• Facebook
  • Myspace
  • Twitter
  • Google+

Reviews Mais Recentes


Rasgo - Ecos da Selva Urbana


Terror Empire - Obscurity Rising


Painted Black - Raging Light


Wolves in the Throne Room - Thrice Woven


Celeste - Infidèle(s)


Moonspell - 1755


Battle Dagorath - II - Frozen Light of Eternal Darkness


Kalmankantaja - Routamaa


Archspire - Relentless Mutation


Tod Huetet Uebel - N.A.D.A


Benthik Zone - Via Cosmicam ad Europam ab Gelid Inferis


Acherontas - Amarta अमर्त (Formulas of Reptilian Unification Part II)


Progenie Terrestre Pura - oltreLuna


Vita Imana - El M4l


Overkill - The Grinding Wheel


Time Lurker - Time Lurker


Warbringer - Woe to the Vanquished



Akercocke - Renaissance in Extremis


Neige et Noirceur - Verglapolis


Concertos em Destaque

Tradutor

Entrevistas Mais Recentes



































System of a Down têm músicas novas

Afinal não há nenhum problema com os System of a Down. É Serj Tankian quem o afirma, numa entrevista recente concedida à Rolling Stone. Na verdade a banda tem músicas novas, (...)

Simbiose, Alien Squad, Dokuga atuam no Porto em fevereiro

Os nacionais Simbiose, Alien Squad e Dokuga vão tocar no Metalpoint (Porto), no dia 3 de fevereiro do próximo ano.(...)

Hourswill apresentam novo álbum na companhia dos Inner Blast, The Chapter e Scarmind

Os Hourswill apresentam ao vivo o seu mais recente álbum, "Harm Full Embrace", dia 13 de janeiro, no RCA Club em Lisboa.(...)

Kamelot lançam novo vídeo e revelam novidades para 2018

Os Kamelot disponibilizaram o novo vídeo do tema "Under Grey Skies", que conta com a participação da vocalista dos Delain, Charlotte Wessels.(...)

Graveyard a gravar novo álbum

Os suecos Graveyard encontram-se nos Park Studios, em Estocolmo, a gravar o seu próximo álbum de estúdio, sucessor de "Innocence and Decadence", lançado no ano 2015. (...)

Summoning são uma banda que dispensa apresentações! Prestes a lançar o novo álbum “In doom we come” em janeiro de 2018, ano que marca o 25.º aniversário da existência da banda mas que os austríacos não querem festejar, a Metal Imperium esteve à conversa com Protector e Silenius para saber o que se pode esperar no novo álbum esta banda de culto.


M.I. - Olá! É um prazer entrevistá-los novamente. Sou uma grande fã do vosso trabalho! Espero que tenham passado bem! A banda postou uma fotografia no Facebook que mostra os discos com o novo álbum e os fãs ficaram loucos ... o que é podemos esperar do novo álbum?

Silenius: desta vez podem esperar uma continuação do “Old Mornings Dawn”, porque basicamente todas as músicas são feitas a partir de riffs e músicas meio acabadas desse álbum. Nós também tentamos ter um som semelhante e conceito semelhantes, por isso podem compará-lo um pouco com o "Twilight of the gods", "Hammerheart", "Ancient Dreams" ou "Nightfall". A única "novidade" é o estilo vocal de Protector nas músicas. Nós reparamos nas reacções surpreendidas dos fãs e é engraçado ver isso, porque este novo estilo vocal é, aliás, muito antigo, e foi usado, pela primeira vez, no “Stronghold”. Por outro lado, criamos novamente três instrumentais para o álbum. Isso também não é novo, mas, desde "Dol Guldur", que não usamos instrumentais com frequência nos nossos álbuns... tanto quanto me lembro, usamos um apenas como bónus para o último álbum, e, claro, para ser visto como um extra às músicas.


M.I. - Já se sabe que o álbum se chama "With Doom we come" ... por quê?

Silenius: normalmente eu tenho um pedaço de papel no qual escrevo títulos de canções propostos a partir de poemas ou músicas ou outras letras. Normalmente tenho cerca de 50 palavras ou frases diferentes das quais eu posso escolher. Durante muito tempo, "Conquest" era para ser o título final do álbum mas, de alguma forma, eu não estava satisfeito, porque me fazia lembrar muito o filme "Conquest of paradise" e a música de "Vangelis". Depois encontrei esta frase "With doom we come" na música dos ents a marchar para Isengard, gostei e tornou-se o título do álbum.


