• Facebook
  • Myspace
  • Twitter
  • Google+

Total Pageviews

Reviews Mais Recentes


Amorphis - Queen of Time


Ghost - Prequelle


Angelus Apatrida - Cabaret de la Guillotine


Bleed From Within - Era


Painted Black - Raging Light


Necrobode - Metal Negro da Morte


Pestilence - Hadeon


Tortharry - Sinister Species


Inframonolithium - Mysterium


Somali Yacht Club - The Sea


Dallian - Automata


Candidata-te

A Metal Imperium encontra-se a recrutar colaboradores para redação de notícias, reviews de álbuns ou entrevistas a bandas.

Quem quiser fazer parte desta equipa poderá candidatar-se contactando-nos por email: metalimperium@gmail.com



Concertos em Destaque

Tradutor

Entrevistas Mais Recentes



































Ghost estreiam duas novas músicas ao vivo

Os Ghost fizeram um inicio "oficioso" da sua próxima digressão mundial no "The Roxy", em Hollywood, Los Angeles, e presentearam os fãs que(...)

Roy Khan confessa que sair dos Kamelot foi a "melhor decisão" que alguma vez tomou

Roy Sætre Khantatat, conhecido como Roy Khan, ou mais conhecido como o antigo vocalista dos Kamelot, falou à italiana SpazioRock (...)

Epica lançam vídeo para “Universal Love Squad”

Os holandeses lançaram recentemente o vídeo para a canção “Universal Love Squad”, sendo possível visualizar o mesmo (...)

Morbid Angel disponibilizam novo vídeo

A banda de death metal Morbid Angel divulgou recentemente um novo vídeo para o tema "Garden Of Disdain", pertencente ao mais recente álbum, "Kingdoms Disdained". (...)

Alice In Chains lançam vídeo para novo single

"The One You Know" é o novo single dos Alice In Chains, que pode ser ouvido no vídeo acima. A faixa faz parte do próximo álbum da banda, (...)


É redutor afirmar que Process Of Guilt seja um dos melhores nomes nacionais, pois, na realidade, são um dos poucos, na história do Metal nacional, a tentarem criar um trilho sonoro só seu, minimalmente permeável ao que vem de fora e se escuta por aí. Face a estes argumentos, a curiosidade sobre um pedaço de som novo é sempre elevada, neste caso são cinco peças que reunidas totalizam quarenta e dois minutos de música, menos crua que antes, mais audível que nunca, começando com a perceptibilidade dos vocais.

A trademark de Process está presente, logo aos quatro minutos de “(No) Shelter”, depois dos urros de Hugo Santos, e a tempestade sonora a eles associada, segue-se um minuto de calma, com uma bateria compassada acompanhada por uma linha de baixo e guitarra, que pouco depois incorrem num percurso doomíco, em que Hugo volta às vociferações: “Your body is a cage”. Com temas quase sempre nos sete minutos, onde a excepção são os quase doze da faixa título, o disco até se revela curto, quando se atinge o final do derradeiro tema e se olha para o mostrador, esperando ainda mais, “It’s not enough”. 

Um disco onde o doom vence o sludge e a harmonia derrota o caos do gutural, este “Black Earth”, não sendo um disco de ruptura, é um trabalho que sobe a fasquia no percurso do quarteto alentejano, permitindo que muito seja feito com ele, e criando expectativas que a realidade do meio musical poderá limitar. 

Nota: 9/10

Review por Emanuel Ferreira

Ao quarto álbum ficamos com a prova definitiva que a banda eborense gosta de apresentar um registo diferente a cada lançamento. Tal também serve para dizer que, para bem ou para mal, o death/doom que se ouvia em “Renounce” e em “Erosion” ficou para trás, tendo a sonoridade da banda evoluído no sentido de se desconstruir sucessivamente até um post-doom desolador e minimalista. 

Mas que não se confundam estes atributos com algo estéril. É verdade que os temas de “Black Earth” são assentes na repetição da mesma estrutura de riffs, com uma paragem feita à base de distorção lá pelo meio, mas é o carácter vincado dos riffs cáusticos e as subtis alterações que fazem de cada tema uma audição interessante, como é o exemplo da constante agressividade em “(No) Shelter” ou do tema-título, que é o que melhor exemplifica toda aquela conversa de desolação e minimalismo que já aqui foi escrita.

É hábito dizer neste tipo de coisas que “menos é mais”, mas isso seria descompensar os excelentes três discos que antecederam “Black Earth”. Este novo capítulo mantêm a qualidade da banda, a qual poderá também estar a criar uma divisão entre velhos e novos fãs, e isto porque é difícil alguém gostar tanto de uma “Becoming Light” como de uma “Servant”; o mais natural é só se gostar mais de uma do que outra dada a disparidade na sonoridade de cada tema. No fundo, as questões antitéticas e opinativas de a banda ter feito grandes músicas no passado em contraposição com a banda estar finalmente a fazer grandes músicas é completamente irrelevante e fruto dos gostos pessoais de quem os ouve. O que realmente importa é que os POG fazem o que querem e sabem fazê-lo muito bem, tanto no início de carreira como agora, quinze anos depois.


Nota: 8.4/10

Review por Tiago Neves