• Facebook
  • Myspace
  • Twitter
  • Google+

Total Pageviews

Reviews Mais Recentes


Amorphis - Queen of Time


Ghost - Prequelle


Angelus Apatrida - Cabaret de la Guillotine


Bleed From Within - Era


Painted Black - Raging Light


Necrobode - Metal Negro da Morte


Pestilence - Hadeon


Tortharry - Sinister Species


Inframonolithium - Mysterium


Somali Yacht Club - The Sea


Dallian - Automata


Candidata-te

A Metal Imperium encontra-se a recrutar colaboradores para redação de notícias, reviews de álbuns ou entrevistas a bandas.

Quem quiser fazer parte desta equipa poderá candidatar-se contactando-nos por email: metalimperium@gmail.com



Concertos em Destaque

Tradutor

Entrevistas Mais Recentes



































Ghost estreiam duas novas músicas ao vivo

Os Ghost fizeram um inicio "oficioso" da sua próxima digressão mundial no "The Roxy", em Hollywood, Los Angeles, e presentearam os fãs que(...)

Roy Khan confessa que sair dos Kamelot foi a "melhor decisão" que alguma vez tomou

Roy Sætre Khantatat, conhecido como Roy Khan, ou mais conhecido como o antigo vocalista dos Kamelot, falou à italiana SpazioRock (...)

Epica lançam vídeo para “Universal Love Squad”

Os holandeses lançaram recentemente o vídeo para a canção “Universal Love Squad”, sendo possível visualizar o mesmo (...)

Morbid Angel disponibilizam novo vídeo

A banda de death metal Morbid Angel divulgou recentemente um novo vídeo para o tema "Garden Of Disdain", pertencente ao mais recente álbum, "Kingdoms Disdained". (...)

Alice In Chains lançam vídeo para novo single

"The One You Know" é o novo single dos Alice In Chains, que pode ser ouvido no vídeo acima. A faixa faz parte do próximo álbum da banda, (...)


“Totenritual” é o 11.º álbum de estúdio dos  Belphegor e a banda  afirma que é o mais brutal de sempre. O icónico vocalista Helmut esteve à conversa com a Metal Imperium para nos contar tudo. 


M.I. - Primeiro que tudo, de onde vieram as ideias para o título e o conceito do álbum?

Salvé! Durante todo este tempo celebrámos a blasfémia e o viver a vida em excesso, claro que a musicalidade está acima de tudo, mas a atitude, ser autêntico e genuíno no que fazemos é o ponto central. O diabo é uma poderosa figura ficcional. Eu uso os mitos de Satanás/Lúcifer, o Portador de Luz no nosso conteúdo lírico como uma figura orgulhosa, majestosa que resistiu a toda a influência exterior. Não é religião para mim, uma religião envolve superstição e adoração de algo que não faz parte de nós, e isso é somente patético, independentemente da religião ou divindade. Satanás é uma invenção dos cristãos e eles vêem-no como um inimigo. Como diz o velho ditado, "o inimigo do meu inimigo meu amigo é” adequa-se aqui. O Cristianismo é uma religião terrível e maldosa, e eu sempre fui contra ela, pois é cheia de fúria e desgosto para com os oprimidos. Parece normal usar o seu próprio antagonista contra eles. Temos usado muitos poemas originais vindos de velhos livros ao longo das décadas. Estes consistem em feitiços/poemas/cânticos, maioritariamente na linguagem original para não alterar o significado. É por isso que o nosso conteúdo lírico vem em inglês, latim e alemão. Latim, a linguagem da igreja... é uma blasfémia extrema gozar com eles na sua própria língua. Os versos em alemão soam muito desagradáveis na sua pronúncia e dão ao sentimento geral uma abordagem brutal e atmosférica. O uso de três línguas desde 1994 já é uma espécie de imagem de marca nossa. Eu tive muitas oportunidades durante a minha vida de aprender e saber que a vida real é mais estranha do que qualquer ficção.


M.I. - Vocês dizem que este é o álbum mais pesado que já fizeram e eu cito "É a oferta mais pesada e brutal que consagrámos até agora." Eu ouvi as músicas e estou a começar a concordar convosco.  Mas que mais podemos esperar deste álbum? 

O nosso objectivo principal era criar a oferta mais pesada e brutal que consagrámos até agora, sim. A bateria está extremamente explosiva e técnica com muitas quebras/preenchimentos e mudanças de tempo. O baixo é como um tanque de guerra a deslocar-se pelo terreno. As quatro guitarras rítmicas são agressivas e com um tom demoníaco e obscuro. E eu acho que esta é a minha melhor e mais variada performance vocal até agora. Eu faço grunhidos, gritos, recitação e até coros de monge. Estou muito orgulhoso deste álbum e mal posso esperar até que seja lançado. Tudo impulsiona os limites de qualquer coisa que tenhamos feito até agora. 


M.I. – Como é que o público recebeu as novas músicas? 