M.I. - O novo álbum "With doom we come" será lançado em janeiro de 2018 e é ansiosamente aguardado pelos fãs ... por que demoraram quase 5 anos para o lançar?

Silenius: o Protector irá explicar isso nas seguintes perguntas, por isso só digo que, antes de mais, 5 anos não é muito tempo para os Summoning. Tanto quanto me lembro, levou-nos 7 anos para lançar "Old Mornings Dawn" e, segundo, o álbum foi composto bastante rapidamente – penso que 1 ou 2 anos após o último lançamento. Mas quando tivemos que encontrar o som certo, surgiram muitos problemas que o Protector explicará mais tarde.


M.I. - Eu li que o novo álbum, estilisticamente, será uma continuação de "Old Mornings Dawn", incluindo atmosferas depressivas semelhantes e a integração de material destinado ao referido álbum. É verdade? Por que razão não foi então incluído no OMD? Porque demoraram 5 anos para lançar material que já estava escrito?

Protector: planeámos fazer mais temas para OMD do que os que usaríamos para podermos escolher os melhores e deixar de lado os que não gostávamos tanto. De qualquer forma, após o lançamento, percebemos que os fragmentos de música e os riffs que deixávamos, eram bons demais para serem deitados fora, mas também não podíamos colocá-los no CD porque já era muito longo. Então, logo após o lançamento de OMD, eu estava bastante activo e trabalhei com esses fragmentos de música e, rapidamente, os transformei em músicas semi-acabadas... mas então os problemas surgiram porque o Silenius estava super esquisito quanto ao som, o que nos desacelerou.


M.I. - Também as melodias fazem lembrar material mais antigo, especificamente "Oath Bound" e "Let Mortal Heroes Sing Your Fame". Por quê este retorno às vossas raízes?

Protector: hmm... é a primeira vez que ouvimos isso e ninguém tinha ainda comparado o novo álbum com esses álbuns – a escolha das músicas que decidimos deixar para "In doom we come" não foi baseada em preferências estilísticas. Para nós, as músicas do novo álbum são mais ou menos do estilo de OMD. A maioria das melodias foi criada naquele momento e as configurações de som da última mistura também não mudaram muito.


M.I. - Você ainda está inspirado no trabalho de Tolkien? De quais poemas ou escritos você extraiu / inspira suas letras para este álbum?

Silenius: sim, claro, e isso não mudará enquanto existirem os Summoning. Eu acho que, entretanto, é claro para todos que o único motivo para a existência de Summoning é fazer traduções musicais e imagens musicais da Middle Earth. Isto representa Summoning, nada mais, nada menos. Mas é claro, além de usar letras do próprio Tolkien, usamos novamente letras de diferentes escritores e poetas; alguns desconhecidos e alguns mais famosos. Um é de Edgar Allan Poe, e um dos fãs já percebeu que essa letra já tinha sido usada pelos "Arcturus" num dos seus lançamentos mais antigos.


M.I. - A banda disse que "Os últimos anos foram um tempo de problemas, contratempos, disputas - e da frustração resultante." O que aconteceu? Esses problemas influenciaram as emoções retratadas no novo álbum?

Protetor: como descrito anteriormente, as novas músicas começaram bastante rápido, mas ficaram presas depois de um tempo, quando o Silenius se juntou à mistura. Eu preparei algumas músicas para apresentá-las ao Silenius, para que ele pudesse comentar, dar a sua opinião e dizer o que poderia ser melhorado (como sempre fazemos). Mas, desta vez, ele estava totalmente insatisfeito com quase tudo o que fiz. Em vez de corrigir alguns erros pequenos, quase que reorganizamos todas as músicas, mudamos constantemente o som orquestral, depois alteramos, trocamos o passo da oitava etc. Esta foi uma época muito horrível para mim, porque parecia que não avançávamos no som. Durante todo o tempo, eu não tinha ideia do que o Silenius não tinha gostado na música, acabei por fazer o que ainda agora disse e perdi a minha paixão pois não compreendia nenhum dos seus comandos, mas tive de manter a paciência. Finalmente, quando pensei que esse período chato tinha acabado e verificamos o som para prepará-lo para lançamento, ele começou a dizer que o som era uma merda, que não conseguia entender por que é que eu gostava do som da guitarra (que é 100% o mesmo que o de OMD, do qual ele tinha gostado muito) etc. etc., então entendi que não era uma questão de som, mas sim uma questão de mudanças psicológicas no  Silenius que estavam a causar todos os problemas. Eu já estava prestes a desistir dos Summoning, porque Summoning, para mim, sempre significou paixão, e não uma rotina monótona e trabalhosa. De qualquer forma, depois disso tivemos algumas conversas, o Silenius voltou à realidade e o álbum pôde continuar de forma satisfatória.


