• Facebook
  • Myspace
  • Twitter
  • Google+

Reviews Mais Recentes


Vita Imana - El M4l


Overkill - The Grinding Wheel


Time Lurker - Time Lurker


Warbringer - Woe to the Vanquished



Akercocke - Renaissance in Extremis


Neige et Noirceur - Verglapolis


Process Of Guilt - Black Earth


Dephosphorus - Impossible Orbits


Samsara Blues Experiment - One With the Universe


Æther Realm - Tarot


Psygnosis - Neptune


Schammasch - The Maldoror Chants: Hermaphrodite


Altar of Betelgeuze - Among The Ruins


Nargaroth - Era of Threnody


Condor - Unstoppable Power


Holy Blood - Glory to the Heroes


The Flight of Sleipnir - Skadi


The Obsessed - Sacred


Necroblood - Collapse of the Human Race


Full of Hell - Trumpeting Ecstasy


Funeralium - Of Throes And Blight


Nightbringer - Terra Damnata


The Sarcophagus - Beyond This World's Illusion


Chaos Synopsis - Gods of Chaos


Farsot - Fail.Lure


Unearthly Trance - Stalking the Ghost


Daemon Forest - Dissonant Walk


The Ruins of Beverast - Exuvia


Novembers Doom - Hamartia


Funeral Tears - Beyond The Horizon



Summoner - Beyond the Realm of Light

Metal Imperium - Merchandise

.
Para encomendar, enviar email para: metalimperium@gmail.com

Concertos em Destaque

Tradutor

Entrevistas Mais Recentes



































Queens of the Stone Age confirmados no NOS Alive'18

Os Queens of the Stone Age foram confirmados para a próxima edição do NOS Alive, que vai ocorrer entre os dias 12 e 14 de Julho de 2018(...)

Under The Doom V anuncia um cancelamento e respetiva substituição

O cartaz do Under The Doom V, que vai ocorrer entre os dias 30 de Novembro e 2 de Novembro, acaba de sofrer uma ligeira alteração. Os franceses Funeraliumoi (...)

Corrosion Of Conformity lançam novo álbum em Janeiro

Os americanos Corrosion Of Conformity estão a preparar-se para lançar, a 12 de Janeiro, o seu novo álbum “No Cross No Crown”, pela Nuclear Blast Entertainment. (...)

SWR Barroselas Metalfest revela primeiras confirmações

O festival SWR Barroselas Metalfest anunciou hoje as primeiras confirmações para a edição do próximo ano. O evento, que vai ter lugar de 27 a 29 de Abril(...)

Graveyard em Portugal - Revelada banda de abertura

Como é sabido, os suecos Graveyard vão atuar na sala Lisboa Ao Vivo, já no próximo dia 25 de Novembro. Os portugueses(...)


Os Whitechapel podem ser considerados as melhores coisinhas que surgiram dentro da praga deathcore mas isso não quer dizer que sejam unanimamente reconhecidos, o que nos leva àquele ponto do quem gosta, gosta. Quem não gosta, já exige um pouco mais de trabalho e paciência, algo que a maior parte dos amantes da música actualmente, mesmo dentro do nosso som sagrado, não está para dispender. Aqui talvez a coisa esteja no meio termo, tanto para os fãs como para os demais, havendo razões para interessar que nunca encontrou nada de especial no seu som, embora aquelas características que os fizeram detestar (a eles e ao género deathcore) estejam bem presentes.

A "The Void" que tem honras da abertura deste "Mark Of The Blade" ainda consegue enganar, com alguns feelings de death metal, mas ao entrarmos pelo tema título adentro, damos de cara com aqueles riffs gingões, cheios de groove mas de pouca substância que nos irritam solenemente. A lado positivo (porque até mesmo no negativo, é possível encontrar algo positivo) é que a produção pujante faz com que estas bolas ao lado, mesmo assim, soem bem e sejam suportáveis. De outra forma, como conseguiríamos aguentar o início bem previsível da "Elistist Ones" e da "Tremors" (esta última demasiado Meshugguizada para o seu próprio bem)?

Por outro lado, podemos considerar que temos aqui a primeira balada de sempre dos Whitechapel, com a "Bring Me Home" a apresentar vocalizações limpas de Phil Bozeman que dão repentes tanto de Mikael Akerfeldt como de Corey Taylor, num tema que apesar de não ser nada de novo, acaba por surpreender e por apresentar uma nova hipótese de evolução. De resto, é como dissemos. Quem gosta, vai continuar a gostar, quem não gostou pode ficar fascinado com alguns momentos que são realmente eficazes, mas o feeling geral do trabalho é mais do mesmo, sem grandes novidades. É um álbum interessante mas ainda deathcore, e como tal esgota-nos.


Nota: 6/10


Review por Fernando Ferreira