• Facebook
  • Myspace
  • Twitter
  • Google+

Total Pageviews

Reviews Mais Recentes


Amorphis - Queen of Time


Ghost - Prequelle


Angelus Apatrida - Cabaret de la Guillotine


Bleed From Within - Era


Painted Black - Raging Light


Necrobode - Metal Negro da Morte


Pestilence - Hadeon


Tortharry - Sinister Species


Inframonolithium - Mysterium


Somali Yacht Club - The Sea


Dallian - Automata


Candidata-te

A Metal Imperium encontra-se a recrutar colaboradores para redação de notícias, reviews de álbuns ou entrevistas a bandas.

Quem quiser fazer parte desta equipa poderá candidatar-se contactando-nos por email: metalimperium@gmail.com



Concertos em Destaque

Tradutor

Entrevistas Mais Recentes



































Ghost estreiam duas novas músicas ao vivo

Os Ghost fizeram um inicio "oficioso" da sua próxima digressão mundial no "The Roxy", em Hollywood, Los Angeles, e presentearam os fãs que(...)

Roy Khan confessa que sair dos Kamelot foi a "melhor decisão" que alguma vez tomou

Roy Sætre Khantatat, conhecido como Roy Khan, ou mais conhecido como o antigo vocalista dos Kamelot, falou à italiana SpazioRock (...)

Epica lançam vídeo para “Universal Love Squad”

Os holandeses lançaram recentemente o vídeo para a canção “Universal Love Squad”, sendo possível visualizar o mesmo (...)

Morbid Angel disponibilizam novo vídeo

A banda de death metal Morbid Angel divulgou recentemente um novo vídeo para o tema "Garden Of Disdain", pertencente ao mais recente álbum, "Kingdoms Disdained". (...)

Alice In Chains lançam vídeo para novo single

"The One You Know" é o novo single dos Alice In Chains, que pode ser ouvido no vídeo acima. A faixa faz parte do próximo álbum da banda, (...)


E heis que, passados 3 anos, voltamos a ter Sepultura em terras Lusitanas. Desta vez no norte, finalmente (apesar do Derrick não parecer ter a certeza)! É sempre uma vitória para o público de metal do país e para a descentralização quando uma banda com apenas uma data em Portugal escolhe o norte do país para o concerto (ainda que “à boleia” do Resurrection, mas isso são outros quinhentos). Desta vez com álbum novo na manga, “Machine Messiah”, o seu 14º full lenght, fizeram-se acompanhar dos Equaleft, banda “da casa” que ficou encarregue de abrir as hostes, como já o tinham feito há cerca de um ano com Gojira, desta vez também eles com novidades para os fãs.

Como é costume em espetáculos com o selo da Prime Artists, estavam a bater as 21h quando se começou a ouvir "New False Horizons". Ainda com o Hard Club a meio gás, os ânimos foram aquecendo e à 3ª música já víamos circle pit, headbangs de testa ao chão, e o vocalista Miguel Inglês a partilhar microfone com o público. Houve também tempo para revisitar o EP de 2010 “The Truth Vnravels”, com “Denial” e “Uncover the Masks”, temas com excelente reações por parte do público mais conhecedor da banda. O concerto ficou ainda marcado com um sabor agridoce pelo anúncio de um fechar de ciclo, com a saída do baterista Marcos Pereira e início de trabalhos para um novo álbum. Após as devidas ovações e demonstrações de respeito, os níveis de peso não só prosseguiram como escalaram, culminando com os encores  “Tremble” e o já quase hino “Maniac”, que fizeram estremecer a sala 1 do Hard Club com os circle pits mais violentos do concerto, havendo ainda oportunidade para uma wall of death, com direito a falsa partida.
Para além da proficiência musical, os Equaleft continuam a demonstrar uma grande energia e presença em palco, com constante interação com o público, puxando pelos níveis de adrenalina, “aquecendo o terreno” para a banda seguinte. Se a priori seria discutível se seriam a banda mais adequada para abrir este evento (pela distância estilística da sua música à da banda principal, ao contrário do que aconteceu com Gojira), é inegável que souberam estar à altura daquilo que o evento merecia e que, com apenas meia hora de concerto, conseguiram instalar na plateia o mindset que se exige num concerto de gigantes do Thrash, como são os Sepultura.

