• Facebook
  • Myspace
  • Twitter
  • Google+

Candidata-te

A Metal Imperium encontra-se a recrutar colaboradores para redação de notícias, reviews de álbuns ou entrevistas a bandas.

Quem quiser fazer parte desta equipa poderá candidatar-se contactando-nos por email: metalimperium@gmail.com



Reviews Mais Recentes

Uada - Cult of the Dying Sun


Occultum - In Nomine Rex Inferni


Monolithe - Nebula Septem


Morag Tong - Last Knell of Om


Haunted - Dayburner


Djevel - Blant Svarte Graner


Raw Decimating Brutality - Era Matarruana


Czort - Czarna Ewangelia


Kinetik - Critical Fallout


Dopethrone - Transcanadian Anger


Abhor - Occulta ReligiO


Refuge - Solitary Men


Sevendust - All I See Is War


Black Fast - Spectre of Ruin


Sleep - The Sciences


Tomb Mold - Manor of Infinite Forms


Taphos - Come Ethereal Somberness


Wrath Sins - The Awakening


Judas Priest - Firepower


Bleeding Through - Love Will Kill All


Ihsahn - Àmr


Alkaloid - Liquid Anatomy


Filii Nigrantium Infernalium - "Fellatrix


Amorphis - Queen of Time


Ghost - Prequelle


Angelus Apatrida - Cabaret de la Guillotine


Bleed From Within - Era


Painted Black - Raging Light


Necrobode - Metal Negro da Morte


Pestilence - Hadeon


Tortharry - Sinister Species


Inframonolithium - Mysterium


Somali Yacht Club - The Sea


Dallian - Automata


Concertos em Destaque

Tradutor

Entrevistas Mais Recentes



































Alcest revelam detalhes sobre novo álbum

Depois de um longo e intenso período de trabalho no Drudenhaus Studio, os Alcest anunciaram o término das gravações do seu sexto registo. (...)

Korn lançam novo álbum em setembro e divulgam novo single

Os Korn preparam-se para lançar o seu novo álbum, "The Nothing", no dia 13 de setembro, através da Roadrunner/Elektra

Killswitch Engage lançam novo single

Os Killswitch Engage continuam a antecipar o seu novo álbum. Para o efeito, a banda divulgou agora o primeiro single do mesmo, "Unleashed", que pode ser ouvido (...)

Testament - Novo álbum será lançado no princípio do próximo ano

O vocalista Chuck Billy e o guitarrista Eric Peterson revelaram há dias, no festival francês Hellfest, que gravaram todas as faixas para o próximo álbum (...)

Possessed, Burn Damage @ RCA Club, Lisboa – 18Jun2019

Quando eu era um jovem apreciador de metal, nos finais da década de 80, Portugal era um deserto no que toca a concertos de sons mais pesados, e quando havia algum, por exemplo no mítico Pavilhão do Dramático de Cascais, (...)


A Metal Imperium teve a oportunidade de falar com Rusty Brown, vocalista dos Electric Mary, nas vésperas do próximo concerto da banda nosso país, a realizar-se no próximo dia 9 de Outubro, na Cave 45 (Porto). 

M.I. - São oriundos da Austrália e entram numa digressão europeia que só envolve três países, Portugal, Espanha e França. Qual a razão?

Há um par de anos que não tocámos nesses sítios e em Junho planeamos regressar e fazer outros países.


M.I. - E estão agora a lançar um disco ao vivo, gravado em Espanha… Porque é tão importante a Espanha?

Desde o dia em que pusemos os pés em Espanha, para o nosso primeiro concerto lá, que só temos recebido boas críticas e ganho adeptos. Lá todos parecem ser apaixonados por Rock’N’Roll e gravamos o “Hell Dorado”, num excelente concerto, numa grande sala.


M.I. - É um duplo CD, certo?

Sim, corresponde à gravação de duas noites em que tocámos na sala Hell Dorado, no País Basco. Capturamos a energia do público nessas duas noites, também fizemos vídeo e espero poder lançar isso, num futuro próximo.


M.I. - Depois de todos estes anos, desde que se formaram, ainda são vocês a tratar de management e todos esses assuntos desagradáveis e maçadores. É uma atitude, mas algo que vos ocupa tempo. Como conseguem coordenar isso?

Adoro meter mãos à massa e estar perto das coisas, embora agora exista uma pequena companhia de management a trabalhar com a gente, que nos irá providenciar serviços que tornarão melhor Electric Mary. Meso assim, ainda sou eu a tratar das datas para os concertos, o Pete trata do website, Brett e Davey, ficam na sombra e tratam parecer bem nas fotos.


M.I. - Falavas de voltares, referes-te a regressares a festivais de Verão? Numa entrevista queixavas-te do difícil que era conseguir uma posição num cartaz.

Nunca me queixo, prefiro seguir em frente. Ainda guardo muito boas memórias do Hellfest de 2010 e da nossa presença por lá. Quero muito voltar a passar lá e ter a mesma sensação. Os últimos grandes concertos que fizemos, foi com Def Leppard, que correram muito bem e foram espetaculares.


M.I. - Sendo australianos, pensa-se sempre em AC/DC ou Rose Tattoo, mas quando se escuta o vosso Hard Rock, lembra o som dos grupos americanos. Porque saiu assim?

Eu e o Pete temos as nossas raízes musicais, assentes na história britânica do Rock, sendo os Deep Purple a minha banda favorita de sempre. Já tive a sorte de tocar com Deep Purple, Whitesnake e Glenn Hughes. Muita gente diz que soamos americanos, mas isso nunca foi propositado. Somos cinco tipos, cada um com o seu próprio ADN musical e quando juntamos tudo e misturamos musicalmente, o resultado é Electric Mary.


M.I. - No final dos anos oitenta, inícios dos noventa, surgiram alguns novos nomes australianos como Kings Of The Sun e Baby Animals… e hoje? Como está a cena Hard Rock Australiana?

Para ser honesto, passo os dias e noites, metido nas minhas próprias coisas e há muito que não saio para ir ver uma banda tocar. Trabalhamos com um grupo chamado Palace Of The King que me chamou à atenção, mas apenas isso. Falas de Baby Animals e tivemos a sorte de ter, durante algum tempo, o grande Dave Leslie, a tocar com Electric Mary, no ano passado, em diversas ocasiões. Um grande guitarrista e uma excelente pessoa.


M.I. - Tens boas histórias na tua carreira, uma delas, li numa entrevista… dizia que foste proibido de olhar para a Annie Lennox…

Arghh! Sim. Isso ainda me faz ter arrepios de espinha, pelas razões erradas. Ela é, sem dúvida, uma grande cantora, mas muito limitada enquanto ser humano. Mas a má experiência que tive com ela, ajudou-me a saber estar quando me encontro com os meus heróis musicais. Falar quando falam contigo, e não ficar a olhar mais do que o necessário!


Entrevista por Emanuel Ferreira