Se as pessoas interiorizarem, respeitarem e perceberem o que nós estamos a fazer, é óbvio que isso é muito gratificante, e elas são a razão pela qual ainda estamos aqui e continuamos a percorrer o mundo com a força máxima. Para os haters ou outras pessoas ofendidas é bom também. Eu não choro por aí para ouvirem a nossa música/arte, são eles que perdem, não sou eu, que se lixem! Eu também não gosto de muitas coisas. Eu apoio o que gosto e ignoro o resto. 


M.I. - Desafiaram-se a criar este álbum? Pensam que deu mais trabalho, que levou mais tempo a preparar do que os outros?

Para cada projecto que nós começamos é preciso mais tempo, energia e sacrifícios, claro. Acho que isso é importante para desenvolvermos e progredirmos. Para o "Totenritual" nós afinámos as guitarras num tom ainda mais abaixo do que antes, por isso conseguimos atingir um tom mais grave e uma vibração mais ritualística. As guitarras afinadas num tom mais grave são um novo desafio e uma experiência interessante. Foi uma boa decisão e o abrir um novo mundo na minha forma de tocar. Eu desprezo restrições ou estagnação. Nós tentamos sempre desafiar-nos. Fazemos isto mudando o processo de gravação, escrita, produtores, estúdios, etc. O objectivo principal quando começámos este projecto era escrever o álbum mais brutal com uma vibe de ritual que continua durante todas as 9 músicas e acho que o conseguimos e que soa exactamente como nós queríamos.


M.I. - Como foi a experiência de gravar um novo álbum? Continua a ser o mesmo sentimento ou com cada novo álbum vocês ficam mais entusiasmados?

Depende sempre, claro. Muitas coisas mudaram. Somos muito melhores músicos agora com muito mais experiência, e ainda tentamos aprender coisas novas, sair da nossa zona de conforto, criar. Faixas como "Baphomet", "The Devil’s Son" ou a mais brutal música deste novo álbum, "Swinefever – Regent of Pigs", são uma representação perfeita de Belphegor para 2017, como queríamos soar. Ficámos mais eficientes. Encontrámos a nossa essência, a nossa marca, mas também somos capazes de desenvolver, desde que somos melhores músicos fazemos as coisas mais extremas tal como desejamos. Adicionámos novos arranjos às nossas músicas, algumas músicas é preciso ouvir quatro ou cinco vezes para descobrir tudo o que pusemos lá. Em "Totenritual" tudo está a arder.


M.I. - Este é o álbum de estúdio número onze. Como é que os fãs receberam as mudanças álbum a álbum?

Eu não uso a palavra fã. É decadente e degradante para mim. Não quero isso para os nossos apoiantes. Temos uma base de apoio leal e dedicada e a horda está sempre a crescer. Isso é óptimo e estamos muito gratos. Faz com que sejamos imparáveis e adoramos o facto de podemos marchar pelo mundo todo e ter uma atitude contra-mainstream. A resposta até agora tem sido brilhante. As pessoas estão maioritariamente muito agradadas com o resultado e isso é muito bom.


M.I. - Vocês irão começar uma nova tour em promoção do novo álbum. Têm falado com promotores sobre a possibilidade de haver um concerto aqui em Portugal em breve?

Sim, o plano é fazer uma tour pelo mundo nos próximos anos. Espero que sejamos convidados em 2018 e possamos voltar a Portugal… já é tempo. Depois do lançamento de "Totenritual" começaremos pela Europa e de seguida faremos 30 datas pela América do Norte. Um Ritual a meio de Dezembro vai terminar este ano de sucesso para nós com um festival chamado Black Cristmass na Suécia. Sabes, um Ritual de Belphegor é como soltar os demónios para dançar. Tentamos fazer com que tudo seja autêntico.... O sangue é real, os ossos, o sentimento, a intensidade, tudo real. É um Ritual mais do que um concerto de metal. Eu adoro abandonar o meu corpo espiritualmente durante uma hora e pouco durante um concerto de Belphegor, deixando os demónios dominar e entrar em transe com a música. É um prazer, especialmente se a cerimónia for boa e o público colaborar e for louco, glorificando Lúcifer connosco, é magia... Uma das melhores e mais interessantes coisas para mim. Essa é a essência dos Belphegor, e eu acredito no poder dos concertos ao vivo, todos os 4 no palco a soltar o inferno.


M.I. - Últimas palavras?

Obrigada por este espaço e pelo apoio, Catarina. Salvé a todos os demónios que nos apoiam ouvindo a nossa música, indo às nossas cerimónias, comprando merchandising e espalhando a praga. Eu espero que as pessoas estejam entusiasmadas para ter o novo álbum e apoiar-nos para que possamos continuar a marchar pelo mundo com a máxima força! Vemo-nos na estrada em 2018 em Portugal! Uma honra - este horror...


Entrevista por Catarina Gomes