Escusado será dizer que após o concerto houve direito a snacks, neste caso aos inevitáveis húngaros, oferecidos, como habitual, pelos membros da banda ao seu público. Estava na altura de uma pausa para recarregar energias, beber uma fresquinha, e preparar para a avalanche que se avizinhava.


E que avalanche que foi!
O momento esperado fez-se adivinhar com a reprodução do sample que abre os concertos desde o lançamento de “Machine Messiah”, rapidamente dando lugar à segunda faixa do mesmo álbum, “I am the enemy” que, sendo o tema mais rápido do álbum, se revelou um curto rastilho para os fãs que ansiosamente esperavam a explosão de energia que o quarteto brasileiro habitualmente proporciona. Aos 20 segundos de concerto já se via um grande e compacto circle pit e facilmente se deduzia o que aí vinha, “PORRADA, PORRA!”. Seguindo a linha dos concertos em nome próprio e festivais de 2017, seguiu-se mais um pouco de ”Machine Messiah” e da nova era de Sepultura, com “Phantom Self” e “Kairos”, faixa que empresta o título ao antepenúltimo registo da banda. Se por esta altura o Hard Club (cheio mas respirável) já estava ao rubro, poucas palavras haverá pra descrever o que se sucedeu de seguida, quando, recuando ao álbum “Arise”, tocaram “Desperate Cry”, com o público a demostrar que, não desvalorizando os trabalhos mais recentes, estava ali para relembrar o período clássico dos gigantes brasileiros, cantando a todo pulmão o refrão do primeiro de muitos hinos que se ouviram ao longo de quase duas horas. Após mais uma do novo álbum, “Sworn Oath”, pudemos ouvir finalmente o guitarrista Andreas Kisser, em bom português, anunciar que, apesar de irem tocar muitas músicas do novo álbum, iria haver tempo para recordar os clássicos, anunciando um recuo a 1989, para ouvirmos “Inner Self”, do “Beneath The Remains”. Devo destacar estes 5 minutos como um dos momentos altos da noite, e referir o evidente e contagiante prazer refletido na cara do baixista Paulo Jr. que, no auge dos seus 48 anos, parecia um miúdo a tocar pela primeira vez ao vivo esta música, que gravou há 29 anos, ainda com 19. Inspirador.

Seguiu-se uma sequência de músicas já da fase pós-Max, onde tocaram, para além do trabalho mais recente, temas do “Kairos” e do “Against”, tendo-me surpreendido particularmente a interpretação ao vivo de “Iceberg Dances”, do “Machine Messiah”, uma faixa instrumental, com direito a guitarra acústica, que, com as ocasionais exepcções, não faz parte da setlist mais habitual da banda. A partir daqui foi todo um vendaval de Thrash e tribaladas à la Sepultura old school, revisitando boa parte dos clássicos que (re)definiram a banda, o metal no brasil e no mundo inteiro. Passamos pelo “Chaos A.D” com “Biotech is Godzilla” (com, pelo meio, espaço para o cover da “Polícia” dos seus conterrâneos Titãs), “Territory” e “Refuse/Resist”, ainda demos um salto ao mítico “Arise”, com o tema de mesmo título (provavelmente o maior mosh da noite), antes de uma pequena pausa, para dar oportunidade ao público de respirar e pedir o encore. 

Encore esse que começou com o single “Sepultura Under My Skin” e que culminou nas músicas mais marcantes do álbum mais influente. De “Roots” tocaram a “Ratamahatta” e, após uma falha de orientação do vocalista Derrick Green que, com toda a vontade, gritou “Lisboa!” (desculpou-se imediatamente com o melhor humor possível, mas não se livrou de uma bela de uma assobiadela), o fecho ficou a cargo de, pois claro, “Roots Bloody Roots”, com uma envolvência tremenda por parte do público que gritou e saltou ao ritmo da música que revolucionou o metal como se fosse 1996.
Já passaram mais de 20 anos mas, durante mais de hora e meia, não se notou nadinha.


Texto por Jordi Lopes
Fotografias por Ana Costa
Agradecimentos: Prime Artists