M.I. - A banda nunca actuou ao vivo e não parece ter a intenção de fazê-lo... no entanto, imagino que devem ter recebido propostas bastante atraentes para o fazerem... por que continuam a recusá-las? Considerariam dizer Sim se alguém vos oferecesse as condições ideais?

Protetor: as razões pelas quais não tocamos ao vivo não mudou durante estas décadas. Nós simplesmente não consideramos Summoning como música feita para palcos, mas música feita para ouvir em casa num ambiente descontraído. 95% do nosso tempo, enquanto trabalhamos com Summoning, é gasto na composição, mistura do som, etc. Apenas uma pequena percentagem do tempo é gasto com a voz e com a gravação das guitarras. À medida que a base da nossa música é criada com o teclado, gravamos em midi imediatamente depois de os compor, não há necessidade de nenhum ensaio, e eu termino de tocar os riffs de guitarra para uma música, e fico feliz por acabar e nunca mais ter de tocar esse riff novamente. Então, como vês, o acto físico de tocar uma música não é totalmente importante para os Summoning, mas qualquer concerto ao vivo se concentraria exatamente nesse acto. Eu acho que ninguém gosta de assistir a uma banda que faz algo no palco que eles realmente não gostam. Os bons músicos ao vivo devem adorar estar no palco e adorar tocar os seus instrumentos - devem ser pessoas que sofrem se tiverem que passar alguns dias sem poder tocar, não pessoas como nós que ficam felizes por não tocarem nos instrumentos durante muito tempo. Preferimos usar o nosso tempo livre para criar novas músicas, mas não para reproduzir as antigas.


M.I. - O ano de 2018 marca o 25º aniversário da banda... o novo álbum será uma forma de celebrar este marco especial? Alguma vez imaginaram que iriam fazer parte da indústria musical durante tanto tempo? Estão a planear algo especial para marcar a ocasião? (Como um concerto? Isso seria incrível !!!)

Protetor: bem, para ser sincero, nunca esperei nada e nunca me importei. Eu nem me importo se conseguimos um contrato ou não, simplesmente aconteceu porque o Silenius colocou algum esforço nisso.

Silenius: não, não haverá celebração especial e o novo álbum também não deve ser visto como uma celebração de aniversário. A Napalm Records sempre nos pediu um boxset completo, mas de alguma forma eu não quero autorizar tal coisa, simplesmente porque sou muito preguiçoso... dá imenso trabalho juntar todas as coisas antigas, escrever uma espécie de folha de memória para todos os lançamentos, fazer uma mistura especial e assim por aí em diante... Eu vi o imenso trabalho que o TT de Abigor teve com o seu boxset e isso deixou-me com medo de fazê-lo. Talvez este seja algo a fazer quando Summoning estiver terminado e isto seria uma espécie de despedida final. É claro que, quando formamos os Summoning, nunca pensamos estar activos tanto tempo, mas agora estamos agradecidos pelo que alcançamos. De alguma forma, encontramos um tipo de nicho para a nossa banda e os fãs parecem gostar desta música. E isso é um grande sucesso para nós.


M.I. - De todos os vossos lançamentos, qual melhor retrata a essência dos Summoning?

Protetor: eu dou sempre a mesma resposta a essa pergunta: para mim, é sempre o último álbum, já que o último reflecte o meu gosto atual da música. Se houvesse algo no álbum actual com o qual eu não ficaria totalmente satisfeito, então eu teria feito isso de forma diferente. O meu gosto musical muda, é claro, e também a música de Summoning - no passado, eu gostei, por exemplo, daqueles riffs de guitarra que se ouvem no LMHSYF, mas quando eu me cansei deles, comecei a tocar um estilo mais livre, como faço agora. Há álbuns bastante lendários como "Minas Morgul" porque criou uma verdadeira revolução musical, mudando o nosso estilo de black metal tradicional para algo novo, mas isso não o torna o melhor álbum para mim, porque os mais novos são muito mais avançados e com detalhes muito mais melódicos e de ritmo.


