• Facebook
  • Myspace
  • Twitter
  • Google+

Reviews Mais Recentes


Rasgo - Ecos da Selva Urbana


Terror Empire - Obscurity Rising


Painted Black - Raging Light


Wolves in the Throne Room - Thrice Woven


Celeste - Infidèle(s)


Moonspell - 1755


Battle Dagorath - II - Frozen Light of Eternal Darkness


Kalmankantaja - Routamaa


Archspire - Relentless Mutation


Tod Huetet Uebel - N.A.D.A


Benthik Zone - Via Cosmicam ad Europam ab Gelid Inferis


Acherontas - Amarta अमर्त (Formulas of Reptilian Unification Part II)


Progenie Terrestre Pura - oltreLuna


Vita Imana - El M4l


Overkill - The Grinding Wheel


Time Lurker - Time Lurker


Warbringer - Woe to the Vanquished



Akercocke - Renaissance in Extremis


Neige et Noirceur - Verglapolis


Concertos em Destaque

Tradutor

Entrevistas Mais Recentes



































System of a Down têm músicas novas

Afinal não há nenhum problema com os System of a Down. É Serj Tankian quem o afirma, numa entrevista recente concedida à Rolling Stone. Na verdade a banda tem músicas novas, (...)

Simbiose, Alien Squad, Dokuga atuam no Porto em fevereiro

Os nacionais Simbiose, Alien Squad e Dokuga vão tocar no Metalpoint (Porto), no dia 3 de fevereiro do próximo ano.(...)

Hourswill apresentam novo álbum na companhia dos Inner Blast, The Chapter e Scarmind

Os Hourswill apresentam ao vivo o seu mais recente álbum, "Harm Full Embrace", dia 13 de janeiro, no RCA Club em Lisboa.(...)

Kamelot lançam novo vídeo e revelam novidades para 2018

Os Kamelot disponibilizaram o novo vídeo do tema "Under Grey Skies", que conta com a participação da vocalista dos Delain, Charlotte Wessels.(...)

Graveyard a gravar novo álbum

Os suecos Graveyard encontram-se nos Park Studios, em Estocolmo, a gravar o seu próximo álbum de estúdio, sucessor de "Innocence and Decadence", lançado no ano 2015. (...)



Ainda talvez a saborear o êxito que foi o Moita Metal Fest 2017, a equipa que o produziu criou o conceito “MMF Sessions”, estabelecendo ao longo do ano uma continuidade da sua actividade  e trazendo a Portugal bandas de qualidade. Na passada sexta-feira, 19 de maio, o RCA Club , em Lisboa, recebeu uma delas, com o regresso a Portugal dos espanhóis Angelus Apatrida, poucos dias antes de abrirem para Slayer, nos concertos da banda norte-americana no país de nuestros hermanos.

O relógio marcava poucos minutos depois das 21h30 quando entraram em palco os Toxikull, que trouxeram de Cascais o seu speed thrash a mil à hora. Aproveitando o concerto no RCA para encerrar a sua “Black Sheep Tour”, que desde início de Abril viu a banda actuar em diversos clubes e festivais de Portugal e Espanha, Lex Thunder e companhia mostraram um excelente entrosamento, debitando uma mão cheia de faixas do seu CD de estreia (“Black Sheep” – Non Nobis, 2016) com muito power, e isto apesar do pouco público que à hora da sua atuação estava na sala. Destaque para “Vicious Life”, um tema do mais puro speed metal, e “The Shepherd”, o último tema do alinhamento, onde Antim concilia a tarefa de baixista com a vocalização, e que culminou um curto mas brutal desempenho dos Toxikull.

Breve pausa para mudança de material e do pano que atrás do baterista publicitava a banda em palco, e tomam posição os In Chaos, para uma prestação que apesar de ter raiado o brilhantismo, acabou marcada por imensos problemas com o amplificador do guitarrista-solo Jorge Martins, e que teve mesmo de ser mudado a meio do concerto (com um agradecimento público aos Toxikull pelo empréstimo). A actuação da banda lisboeta centrou-se no seu LP de estreia, “From Chaos Rises Order” (2016, Music In MY Soul), com o seu heavy/thrash melódico a preparar de forma muito competente para o que viria depois. Mesmo com os problemas na amplificação, Jorge Martins é um dos melhores instrumentistas, e a sua prestação em faixas como “In Hell”, “Dropzone” ou “World War III”, a encerrar o concerto, foi incrível de ver. André Marinho é um baixista/vocalista muito confiante e extremamente capaz, liderando um grupo extremamente coeso, que conquista cada vez mais público a cada concerto que passa. A quantidade de pessoas que envergava a t-shirt da banda é disso testemunho!

Nova pausa para troca de algum material de amplificação e começam a ocupar o seu lugar os membros dos Angelus Apatrida, que aproveitam o tempo para uma rápida afinação e troca de ideias com o técnico de som da sala.

Se há regra facilmente aplicada ao metal é a de que vamos ter verdadeiro speed metal se o guitarrista-solo aparecer em palco com uma Flying V da Jackson. O regresso a palcos nacionais do quarteto espanhol Angelus Apatrida foi uma celebração do thrash metal na sua vertente mais rápida, com o frontman/guitarrista Guillermo Izquierdo e o guitarrista David Alvarez a debitarem riffs a uma velocidade estonteante, para delírio de quem decidiu não ficar por casa e veio até Alvalade apoiar a banda de Albacete. Habituais por paragens lusitanas, os Angelus Apatrida têm já uma boa legião de fans por cá, e apesar do RCA não ter registado lotação completa, estava difícil circular pela plateia. Com uma energia estratosférica e uma visível alegria por tocar em Lisboa, a banda percorreu toda a sua discografia, elegendo os seus temas mais clássicos, mas naturalmente com ênfase no mais recente “Hidden Evolution” de 2015, que à semelhança dos anteriores “The Call” (2012) e “Clockwork” (2010) teve produção de Daniel Cardoso. Temas como “End Man”, “Give’Em War” ou “First World of Terror” colocaram o RCA em polvorosa, com a plateia a atingir ponto de ebulição numa prestação apoteótica de “Fresh Pleasure”, com a presença em palco do Hugo Andrade (Switchtense) na voz para ajudar à festa.

Para o encore, e a encerrar a noite em beleza, ficaram os clássicos “Serpents on Parade” (dedicado aos políticos espanhóis e com muito dedo do meio mostrado), “Thrash Attack” (com especial menção ao público português e ao apoio que presta ao underground), e “You Are Next”, um ponto final numa hora e picos de concerto, e que meteu o público todo a cantar o refrão, para evidente alegria da banda.


Fotografias por Ana Mendes
Texto por Vasco Rodrigues 
Agradecimentos: Moita Metal Fest