• Facebook
  • Myspace
  • Twitter
  • Google+

Candidata-te

A Metal Imperium encontra-se a recrutar colaboradores para redação de notícias, reviews de álbuns ou entrevistas a bandas.

Quem quiser fazer parte desta equipa poderá candidatar-se contactando-nos por email: metalimperium@gmail.com



Reviews Mais Recentes

Uada - Cult of the Dying Sun


Occultum - In Nomine Rex Inferni


Monolithe - Nebula Septem


Morag Tong - Last Knell of Om


Haunted - Dayburner


Djevel - Blant Svarte Graner


Raw Decimating Brutality - Era Matarruana


Czort - Czarna Ewangelia


Kinetik - Critical Fallout


Dopethrone - Transcanadian Anger


Abhor - Occulta ReligiO


Refuge - Solitary Men


Sevendust - All I See Is War


Black Fast - Spectre of Ruin


Sleep - The Sciences


Tomb Mold - Manor of Infinite Forms


Taphos - Come Ethereal Somberness


Wrath Sins - The Awakening


Judas Priest - Firepower


Bleeding Through - Love Will Kill All


Ihsahn - Àmr


Alkaloid - Liquid Anatomy


Filii Nigrantium Infernalium - "Fellatrix


Amorphis - Queen of Time


Ghost - Prequelle


Angelus Apatrida - Cabaret de la Guillotine


Bleed From Within - Era


Painted Black - Raging Light


Necrobode - Metal Negro da Morte


Pestilence - Hadeon


Tortharry - Sinister Species


Inframonolithium - Mysterium


Somali Yacht Club - The Sea


Dallian - Automata


Concertos em Destaque

Tradutor

Entrevistas Mais Recentes



































Alcest revelam detalhes sobre novo álbum

Depois de um longo e intenso período de trabalho no Drudenhaus Studio, os Alcest anunciaram o término das gravações do seu sexto registo. (...)

Korn lançam novo álbum em setembro e divulgam novo single

Os Korn preparam-se para lançar o seu novo álbum, "The Nothing", no dia 13 de setembro, através da Roadrunner/Elektra

Killswitch Engage lançam novo single

Os Killswitch Engage continuam a antecipar o seu novo álbum. Para o efeito, a banda divulgou agora o primeiro single do mesmo, "Unleashed", que pode ser ouvido (...)

Testament - Novo álbum será lançado no princípio do próximo ano

O vocalista Chuck Billy e o guitarrista Eric Peterson revelaram há dias, no festival francês Hellfest, que gravaram todas as faixas para o próximo álbum (...)

Possessed, Burn Damage @ RCA Club, Lisboa – 18Jun2019

Quando eu era um jovem apreciador de metal, nos finais da década de 80, Portugal era um deserto no que toca a concertos de sons mais pesados, e quando havia algum, por exemplo no mítico Pavilhão do Dramático de Cascais, (...)

Em 6 de Setembro de 2019, a Century Media Records lançará 'To Bathe from the Throat of Cowardice', o primeiro álbum do grupo de Death Metal VITRIOL de Portland, Oregon. O EP de 2017, "Pain Will Define Their Death", lançado pela editora italiana Everlasting Spew, já tinha proporcionado uma visão chocante e intensa do turbilhão que deve ser desfrutado no tão esperado álbum de estreia, 'To Bathhe from the Throat of Cowardice'. Perante tudo isto, a Metal Imperium não podia deixar passar a oportunidade de entrevistar os VITRIOL. Aqui fica a conversa...

M.I. - Como começaram a banda e quais são as maiores influências que inspiraram VITRIOL e a sua música? Por que criaram VITRIOL?

Os Vitriol formaram-se a partir das cinzas de uma banda local da qual todos fazíamos parte anteriormente. A banda dissolveu-se devido a diferenças pessoais e as minhas ambições criativas para a música. Eu sabia que queria algo menos comprometedor e auto-indulgente do que o que a banda anterior estava a fazer, algo que mostrasse mais devoção ao objectivo de criar uma experiência singular. Grande parte do Death Metal que eu senti para definir essa abordagem estava a ser feito no final dos anos 90: os primeiros trabalhos de Hate Eternal, Angelcorpse, Krisiun, Nile, Rebaelliun, Diabolic, Morbid Angel na era Tucker, etc. Eu queria desenvolver a filosofia aparente dos sons dessas bandas e ver onde isso me poderia levar.


