• Facebook
  • Myspace
  • Twitter
  • Google+

Reviews Mais Recentes


Rasgo - Ecos da Selva Urbana


Terror Empire - Obscurity Rising


Painted Black - Raging Light


Wolves in the Throne Room - Thrice Woven


Celeste - Infidèle(s)


Moonspell - 1755


Battle Dagorath - II - Frozen Light of Eternal Darkness


Kalmankantaja - Routamaa


Archspire - Relentless Mutation


Tod Huetet Uebel - N.A.D.A


Benthik Zone - Via Cosmicam ad Europam ab Gelid Inferis


Acherontas - Amarta अमर्त (Formulas of Reptilian Unification Part II)


Progenie Terrestre Pura - oltreLuna


Vita Imana - El M4l


Overkill - The Grinding Wheel


Time Lurker - Time Lurker


Warbringer - Woe to the Vanquished



Akercocke - Renaissance in Extremis


Neige et Noirceur - Verglapolis


Process Of Guilt - Black Earth


Dephosphorus - Impossible Orbits


Samsara Blues Experiment - One With the Universe


Æther Realm - Tarot


Psygnosis - Neptune


Schammasch - The Maldoror Chants: Hermaphrodite


Altar of Betelgeuze - Among The Ruins


Nargaroth - Era of Threnody


Condor - Unstoppable Power


Holy Blood - Glory to the Heroes


The Flight of Sleipnir - Skadi


The Obsessed - Sacred


Necroblood - Collapse of the Human Race


Full of Hell - Trumpeting Ecstasy


Funeralium - Of Throes And Blight


Nightbringer - Terra Damnata


The Sarcophagus - Beyond This World's Illusion


Chaos Synopsis - Gods of Chaos


Farsot - Fail.Lure


Unearthly Trance - Stalking the Ghost


Daemon Forest - Dissonant Walk


The Ruins of Beverast - Exuvia


Novembers Doom - Hamartia


Funeral Tears - Beyond The Horizon



Summoner - Beyond the Realm of Light

Metal Imperium - Merchandise

.
Para encomendar, enviar email para: metalimperium@gmail.com

Concertos em Destaque

Tradutor

Entrevistas Mais Recentes



































Queens of the Stone Age confirmados no NOS Alive'18

Os Queens of the Stone Age foram confirmados para a próxima edição do NOS Alive, que vai ocorrer entre os dias 12 e 14 de Julho de 2018(...)

Under The Doom V anuncia um cancelamento e respetiva substituição

O cartaz do Under The Doom V, que vai ocorrer entre os dias 30 de Novembro e 2 de Novembro, acaba de sofrer uma ligeira alteração. Os franceses Funeraliumoi (...)

Corrosion Of Conformity lançam novo álbum em Janeiro

Os americanos Corrosion Of Conformity estão a preparar-se para lançar, a 12 de Janeiro, o seu novo álbum “No Cross No Crown”, pela Nuclear Blast Entertainment. (...)

SWR Barroselas Metalfest revela primeiras confirmações

O festival SWR Barroselas Metalfest anunciou hoje as primeiras confirmações para a edição do próximo ano. O evento, que vai ter lugar de 27 a 29 de Abril(...)

Graveyard em Portugal - Revelada banda de abertura

Como é sabido, os suecos Graveyard vão atuar na sala Lisboa Ao Vivo, já no próximo dia 25 de Novembro. Os portugueses(...)


O nome desta tour poucas dúvidas deixava relativamente ao que se poderia esperar daquela noite. Através da Prime Artists, a The Wrong Tour To Fuck With trazia a solo nacional os norte-americanos Dying Fetus, devidamente acompanhados por outros três nomes de peso na cena death metal actual, Psycroptic, Beyond Creation e Disentomb. No dia 12 de Novembro, fomos então até ao Lisboa ao Vivo (LAV) para celebrar a estreia das quatro bandas na capital e, embora psicologicamente preparados, mal sabíamos o que ainda estava para vir.

Numa fria e aparentemente pacífica noite de domingo, coube aos australianos Disentomb dar início às hostilidades e nada melhor do que um death/grind bem apurado para aquecer aqueles que se deslocaram até ao local mais cedo. Embora com uma sala tímida, e alguma dificuldade em ouvir a guitarra, os temas do seu último trabalho “Misery” foram um excelente ponto de partida para a construção de uma atmosfera simplesmente castigadora, que duraria até ao final da noite, e para que se começasse a acumular alguma energia cinética no pit.

Sob a máxima de “agradar a gregos e troianos”, a segunda banda a subir a palco naquela noite seriam os Beyond Creation e ficou claro que mantém uma base de fãs bastante fiel por terras lusas. Os canadianos são atualmente um dos porta-estandartes da vertente mais técnica e progressiva do death metal moderno, com uma melodia única habilmente intrincada, na paisagem instrumental mais agreste. Com uma setlist curta e sobretudo assente no seu mais recente “Earthborn Evolution”, o concerto soube a pouco. Não nos teríamos importado nada de os ouvir durante mais meia hora (no mínimo). Cirurgicamente colocadas nessa setlist, e sobre uma bateria já de si prepotente, estiveram as guitarras dos temas “Earthborn Evolution” e “Fundamental Process.”

Já o calor se fazia sentir dentro daquela sala, tanto pelo movimento como pelo número de pessoas que rapidamente havia duplicado. Já com quase 20 anos de carreira, era então a vez dos Psycroptic nos baralharem as ideias e amassarem o corpo. Seguindo os horários à risca, mas sem perder a atitude inconformada que lhes é característica, estes donos de um technical death metal onde as influências são mais do que muitas, não pararam de surpreender os ouvidos dos presentes (mesmo dos mais conhecedores). Com um vocalista que mais parecia ligado à corrente, o movimento e interação com o público foi constante, o que contribuiu para garantir que ninguém tirava os olhos daquele palco, durante toda a performance.


Parece que à terceira ainda não tinha sido de vez e, já algo cansados de tanto aconchego, os presentes só souberam pedir por mais. Num regresso ao nosso país passados três anos, e desta feita mais a sul, chegava a hora de fazer mexer as hordas ao ritmo alucinante do death metal que os Dying Fetus nos oferecem há mais de 25 anos. Veteranos ou não, estes norte-americanos não deixaram o caos por mãos alheias e ajudaram a reforçar a ideia de que o público português foi também talhado para este tipo de sonoridade e agressividade. De banners em palco e sempre a par e passo de uma plateia que não lhes deu segundo de descanso, entre um contínuo mosh e crowdsurfing, este trio relembrou de que fibra é feito este género musical, tanto pelos seus músicos como pelo seu público. Ali se passou mais de uma hora de agressão sonora, deambulantes entre temas dos álbuns mais recentes da banda, “Reign Supreme” e claro “The Wrong One To Fuck With” lançado no início deste ano. Entre estes não pôde faltar o tema que deu nome a esta tour e entre os momentos altos da noite ficaram outros tantos temas como “From Womb To Waste”, “Invert the Idols”, “Fixated on Devastation” e “Grotesque Impalement.” Só podemos pedir mais noites destas, desde que devidamente espaçadas para total recuperação.


Texto por Andreia Teixeira
Fotografia por Hugo Rebelo
Agradecimentos: Prime Artists