• Facebook
  • Myspace
  • Twitter
  • Google+

Reviews Mais Recentes


Rasgo - Ecos da Selva Urbana


Terror Empire - Obscurity Rising


Painted Black - Raging Light


Wolves in the Throne Room - Thrice Woven


Celeste - Infidèle(s)


Moonspell - 1755


Battle Dagorath - II - Frozen Light of Eternal Darkness


Kalmankantaja - Routamaa


Archspire - Relentless Mutation


Tod Huetet Uebel - N.A.D.A


Benthik Zone - Via Cosmicam ad Europam ab Gelid Inferis


Acherontas - Amarta अमर्त (Formulas of Reptilian Unification Part II)


Progenie Terrestre Pura - oltreLuna


Vita Imana - El M4l


Overkill - The Grinding Wheel


Time Lurker - Time Lurker


Warbringer - Woe to the Vanquished



Akercocke - Renaissance in Extremis


Neige et Noirceur - Verglapolis


Concertos em Destaque

Tradutor

Entrevistas Mais Recentes



































System of a Down têm músicas novas

Afinal não há nenhum problema com os System of a Down. É Serj Tankian quem o afirma, numa entrevista recente concedida à Rolling Stone. Na verdade a banda tem músicas novas, (...)

Simbiose, Alien Squad, Dokuga atuam no Porto em fevereiro

Os nacionais Simbiose, Alien Squad e Dokuga vão tocar no Metalpoint (Porto), no dia 3 de fevereiro do próximo ano.(...)

Hourswill apresentam novo álbum na companhia dos Inner Blast, The Chapter e Scarmind

Os Hourswill apresentam ao vivo o seu mais recente álbum, "Harm Full Embrace", dia 13 de janeiro, no RCA Club em Lisboa.(...)

Kamelot lançam novo vídeo e revelam novidades para 2018

Os Kamelot disponibilizaram o novo vídeo do tema "Under Grey Skies", que conta com a participação da vocalista dos Delain, Charlotte Wessels.(...)

Graveyard a gravar novo álbum

Os suecos Graveyard encontram-se nos Park Studios, em Estocolmo, a gravar o seu próximo álbum de estúdio, sucessor de "Innocence and Decadence", lançado no ano 2015. (...)



Poderão pensar logo “que raio de nome é este, afinal?” que não vos ficámos a olhar de lado. Foi exactamente o que pensámos também. A banda norueguesa parece uma reciclado de Celtic Frost do novo milénio, mais javardo e com menos cuidado nos arranjos, havendo aqui o inevitável “OUGH!” a surgir volta e meio no início das músicas. Antes de mergulhar nesta reedição dos dois últimos álbuns e na profunda questão se a reedição se justifica ou não, vamos lá mergulhar nas águas turvas desta banda norueguesa.

A banda tem toda uma aura punk tingida a black metal e sludge (incrível as coisas que chamamos de sludge hoje em dia e que antes era simplesmente Celtic Frost) que não corresponde à sua imagem – o que por um lado é refrescante – e essa aura, traz-nos dois álbuns particularmente diferentes. “Snakereigns” é um monstro de punk metalizado a lembrar um cruzamento como se tivéssemos os Celtic Frost a procriar que nem uns animais com os Misfits, com direito a arrastamento ameaçador e tudo na “We So Heavy”.

Já “Night Jerks” é um bicharoco diferente principalmente por se tratar do primeiro álbum após a lesão de BlackRace que foi o guitarrista da banda e passou para os teclados por estar incapacitado para tocar guitarra. Apesar da aura negra e podre continuar bem presente, temos algo mais que quase que transforma em algo new wave e industrial – como “Rose Crux” e o épico exagerado “Cosmic Wynter” comprovam. Ouvir estes dois álbuns seguidos é surreal porque chega a uma certa parte de “Night Jerks” que pensamos estar a ouvir uma qualquer compilação de som da vanguarda obscuro e não a mesma banda.

O melhor será mesmo ouvir os trabalhos em separado, é o caso típico em que menos é mais. A nota terá de reflectir obrigatoriamente a soma dos dois. Pelo texto acima não difícil perceber onde está o desequilíbrio.


Nota: 6/10

Review por Fernando Ferreira