M.I. - Por que é que os VITRIOL afirmam que o Death Metal é um género de medo?

O principal motor de Vitriol é defender a cura de uma experiência hostil e abjecta sobre todo o resto. Toda a ambição musical que temos é um meio de servir esse fim. Eu sinto que grande parte do Death Metal moderno é uma ambição musical dentro de uma estética superficial do Death Metal. Vitriol é a morte sob o pretexto de ambição musical.


M.I. - Sendo uma banda bastante recente, como descreverias VITRIOL para aqueles que não estão familiarizados com o vosso som? O que podem esperar?
Costumo descrever Vitriol como uma banda extrema de metal. Embora o Death Metal se sinta mais confortável na troca subcultural, não é suficientemente conciso. Sempre apreciei muito a maioria dos cantos mais extravagantes e grotescos da música extrema. Vitriol é metal feito por alguém que queria defender essa paixão pelo desejo de respeitar as normas subculturais. É sufocante.


M.I. - As pessoas que conhecem a banda parecem muito empolgadas com VITRIOL… dizendo que são o que elas querem numa banda, que são autênticos e trouxeram de volta o que estava a faltar no género Death Metal… como se sentem quando ouvem as pessoas a dizer estas coisas?

Estas observações servem como a melhor fonte de validação. Os contratos de gravação, as oportunidades de tournée são nada em comparação com o reforço artístico que recebemos de metaleiros apaixonados que estavam à espera para ouvir uma obra de paixão. Saber que minha paixão se traduz em tantas outras é tudo o que preciso para me sentir satisfeito com o que alcancei.


M.I. - O EP de 2017, "Pain Will Define Their Death", foi um vislumbre do álbum de estreia, "To Bath From The Throat Of Cowardice". Ambos os títulos são bastante intensos. A intenção principal é chocar o ouvinte?

Certamente não. A nossa principal intenção é sermos honestos. A voz de Vitriol, embora cruel, é muito estoica. A intenção de Vitriol é exibir a realidade horrível, indiferente, hostil e isolada da experiência humana sem mitigação. Não queremos dar socos. O metal extremo está a afogar-se em novidades e ficção pesadas há muito tempo. O facto de que o desprezo possa servir para deixar tantos desconfortáveis é evidência disso. Estamos felizes em continuar a nossa tentativa de criar essa experiência.


M.I. - "To Bath From The Throat of Cowardice" negligencia o conformismo convencional em favor de uma interpretação sincera do Death Metal. Isso reflecte-se nas vossas letras?

Obrigado por dizeres isso. Esse era certamente o objectivo, sim. Manter uma abordagem honesta e intransigente em todos os aspectos do que fazemos é como vemos o sucesso que temos e como o nosso trabalho continuará a falar com os nossos ouvintes. Isso resultou em algumas faixas profundamente pessoais (Victim, Violence, a Worthy Truth, I Drown Nightly) e meditações irrestritas sobre o que ocorre na ausência da humanidade.


M.I. - "The Parting Of A Neck" foi o single lançado em Novembro do ano passado. É também a 1ª faixa do álbum... foi esse single que vos garantiu o contrato com a Century Media?

Foi! E é por isso que é a primeira faixa do LP. Colocá-lo em primeiro parecia poético, tal como o seu vídeo de reprodução é, sem dúvida, o que lançou este estágio da nossa carreira. Ele também se destaca pela intensidade da bateria, por isso foi uma boa aposta!


M.I. - Todas as faixas do EP lançado em 2017 também estão no álbum de estreia… foi uma maneira de fazer o EP alcançar mais pessoas?

Claro que sim. Nós acreditamos fortemente na qualidade do material do EP e ficamos desconfortáveis com a ideia de ele “desaparecer” quando o LP foi promovido. Por isso, optamos por incluí-los, mas com a intenção de regravá-los inteiramente e até mesmo reimaginar algumas das suas partes. Queríamos apresentar novos fãs ao material do EP, proporcionando aos fãs mais antigos uma nova experiência.


M.I. - Escreveram as letras separadamente, sem uma música específica ou padrões rítmicos, ou escreveram tudo simultaneamente?