M.I. – Os Summoning são tão enigmáticos e misteriosos... achas que isso ajuda a aumentar o vosso estatuto de culto?

Silenius: talvez mas não tenho a certeza. O que é certo de que a maioria das outras bandas gostam de se apresentar de qualquer maneira, pode ser em fotos, pode ser numa apresentação do Facebook, ou simplesmente fazer tournées ao vivo. Nós fazemos o oposto e apresentamo-nos como pessoas independentes dos Summoning e da música. Enquanto isso, somos apenas imagens de Avatar de nós, e isso confere-nos esse aspecto misterioso. E, claro, nunca mudamos a nossa apresentação nem o conceito musical desde o início. Mesmo Lugburz tinha muitas semelhanças com o estilo posterior e o conceito do que são os Summoning.


M.I. - A banda possui apenas 2 membros: Protector e Silenius ... é a melhor maneira de trabalhar? São perfeccionistas?

Protetor: eu acho que o facto de sermos apenas uma dupla é a razão de ainda estarmos juntos depois de tantos anos. A maioria das bandas separou-se devido a tensões de um ou mais membros. Nós também tivemos essas tensões recentemente, mas como éramos apenas duas pessoas, podemos corrigi-las bastante rápido. Além disso, simplesmente não há necessidade de terceiros, porque não resta nenhuma tarefa musical que não pudéssemos fazer por conta própria. Nós dois escrevemos melodias para o álbum, mas temos diferentes trabalhos musicais depois. O Silenius lida com a escolha das letras e a escolha das pinturas para a obra de arte, enquanto eu lido com a gravação, a mistura e layout das pinturas que ele escolheu. Esses trabalhos não interferem uns com os outros e são suficientes para criar um álbum completo de Summoning. Qualquer membro adicional apenas perturbaria e tornaria as coisas mais complicadas.


M.I. - Todos os vossos 8 álbuns foram lançados pela Napalm Records, o que significa que eles provavelmente estão a fazer um bom trabalho. Qual é a qualidade mais importante numa editora? O que os músicos devem procurar numa editora ao assinar um contrato de gravação?

Silenius: eu acho que a razão pela qual ainda estamos no Napalm é porque eles não estão longe de nós e, portanto, a comunicação é muito fácil. O Max é um bom amigo meu e eles apoiaram-nos desde o início assim como tudo o que fazemos musicalmente... Eu gosto da continuação. Claro que muito mudou durante todos estes anos e, enquanto isso, somos os últimos dinossauros nesta editora que mudou a sua apresentação e as suas bandas drasticamente desde o início. Os Summoning não se encaixam no seu catálogo de bandas actuais, mas isso não é realmente importante. Por outro lado, a Napalm é uma grande editora  comercial que, hoje em dia, tem mais possibilidades em termos de publicidade ou distribuição do que as editoras independentes mais pequenas não possuem.


M.I. - São fãs do Game of Thrones, considerando que parece ser bastante ao estilo de Tolkien?

Silenius: não, pelo menos para mim! Sou fã desta série de televisão, mas, claro, ao contrário de Tolkien, esse mundo de fantasia é menos fascinante com os elementos da fantasia, tem mais a ver com as políticas cruéis que são apresentadas lá.


M.I. – A Wolfspell Records lançou uma compilação de homenagem a Summoning entitulado "In Mordor where the shadows are" em que muitas bandas fazem a sua própria versão de temas dos Summoning. Quão lisonjeados se sentem? Já ouviram o álbum? Qual a vossa opinião?

Silenius: sim, eu realmente gostei bastante dessa compilação. Toda a apresentação é excelente e a maioria das bandas realmente fez um óptimo trabalho. Eu acho que há algumas bandas nessa compilação que têm o potencial de se tornarem grandes. Essa é, por exemplo, uma grande diferença para a compilação de homenagem "And in the darkness bind them", que foi lançada há alguns anos. O criador desta compilação fez um óptimo trabalho quanto à apresentação mas, honestamente, há bandas incluídas que fizeram apenas um trabalho médio e poderiam ter feito melhor.


M.I. - Foi um prazer conversar com vocês novamente. Por favor, partilhem uma mensagem com os fãs portugueses.

Silenius: muito obrigado por esta óptima entrevista e como sempre: “up the hammers” para todos os nossos fãs em Portugal.

For English version, click here

Entrevista por Sónia Fonseca