• Facebook
  • Myspace
  • Twitter
  • Google+

Reviews Mais Recentes


Rasgo - Ecos da Selva Urbana


Terror Empire - Obscurity Rising


Painted Black - Raging Light


Wolves in the Throne Room - Thrice Woven


Celeste - Infidèle(s)


Moonspell - 1755


Battle Dagorath - II - Frozen Light of Eternal Darkness


Kalmankantaja - Routamaa


Archspire - Relentless Mutation


Tod Huetet Uebel - N.A.D.A


Benthik Zone - Via Cosmicam ad Europam ab Gelid Inferis


Acherontas - Amarta अमर्त (Formulas of Reptilian Unification Part II)


Progenie Terrestre Pura - oltreLuna


Vita Imana - El M4l


Overkill - The Grinding Wheel


Time Lurker - Time Lurker


Warbringer - Woe to the Vanquished



Akercocke - Renaissance in Extremis


Neige et Noirceur - Verglapolis


Concertos em Destaque

Tradutor

Entrevistas Mais Recentes



































System of a Down têm músicas novas

Afinal não há nenhum problema com os System of a Down. É Serj Tankian quem o afirma, numa entrevista recente concedida à Rolling Stone. Na verdade a banda tem músicas novas, (...)

Simbiose, Alien Squad, Dokuga atuam no Porto em fevereiro

Os nacionais Simbiose, Alien Squad e Dokuga vão tocar no Metalpoint (Porto), no dia 3 de fevereiro do próximo ano.(...)

Hourswill apresentam novo álbum na companhia dos Inner Blast, The Chapter e Scarmind

Os Hourswill apresentam ao vivo o seu mais recente álbum, "Harm Full Embrace", dia 13 de janeiro, no RCA Club em Lisboa.(...)

Kamelot lançam novo vídeo e revelam novidades para 2018

Os Kamelot disponibilizaram o novo vídeo do tema "Under Grey Skies", que conta com a participação da vocalista dos Delain, Charlotte Wessels.(...)

Graveyard a gravar novo álbum

Os suecos Graveyard encontram-se nos Park Studios, em Estocolmo, a gravar o seu próximo álbum de estúdio, sucessor de "Innocence and Decadence", lançado no ano 2015. (...)


Os Raw são um duo canadiano que à partida poderá parecer demasiado ambicioso para o seu próprio bem. Se atentarmos às palavras escritas no press-release, então teríamos, muito sucintamente, uma mistura entre rock psicadélico, country, o típico blues do Delta do Mississipi e ainda o black metal. Parece bom demais para ser verdade, não é? Bom demais existir algo assim e bom demais que, existindo, o resultado seja algo para recordar mais tarde.

A faixa de abertura não nos desfaz muito as dúvidas que possamos ter. Não é má, mas também não chama particularmente a atenção. Com a “Chopped Em Up” já começamos a detectar um padrão, em que temos um ritmo levemente blues, distorcido e que ajudado pela voz rouca e meio rasgada, acaba por resultar num tema que é mais doom do que propriamente black metal. Com “Slowly But Rarely” temos então, finalmente, o tão feeling descaradamente blues/rock’n’roll que até funciona muito bem, mas, mais uma vez, nada de black metal. E é por esta altura que desistimos de procurar e apenas concentrar-nos na música em si.

Mesmo que o black metal seja apenas miragem por aqui, sem dúvida que “From The First Glass To The Grave” é um álbum que se ouve muito bem, indo buscar as raízes do rock e, indirectamente, da música pesada, resultando em músicas que têm uma ambiência muito negra e intensa e até cinematográfica que nos envolve lentamente e da qual não queremos mais largar. Teremos que destacar obrigatoriamente o tema-título épico (com mais de quinze minutos) que é uma autêntica viagem e sem dúvida o ponto alto desta estreia.

As associações feitas dos estilos todos mencionados no primeiro parágrado ao black metal é sempre uma ferramenta de marketing vencedora, embora neste caso fosse escusada, até porque até mesmo a parte metal em si não é de todo evidente. Questões de rótulos aparte, este é um álbum que vale a pena conhecer e para quem gosta de coisas stoner/doom, sem dúvida que vai apreciar estas seis faixas (e trinta e nove minutos) que acabam por soar a pouco.


Nota: 7/10

Review por Fernando Ferreira