Eu escrevo a música e as letras para Vitriol completamente separadamente. Como a letra é atribuída a qual música, varia de peça para peça. Às vezes, o tema lírico encaixa-se num certo carácter sonoro de uma música. Por exemplo, "I Drown Nightly" tem um riff após o solo de guitarra que me deixava sempre com imagens de ondas a bater contra rochas escuras. Isso tornou-se uma escolha óbvia para a peça lírica.


M.I. - Qual a fonte de inspiração para as letras?

A horrível condição do ser humano e a dor que existe entre o que é e o que precisamos de ser.


M.I. - A banda embarcará em breve numa tournée europeia com Nile e Hate Eternal. Têm alguma expectativa em relação a isso? Acreditam que as pessoas na Europa estão familiarizadas com VITRIOL?

Não vou para a tournée com nenhuma expectativa. Vou apenas com um forte sentido de dever e obrigação de executar o meu melhor. Dizer que os Nile e Hate Eternal são os meus heróis musicais seria um eufemismo genuíno. É uma oportunidade da qual pretendo usufruir ao máximo. Só espero ter a oportunidade de provar o nosso valor para o maior número possível de fãs europeus e futuros fãs.


M.I. - Já tiveram a oportunidade de tocar essas novas músicas ao vivo... como tem sido a resposta?

A resposta foi esmagadora, até agora. Tivemos alguns concertos fora da cidade há alguns meses, um dos quais foi no Las Vegas Death Fest, e os concertos definitivamente serviram para fornecer muita confiança na viabilidade ao vivo do novo material. Mal podemos esperar para lançá-lo na Europa.


M.I. – Vocês têm estado muito activos ao vivo e as pessoas parecem fascinadas... o que causou todo este fascínio? Nem todas as bandas com um EP recebem a atenção que vocês recebem... qual é o segredo?

Criar arte a partir de algo autêntico. Ter algo a dizer e ser fiel a isso. Se é honesto para ti, é honesto para muitos outros. Confia nisso.


M.I. - A banda tem pelo menos 2 vídeos: um para “Victim” e outro para “Violence, a worthy truth”… Nesta era em que as pessoas vivem em frente ao computador e com acesso à Internet em todos os lugares… qual a importância dos vídeos na promoção de uma banda?

Os vídeos provavelmente são o meio mais importante para ouvir música de momento. Se não fosse o sucesso dos nossos vídeos no YouTube, não teríamos garantido as oportunidades que conseguimos. Eu recomendo expandir o senso de obrigação como músico ao de um cinegrafista também. Eu sei que é algo difícil de engolir, aceitar que tornar-se músico proficiente em 2019 não é suficiente.


M.I. - Quais são os objectivos a curto prazo para VITRIOL? E a longo prazo?

Os nossos objectivos a curto prazo são representar este álbum da melhor maneira possível. Daqui a uma semana estaremos a gravar o nosso primeiro videoclipe de produção em apoio a "To Bathe from the Throat of Cowardice" com Brendan McGowan (Cannibal Corpse, Imperial Triumphant) e não poderíamos estar mais animados. Vocês terão muitas oportunidades para explorar este material de diversas maneiras.


M.I. - "O único futuro nobre para o Death Metal é de extenuante responsabilidade pessoal. Intolerância à mediocridade e reverência sem novidades." Achas que o género Death Metal precisa de ser reavivado? 

Não acho que precise necessariamente de haver um reavivamento. Dizer que o estado de algo tão grande quanto o Death Metal precisa de algo parece um pouco míope. Há sempre coisas incríveis a acontecer no underground. A arte é uma conversa que requer equilíbrio. Ultimamente, senti que muito do Death Metal foi dirigido por uma fetichização adolescente de indiferença, falta de responsabilidade e entropia geral. Isso manifestou-se na preguiça, não apenas nos esforços dos artistas, mas nas demandas dos ouvintes. Simplesmente queremos representar outros valores e mostrar aos outros que se pode ser pesado e preocupar-se.


M.I. - Tudo de bom para o álbum e para a tournée. Espero que consigam tudo o que desejam e que venham tocar em Portugal um destes dias! Por favor, deixem uma mensagem para os leitores da Metal Imperium.

Não posso agradecer o suficiente pelo tempo e interesse no álbum e nesta entrevista. Tenha a certeza de que tocar em Portugal é muito importante na nossa lista de prioridades. Apresentar-vos este álbum seria uma verdadeira honra. Acredita que lhe faremos justiça!

For English version, click here

Entrevista por Sónia Fonseca