• Facebook
  • Myspace
  • Twitter
  • Google+

Candidata-te

A Metal Imperium encontra-se a recrutar colaboradores para redação de notícias, reviews de álbuns ou entrevistas a bandas.

Quem quiser fazer parte desta equipa poderá candidatar-se contactando-nos por email: metalimperium@gmail.com



Reviews Mais Recentes

Uada - Cult of the Dying Sun


Occultum - In Nomine Rex Inferni


Monolithe - Nebula Septem


Morag Tong - Last Knell of Om


Haunted - Dayburner


Djevel - Blant Svarte Graner


Raw Decimating Brutality - Era Matarruana


Czort - Czarna Ewangelia


Kinetik - Critical Fallout


Dopethrone - Transcanadian Anger


Abhor - Occulta ReligiO


Refuge - Solitary Men


Sevendust - All I See Is War


Black Fast - Spectre of Ruin


Sleep - The Sciences


Tomb Mold - Manor of Infinite Forms


Taphos - Come Ethereal Somberness


Wrath Sins - The Awakening


Judas Priest - Firepower


Bleeding Through - Love Will Kill All


Ihsahn - Àmr


Alkaloid - Liquid Anatomy


Filii Nigrantium Infernalium - "Fellatrix


Amorphis - Queen of Time


Ghost - Prequelle


Angelus Apatrida - Cabaret de la Guillotine


Bleed From Within - Era


Painted Black - Raging Light


Necrobode - Metal Negro da Morte


Pestilence - Hadeon


Tortharry - Sinister Species


Inframonolithium - Mysterium


Somali Yacht Club - The Sea


Dallian - Automata


Total Pageviews

Concertos em Destaque

Tradutor

Entrevistas Mais Recentes



































The Sword vão entrar num hiato

Corte quase fatal no futuro dos The Sword, uma vez que a banda texana anunciou há dias que fará uma pausa, embora tenha lançado ainda em março (...)

Hate Eternal lançam áudio de "Nothingness of Being"

A banda de death metal irá lançar o novo álbum, Upon Desolate Sands, a 26 de outubro através da Season Of Mist. Depois de desvendar (...)

Alterações no alinhamento do Festival Bardoada e Ajcoi

O Festival Bardoada e Ajcoi anunciou a substituição de duas das bandas previamente confirmadas. (...)

Marky Ramone em Portugal no próximo mês

O veterano Marky Ramone tem dois espectáculos marcados para o nosso país, que serão nada mais, nada menos, do que o warm up para o Lisbon Tattoo Rock Fest 2018. (...)

Behemoth lançam nova música "Wolves Ov Siberia"

"Wolves Ov Siberia", o novo vídeo de Behemoth, pode ser visto acima. A música faz parte do próximo álbum da banda, "I Loved You At Your Darkest", (...)


A cumprir com a tradição de surpreender os fãs, os Moonspell lançaram um álbum que nos enche o coração e estremece a alma. 1755, obra lançada a 3 de Novembro de 2017, faz ecoar no espaço nacional todas as vozes que não foram ouvidas no trágico terramoto de 1 de Novembro de 1755. A banda nacional - composta por Fernando Ribeiro, Miguel Gaspar, Ricardo Amorim, Pedro Paixão e Aires Pereira – dispensa apresentações em território lusitano. “1755” conta o relato do terramoto de Lisboa de uma forma nunca antes pensada. Se achávamos que a versão ensinada nos livros de História tinha impacto, este álbum vem revolucionar o nosso pensamento.

Dá-se o cair do pano e na “Em Nome do Medo”, primeira faixa do álbum, a voz de Fernando Ribeiro faz-se sentir no conforto dos ouvidos. “Em nome do medo, do medo sem fim, na ira dos deuses, caímos enfim.” reporta-nos a forma infeliz de como Lisboa sofreu o terramoto, no qual milhares de pessoas foram sugadas nos escombros. Ao longo de 5 minutos e meio somos embalados pelo lado orquestral de Moonspell. Logo a seguir, “1755”, a musica-titulo, começa com riffs bem conhecidos dentro do estilo da banda. A voz, num tom meio rasgado, proporciona-nos uma visão heroica no que toca à nossa História (destaca-se a passagem dos 2 minutos e 40 segundos, prendada com um solo de guitarra fenomenal). Ainda nem a meio do álbum vamos - e o ouvinte que o comprove - e ficamos completamente rendidos a estes Moonspell na sua língua original.

“In Tremor Dei” acaba por consolidar qualquer dúvida em relação à essência do álbum, através de sons que nem os deuses pensaram. Desde vozes limpas que nos arrepiam, a riffs que nos arrancam o coração… é de tremer de emoção. As restantes faixas, nomeadamente “Desastre” e “Abanão”, são referências de igual importância para este álbum. A essência de Moonspell não está morta, mesmo após criações únicas – tais como “Wolfheart” de 1995, “The Antidote” de 2003, ou “Alpha Noir” (2012) por exemplo – ao longo de uma carreira com mais de duas décadas. Após temas como “Evento” e “1 de Novembro” aproximamo-nos de, se não a faixa mais marcante, das mais icónicas do álbum: “Todos os Santos”, na qual somos engolidos nas derrocadas de riffs de guitarra com qualidade e selo nacional, marcados por Pedro Paixão e Ricardo Amorim e a voz inconfundível de Fernando Ribeiro.

É caso para dizer que “todos os santos não chegaram” para salvar Lisboa, mas a alma lusa – que é tudo menos pequena – e coragem fizeram com que renascêssemos do pó. Aos Moonspell, os meus parabéns. A Portugal, os meus parabéns, somos nação valente e imortal!

Nota: 9.3/10

Review por Carolina Lisboa Pereira