• Facebook
  • Myspace
  • Twitter
  • Google+

Reviews Mais Recentes

Symphony X - Underworld




Riverside - Love Fear And The Time Machine




Amorphis - Under The Red Cloud





Flayed - Monster Man




Ivanhoe - 7 Days




Elferya - Eden's Fall




Spektr - The Art To Disappear




Rab - Rab 2




Exumer - The Raging Tides




Tales Of The Tomb - Volume One Morprhas




Dimino - Old Habits Die Hard




Roxxcalibur - Gems Of The NWOBHM





The Fifth Alliance - Death Poems




Augrimmer - Moth And The Moon




The Great Tyrant - The Trouble With Being Born




Weeping Silence - Opus IV - Oblivion




Watercolour Ghosts - Watercolour Ghosts




Hexx - Under The Spell/ No Escape




Deseized - A Thousand Forms Of Action




Razor Rape - Orgy In Guts




Sadist - Hyaena




Xandria - Fire & Ashes




Alien Syndrome 777 - Outer




Asylum Pyre - Spirited Away




Canyon Of The Skell - Canyon Of The Skull




Chron Goblin - Blackwater




Extreme Cold Winter - Paradise Ends Here

Metal Imperium - Merchandise

.
Para encomendar, enviar email para: metalimperium@gmail.com

Concertos em Destaque

Visitantes

Tradutor

Entrevistas Mais Recentes



















Entrevista aos Wintersun

Os Wintersun estão de volta mas só acede ao novo álbum “The Forest Seasons” quem participar na campanha de crowdfunding que se iniciou no dia 1 de março e que terminará no dia 31 do mesmo mês. (...)

Vallenfyre revelam detalhes do novo álbum

O próximo álbum dos Vallenfyre, intitulado "Fear Those Who Fear Him", será lançado a 2 de Junho pela Century Media Records. O 3º álbum da banda foi gravado (...)

Hail Of Bullets chegam ao fim

A guerra dos Hail Of Bullets chegou ao fim. A banda holandesa colocou um término na sua luta e para a história ficaram álbuns como "...of Frost and War", (...)

Novembers Doom lançam novo vídeo

Os Novembers Doom, banda oriunda de Chicago, acaba de lançar um novo vídeo com a letra. Retirada do seu décimo álbum, “Zephyr”, foi, desta feita, a escolhida.(...)

Testament preparam lançamento de novo álbum e livro

Apesar do seu último álbum "Brotherhood Of The Snake" ter sido lançado há apenas cinco meses, os Testament encontram-se já a trabalhar no seu sucessor. A revelação surgiu numa entrevista(...)


Os Whitechapel podem ser considerados as melhores coisinhas que surgiram dentro da praga deathcore mas isso não quer dizer que sejam unanimamente reconhecidos, o que nos leva àquele ponto do quem gosta, gosta. Quem não gosta, já exige um pouco mais de trabalho e paciência, algo que a maior parte dos amantes da música actualmente, mesmo dentro do nosso som sagrado, não está para dispender. Aqui talvez a coisa esteja no meio termo, tanto para os fãs como para os demais, havendo razões para interessar que nunca encontrou nada de especial no seu som, embora aquelas características que os fizeram detestar (a eles e ao género deathcore) estejam bem presentes.

A "The Void" que tem honras da abertura deste "Mark Of The Blade" ainda consegue enganar, com alguns feelings de death metal, mas ao entrarmos pelo tema título adentro, damos de cara com aqueles riffs gingões, cheios de groove mas de pouca substância que nos irritam solenemente. A lado positivo (porque até mesmo no negativo, é possível encontrar algo positivo) é que a produção pujante faz com que estas bolas ao lado, mesmo assim, soem bem e sejam suportáveis. De outra forma, como conseguiríamos aguentar o início bem previsível da "Elistist Ones" e da "Tremors" (esta última demasiado Meshugguizada para o seu próprio bem)?

Por outro lado, podemos considerar que temos aqui a primeira balada de sempre dos Whitechapel, com a "Bring Me Home" a apresentar vocalizações limpas de Phil Bozeman que dão repentes tanto de Mikael Akerfeldt como de Corey Taylor, num tema que apesar de não ser nada de novo, acaba por surpreender e por apresentar uma nova hipótese de evolução. De resto, é como dissemos. Quem gosta, vai continuar a gostar, quem não gostou pode ficar fascinado com alguns momentos que são realmente eficazes, mas o feeling geral do trabalho é mais do mesmo, sem grandes novidades. É um álbum interessante mas ainda deathcore, e como tal esgota-nos.


Nota: 6/10


Review por Fernando Ferreira