Os americanos Corrosion Of Conformity estão a preparar-se para lançar, a 12 de Janeiro, o seu novo álbum “No Cross No Crown”, pela Nuclear Blast Entertainment. (...)

SWR Barroselas Metalfest revela primeiras confirmações

O festival SWR Barroselas Metalfest anunciou hoje as primeiras confirmações para a edição do próximo ano. O evento, que vai ter lugar de 27 a 29 de Abril(...)

Graveyard em Portugal - Revelada banda de abertura

Como é sabido, os suecos Graveyard vão atuar na sala Lisboa Ao Vivo, já no próximo dia 25 de Novembro. Os portugueses(...)


Quem é Nuno Canavarro? Poderá ser parvo (e é, definitivamente!) mas muitos dos nossos caros cidadãos de nacionalidade portuguesa não saberão de quem se trata. Se soubessem, ficariam cheios de orgulhos. Este álbum, “Plux Quba” foi lançado originalmente em 1988, tendo direito a duas reedições, em 1998 e em 2005, sempre esgotando. Agora a Drag City, pega mesmo nessa reedição a cargo da Moikai, e disponibiliza-a para um novo e (espera-se) para um mais alargado público. Curiosos? É impossível não ficar após isto, não é?

É certo que o underground da música electrónico é pródigo em coisas deste género, principalmente no final da década de oitenta. Pequenos tesourinhos que são muito fáceis de ficarem esquecidos no tempo e no entulho. Felizmente existem aqueles que não se permite a tal mesmo que se considere como alguma surpresa para alguns dos nossos leitores que se tivesse uma obra destas no nosso histórico – e que a notícia da existência o mesmo surge-nos do estrangeiro! Ora tendo em conta a toda a esquisitice que já ouvimos neste novo milénio – nem falamos da esquisitice que nos surgiu no final do milénio – isto até pode parecer algo banal, no entanto, é uma obra que merece todo o nosso respeito. E chega-se a esta conclusão não muito tempo após de ouvir “Plux Quba”.

Com alguns apontamentos de noise, que são de uma ingenuidade mas ao mesmo tempo genialidade pura, temos outras peças (como a “Wask” e a claustrofobia da “O Fundo Escuro De Alsee”) que nos mostram o que era o ambiente muito antes de se falar de forma tão aberta deste género – não é um género comercial mas é inegável que hoje em dia há uma maior abertura por parte do público a este tipo de projectos mais experimentais. É um álbum que se torna viciante pela forma como flui e como nos transmite vários moods, sem estar propriamente ligado aos lugares comuns do estilo. Para um trabalho de 1988, não está na mal. Nada mal mesmo. Uma boa oportunidade de agarrar um pouco da história da nossa música experimental.


Nota: 8.5/10

Review por Fernando Ferreira