• Facebook
  • Myspace
  • Twitter
  • Google+

Reviews Mais Recentes


Rasgo - Ecos da Selva Urbana


Terror Empire - Obscurity Rising


Painted Black - Raging Light


Wolves in the Throne Room - Thrice Woven


Celeste - Infidèle(s)


Moonspell - 1755


Battle Dagorath - II - Frozen Light of Eternal Darkness


Kalmankantaja - Routamaa


Archspire - Relentless Mutation


Tod Huetet Uebel - N.A.D.A


Benthik Zone - Via Cosmicam ad Europam ab Gelid Inferis


Acherontas - Amarta अमर्त (Formulas of Reptilian Unification Part II)


Progenie Terrestre Pura - oltreLuna


Vita Imana - El M4l


Overkill - The Grinding Wheel


Time Lurker - Time Lurker


Warbringer - Woe to the Vanquished



Akercocke - Renaissance in Extremis


Neige et Noirceur - Verglapolis


Concertos em Destaque

Tradutor

Entrevistas Mais Recentes



































System of a Down têm músicas novas

Afinal não há nenhum problema com os System of a Down. É Serj Tankian quem o afirma, numa entrevista recente concedida à Rolling Stone. Na verdade a banda tem músicas novas, (...)

Simbiose, Alien Squad, Dokuga atuam no Porto em fevereiro

Os nacionais Simbiose, Alien Squad e Dokuga vão tocar no Metalpoint (Porto), no dia 3 de fevereiro do próximo ano.(...)

Hourswill apresentam novo álbum na companhia dos Inner Blast, The Chapter e Scarmind

Os Hourswill apresentam ao vivo o seu mais recente álbum, "Harm Full Embrace", dia 13 de janeiro, no RCA Club em Lisboa.(...)

Kamelot lançam novo vídeo e revelam novidades para 2018

Os Kamelot disponibilizaram o novo vídeo do tema "Under Grey Skies", que conta com a participação da vocalista dos Delain, Charlotte Wessels.(...)

Graveyard a gravar novo álbum

Os suecos Graveyard encontram-se nos Park Studios, em Estocolmo, a gravar o seu próximo álbum de estúdio, sucessor de "Innocence and Decadence", lançado no ano 2015. (...)


A cumprir com a tradição de surpreender os fãs, os Moonspell lançaram um álbum que nos enche o coração e estremece a alma. 1755, obra lançada a 3 de Novembro de 2017, faz ecoar no espaço nacional todas as vozes que não foram ouvidas no trágico terramoto de 1 de Novembro de 1755. A banda nacional - composta por Fernando Ribeiro, Miguel Gaspar, Ricardo Amorim, Pedro Paixão e Aires Pereira – dispensa apresentações em território lusitano. “1755” conta o relato do terramoto de Lisboa de uma forma nunca antes pensada. Se achávamos que a versão ensinada nos livros de História tinha impacto, este álbum vem revolucionar o nosso pensamento.

Dá-se o cair do pano e na “Em Nome do Medo”, primeira faixa do álbum, a voz de Fernando Ribeiro faz-se sentir no conforto dos ouvidos. “Em nome do medo, do medo sem fim, na ira dos deuses, caímos enfim.” reporta-nos a forma infeliz de como Lisboa sofreu o terramoto, no qual milhares de pessoas foram sugadas nos escombros. Ao longo de 5 minutos e meio somos embalados pelo lado orquestral de Moonspell. Logo a seguir, “1755”, a musica-titulo, começa com riffs bem conhecidos dentro do estilo da banda. A voz, num tom meio rasgado, proporciona-nos uma visão heroica no que toca à nossa História (destaca-se a passagem dos 2 minutos e 40 segundos, prendada com um solo de guitarra fenomenal). Ainda nem a meio do álbum vamos - e o ouvinte que o comprove - e ficamos completamente rendidos a estes Moonspell na sua língua original.

“In Tremor Dei” acaba por consolidar qualquer dúvida em relação à essência do álbum, através de sons que nem os deuses pensaram. Desde vozes limpas que nos arrepiam, a riffs que nos arrancam o coração… é de tremer de emoção. As restantes faixas, nomeadamente “Desastre” e “Abanão”, são referências de igual importância para este álbum. A essência de Moonspell não está morta, mesmo após criações únicas – tais como “Wolfheart” de 1995, “The Antidote” de 2003, ou “Alpha Noir” (2012) por exemplo – ao longo de uma carreira com mais de duas décadas. Após temas como “Evento” e “1 de Novembro” aproximamo-nos de, se não a faixa mais marcante, das mais icónicas do álbum: “Todos os Santos”, na qual somos engolidos nas derrocadas de riffs de guitarra com qualidade e selo nacional, marcados por Pedro Paixão e Ricardo Amorim e a voz inconfundível de Fernando Ribeiro.

É caso para dizer que “todos os santos não chegaram” para salvar Lisboa, mas a alma lusa – que é tudo menos pequena – e coragem fizeram com que renascêssemos do pó. Aos Moonspell, os meus parabéns. A Portugal, os meus parabéns, somos nação valente e imortal!

Nota: 9.3/10

Review por Carolina Lisboa Pereira